Alô Alô Política


3 Dec 2021

Bastidores: evento de Neto supera expectativas e a emoção na releitura do jingle “ACM Meu Amor”

Demonstração de força
Aliados de ACM Neto contaram que surpreendeu o número de pessoas que participaram ontem do lançamento da pré-candidatura do ex-prefeito de Salvador ao governo do estado. Além das lideranças políticas estaduais e nacionais que estiveram no evento, chamou a atenção a presença massiva de representantes do interior do estado, que foram ao Centro de Convenções de Salvador em caravanas que saíram de todas as regiões da Bahia. "Superou e muito as expectativas. Ficou com cara de convenção diante da proporção que tomou. Foi uma demonstração de força muito grande", disse um deputado.
 
Disparado na ponta
A animação foi ainda maior com o levantamento feito pelo instituto Paraná Pesquisas e divulgado pela Bahia Notícias apontando Neto com 54,8% das intenções de voto, contra 23,1% do senador Jaques Wagner (PT). Aliados avaliam que o número é ainda melhor do que as pesquisas anteriores, o que indica uma consolidação de Neto na liderança com potencial ainda de crescimento.
 
Virada do jogo
Outro ponto a destacar no lançamento da pré-candidatura foi a presença de prefeitos e lideranças do interior, até mesmo alguns que integram partidos aliados ao PT na Bahia, o que indica o movimento já crescente de insatisfação com as gestões petistas e mudança para o grupo de Neto no estado.
 
Só o começo
Famoso prefeito do interior revelou que estava apenas esperando a liberação de uma grande verba para mudar de lado e declarar apoio a ACM Neto. Disse que temia retaliações ao município. Mas, em conversas reservadas, anunciou que se Neto quisesse ‘jogava tudo pro alto’ e iria para o evento. Contudo, ouviu de ACM que não precisava pressa.  “Consiga o recurso pra cidade e depois pode vir. Estamos apenas começando a caminhada”, teria dito Neto a ele.
 
Nostalgia
A nova versão do jingle 'ACM Meu Amor' tocou em cheio o coração dos carlistas saudosos do velho ACM. Foi um dos momentos altos no evento, com muitas lágrimas e emoção. O vídeo viralizou no WhatsApp e no Instagram e já virou um dos assuntos mais comentados no meio político.

 Boas impressões
O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, ficou impressionado com a força do evento de ACM Neto. Em seu discurso, disse que nunca viu coisa igual, ainda mais no lançamento de uma pré-candidatura. A observação de Caiado tem fundamento: esse foi o maior evento que Neto já fez em todos os tempos em número de pessoas, maior até do que convenções.
 
Tentativa
E olhem que a máquina estadual trabalhou forte até a madrugada de ontem para evitar a presença de prefeitos, tanto de aliados do governo quanto de integrantes do grupo de Neto. Articuladores do Palácio de Ondina ligaram para prefeitos para oferecer obras e investimentos de forma a evitar que eles marcassem presença do evento. Queriam esvaziar o Centro de Convenções, mas não conseguiram. Mas ainda assim, garantem políticos que acompanharam o processo, custou caro para o governo. 
 
Calma...
Um importante cacique ligado a Rui e Wagner que integra o tripé de sustentação do governo entrou em ação e ligou para alguns de seus prefeitos que pretendiam participar do evento de Neto. O pedido do cacique foi que evitassem estar no ato e que fossem pacientes, pois até ele próprio cogitava migrar para o grupo do ex-prefeito da capital, mas "na hora certa". Disse ainda que, caso os prefeitos decidam estar ao lado de Neto, que deixem para o ano que vem.
 
 Presença confirmada
Quem esteve no evento foi o ex-deputado José Carlos Araújo, atual presidente estadual do PL, partido o qual se filiou o presidente Jair Bolsonaro. Especulava-se que o PL não estaria presente, mas a ida de Araújo indica, segundo caciques, que, mesmo que o partido não apoie Neto oficialmente, prefeitos e lideranças filiados à legenda vão trabalhar pela candidatura do ex-prefeito de Salvador.
 
Deputado ostentação
Um vídeo do deputado estadual Junior Muniz (PP) tem circulado em grupos de WhatsApp e gerado comentários no meio político. Na publicação, Muniz aparece dirigindo uma Ferrari em Paris, ao lado de duas pessoas. "Essa máquina aqui é tudo de bom. Essa Ferrari detona", disse ele no vídeo. Entre políticos, Muniz é chamado de "deputado ostentação". Pegou mal.
 
 
Quem paga a conta?
O secretário estadual de Relações Institucionais, Luiz Caetano, tem abusado da propaganda antecipada em Camaçari. Ao lado de sua esposa, Ivoneide Caetano, ele sai num Fusca todo fantasiado com as cores e número do PT pelas ruas do município da região metropolitana de Salvador. O fato curioso é que o veículo está no nome de uma empresa que prestou serviço para a campanha de Caetano em 2018 para deputado federal e de Ivoneide a prefeita em 2020.
 
 Gol de placa
Daniel Alves, craque da Seleção Brasileira e do Barcelona, está prestes a inaugurar o Instituto Dani Alves, na Região Metropolitana de Salvador. O diretor de Esportes da Prefeitura, Felipe Lucas, intermediou uma reunião virtual entre o jogador e o prefeito Bruno Reis para discutir uma parceria em que o instituto atenderá jovens e crianças de Salvador, em situação de vulnerabilidade social, na iniciação esportiva e com ações educativas. Se a parceria se confirmar, Salvador marcará um golaço a favor do esporte.
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica.
 
Foto: Divulgação.

26 Nov 2021

CPI dos respiradores vem tirando o sono de Rui Costa

O sono dos (in)justos                 
 
A CPI da Covid do Rio Grande do Norte, que investiga o caso dos respiradores, tem literalmente tirado o sono do governador Rui Costa (PT). Fontes do Palácio de Ondina revelaram que o petista tem tido dificuldades para dormir diante do avanço das investigações e da dimensão em termos de visibilidade que vem ganhando o trabalho conduzido por deputados potiguares. Para completar, cresceu um rumor de que a Polícia Federal prepara uma operação que deve atingir em cheio os supostos responsáveis pelo esquema, alguns deles ligados ao Governo da Bahia. Embora Rui diga que defende a apuração, aliados admitem que o governador baiano anda muito preocupado.
 
No rastro do dinheiro
 
Apesar de Rui tentar se isentar, o fato é que, segundo integrantes da CPI, pelo menos metade dos R$ 50 milhões, que foram pagos pelos estados do Nordeste e não foram devolvidos, foram destinados para propina a agentes públicos e estão agora nos bolsos de alguém. Com base em documentos sigilosos, os deputados que participam da comissão querem construir o caminho do dinheiro para identificar para onde foram os recursos desviados. Garantem ainda que os empresários que participaram do "negócio" estão doidos para abrir a boca e fazer delação, mostrando detalhadamente o caminho do dinheiro. Vai ser um Deus nos acuda!
 
Manda mais
 
Pelo que tem sido apontado até o momento, o ex-secretário Bruno Dauster é considerado o principal agente público operador do esquema. Segundo integrantes da CPI, ele teria pedido à Hempcare, empresa contratada para entregar os respiradores, para aumentar o valor do contrato e, assim, "crescer o bolo" da propina. Dizem ainda que o contrato foi feito somente para desviar recursos, uma vez que cláusulas de garantia foram retiradas.
 
Menino travesso
 
Além do ex-secretário Bruno Dauster, um dos alvos das investigações é uma figura com forte ligação com o senador Jaques Wagner (PT). Ele é considerado um importante intermediário na negociação feita entre o Consórcio Nordeste e as empresas que seriam responsáveis pela entrega dos respiradores. O cidadão já está no radar da CPI.
 
Presente indigesto
 
O relatório final da CPI deve ser apresentado e votado até meados de dezembro e, pouco antes do Natal, vai ser entregue à Procuradoria Geral da República (PGR). Líderes da comissão potiguar dizem que o presente de Papai Noel não vai ser nada agradável para os integrantes do Consórcio Nordeste, em especial aos baianos.
 
CPI na Bahia
 
Enquanto isso, deputados governistas na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) estão preocupados com a possibilidade de abertura de uma CPI no estado. Nas últimas semanas, alguns deputados da Oposição começaram a fazer sondagens sobre a criação de uma comissão para investigar o caso dos respiradores, uma vez que a Bahia está no centro das investigações. O movimento tem crescido e já ganha adeptos até mesmo entre parlamentares que, por enquanto, são aliados de Rui Costa. Se de fato uma CPI for aberta, o bambu vai gemer para a turma de Rui e Wagner.
 
Visita
 
Nesta semana, inclusive, um grupo de deputados estaduais da oposição foi ao Rio Grande do Norte para uma reunião com integrantes da CPI potiguar. Um deles revelou à coluna que voltou abismado com as informações e que o esquema é mais grave do que se imagina.
 
Virado na P
 
Um experiente deputado federal do PT tem soltado cobras e lagartos contra o governador Rui Costa. O parlamentar havia se comprometido a votar em Arthur Lira (PP) na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados e iria ganhar emendas extras, mas mudou o voto para Baleia Rossi (MDB) a pedido de Rui, que prometeu compensar com investimentos em bases do petista. Resultado: até agora nada para o deputado, que não tem escondido sua insatisfação.
 
Proeza
 
O líder do governo na ALBA, Rosemberg Pinto (PT), tem degradado gregos e troianos na CPI da Coelba, que ainda não emplacou no Legislativo. O petista quer emplacar presidência e relatoria do colegiado com deputados governistas, o que gerou revolta na oposição, que já ameaça retirar apoio ao colegiado. Até mesmo o deputado Tum (PSC), governista e autor do pedido de abertura da investigação, não está satisfeito e anda reclamando do desequilíbrio e teme uma perda de credibilidade da CPI. Vale recordar, dizem oposicionistas, que foi Rosemberg que propôs uma reunião a portas fechadas com a Coelba, ideia que foi refutada por Tum e pela oposição.
 
O dia D
 
O evento que vai oficializar, na próxima quinta-feira (2), a pré-candidatura do ex-prefeito de Salvador ACM Neto (Democratas) ao governo do estado tem movimentado os bastidores da política do estado. O encontro, que deve reunir representantes de todas as 417 cidades da Bahia, terá a presença de integrantes dos partidos da base aliada de Neto. Também são esperadas algumas surpresas - leia-se: políticos que ainda não declararam formalmente apoio a Neto. O que se comenta é que a lista dos que vão ao lançamento da pré-candidatura já é grande, mas é também considerável a relação dos querem, mas ainda não podem. “Ainda”, ressalta um cacique. 2022 promete!
 
Reforços à vista
 
O burburinho também está entre deputados hoje aliados ao PT. Uma influente deputada estadual de um dos maiores partidos da base, por exemplo, já não esconde sua insatisfação com o governo e pretende em breve migrar para o grupo de Neto. Outro deputado federal do PP já é dado como certo no lado do ex-prefeito da capital.
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica.

19 Nov 2021

Rui tem queda nas pesquisas e aliados de Wagner admitem desempolgação do petista na disputa pelo governo

Alerta Vermelho

O proprietário de um respeitado instituto de pesquisa local disse que não gostaria de estar na pele do governador Rui Costa (PT) no momento atual. A empresa dele monitora mensalmente o humor da população baiana desde o início da pandemia. A avaliação positiva do petista na condução do combate à Covid-19 tem caído significativamente nos últimos meses. “Rui já foi um dos governadores mais bem avaliados do Brasil quando falamos de Covid. Nos últimos meses, porém, ele vem num gráfico cada vez mais descendente”, conta.
 
Escolha de Sofia

Ter ou não ter Carnaval. Essa parece ser a ‘Escolha de Sofia’ de Rui Costa. Por um lado, se não promover a festa, pode ser bombardeado por todas as direções e, de quebra, ainda prejudicar centenas de empresários e provocar demissões, principalmente se o evento for realizado com sucesso em outras cidades. Por outro, há a questão da saúde, mas que o governador parece não se mostrar disposto ao menos a equilibrar os parâmetros já utilizados – vide a liberação de partidas em estádios de futebol. E tudo isso no último ano de governo...
 
Da boca pra fora

O senador Jaques Wagner (PT) pode até negar que esteja desempolgado, mas os aliados não têm visto no petista tanta vontade de disputar o Governo da Bahia no próximo ano. Segundo os aliados, além de viajar pouco para o interior, Wagner tem feito raros encontros com lideranças políticas do estado. Correligionários dizem que o senador tem fechado o balcão todas as sextas no final da manhã, e só retorna na segunda.
 
Ao pé do ouvido

Aliados dizem ainda que pessoas próximas ao senador estão "desestimulando" o petista a disputar o governo. Revelam que o temor é que a entrada de Wagner na disputa faça reacender denúncias e investigações contra o ex-governador, o que pode gerar problemas na Justiça e tornar o ambiente mais conturbado até mesmo para o governador Rui Costa (PT).
 
 Ponte rachada

O que se comenta nos bastidores é que a relação entre Wagner e Rui é a pior possível, especialmente por causa do episódio dos "traíras" protagonizado por Rui. Na boca miúda, dizem até que os dois não se falam há algum tempo. A pergunta que não quer calar: será que estão de mal?
 
Batata assando

Fontes palacianas avaliam que a péssima relação entre a dupla pode ser mais prejudicial para Rui, que teria menores chances de participação em um eventual governo Lula. Isso porque Wagner e Lula têm uma relação muito próxima, enquanto Rui já não é lá muito bem quisto no núcleo petista e, em crise com o senador, vira de vez 'persona non grata'.
 
Dois pesos e duas medidas

Entre caciques baianos, paira a dúvida se o governador Rui Costa vai chamar de "traíras" os senadores Otto Alencar e Angelo Coronel, ambos do PSD, que se manifestaram favoravelmente à PEC dos Precatórios. "Pau que dá em Chico dá em Francisco ou não?", questionou um deles.
 
Voto da discórdia

Já Wagner deve votar mesmo contra a proposta e, com isso, compra uma briga com os prefeitos baianos, que são favoráveis à matéria porque conseguem um desafogo nas contas municipais devido ao parcelamento das dívidas previdenciárias. Ou será que Wagner vai entrar no rol dos "traíras", segundo a definição de Rui?
 
 
Né comigo não

O governador Rui Costa fez sempre questão de espalhar pela Bahia propaganda sobre a ponte Salvador-Itaparica. Contudo, agora que está vendo que o projeto não vai sair do papel, começou a ensaiar um discurso de "né comigo não" e que o empreendimento é coisa da gestão anterior. As outras propagandas sobre a ponte podem até ter surtido efeito, mas essa, 16 anos depois, não cola mais.
 
Vai ou fica?

O deputado estadual Luiz Augusto (PP) assumiu de forma efetiva a cadeira na Assembleia Legislativa e tem pairado uma dúvida sobre ele: o pepista ficará mesmo na base governista? Ele assumiu a vaga de João Isidório, falecido em um trágico acidente, e vinha fazendo críticas ao governo desde que perdeu a reeleição em 2018. À imprensa, disse que fica com o PP na base, mas já tem gente dizendo que são palavras ao vento.
 
Mais um

Outro que não sabe se fica na base do governo do PT da Bahia é Samuel Júnior, recentemente expulso do PDT. Evangélico e bolsonarista, Samuel deve ir para o PL e, dizem nos corredores do Legislativo, pode migrar de vez para a oposição.
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica.

Foto: Divulgação.
 

12 Nov 2021

Governo perde prazo para desapropriações de áreas para a ponte Salvador-Itaparica; leia a coluna Alô Alô Política

Ainda no papel

A obra da ponte Salvador-Itaparica parou antes mesmo de começar. O governo do estado perdeu o prazo de dois decretos de desapropriação de áreas no Comércio, que caducaram no final de outubro, e, com isso, as intervenções não podem ser iniciadas. Os decretos, que foram editados em 2016, venciam em cinco anos. As áreas seriam utilizadas para a construção dos pilares da cabeceira da ponte e dos viadutos que farão conexão com a rede viária de Salvador. Com isso, o governo da Bahia só poderá retomar os trâmites da desapropriação em outubro de 2022. Agora, resta saber qual o malabarismo que o governo vai fazer para explicar isso à população após tanta promessa em torno da ponte. Pelo visto, o início ou não da obra ficará a cargo do próximo governador.
 
Desgosto nível hard

O bicho está pegando nas hostes governistas da Bahia. O senador Otto Alencar (PSD) tem destilado insatisfação para todo lado, principalmente em conversas com seus aliados mais próximos. A reação de Otto e do filho, o deputado federal Otto Alencar Filho, não foi apenas pelo ataque do governador Rui Costa (PT), que chamou os próprios aliados de traíras por votarem a favor da PEC dos Precatórios. O aborrecimento, garantem pessoas próximas ao senador, é muito mais profunda.
 
 
Gestação avançada

A possibilidade de dar o comando do Palácio de Ondina ao vice-governador João Leão (PP) por nove meses está ganhando corpo para valer. O senador Jaques Wagner e o ex-presidente Lula estão totalmente dispostos a bancar isso, segundo confidenciaram fontes ligadas à dupla com trânsito em Brasília. Quem não gosta nada da ideia é Otto, que não vê com bons olhos a ida de Leão para o comando do governo.
 
O imbróglio

Neste cenário, o governador Rui Costa, que precisaria renunciar em abril para que Leão assuma, até aceitaria o acordo, mas desde que seja candidato ao Senado. E é neste ponto que a coisa embola. Lula quer que Rui seja candidato a deputado federal para preservar Otto, que deseja disputar a reeleição. Mas o governador não aceita e só pensa no Senado. Enquanto isso, Otto tem falado cobras e lagartos do PT em Brasília.
 
 
Leão emparedado

Uma corrente no PP intensificou a pressão para que o vice-governador João Leão seja candidato a governador, caso não assuma o Palácio de Ondina. O temor do grupo é que o partido, além de não manter as cadeiras que já tem hoje no Congresso e na Assembleia Legislativa, corre o sério risco de perder lugares nas duas Casas legislativas (ALBA). O grupo diz que Leão é hoje "uma das maiores vítimas do governo". Em conversa com Leão, um parlamentar até sentenciou ao vice: "só fico no partido se você for candidato a governador". E aí, Bonitão?
 
Inimigo mortal

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), ligou para o governador Rui Costa (PT) durante a votação da PEC dos Precatórios para que ele liberasse os votos dos parlamentares Paulo Magalhães (PSD) e Pastor Sargento Isidorio (Avante), para que votassem com o governo Bolsonaro a favor da matéria. Rui disse que de jeito nenhum e ganhou um inimigo. O que se diz é que Lira vai fazer de tudo para inviabilizar a aliança do PP, de Leão, com o PT na Bahia.
 
 
Águas de março

No movimento de prefeitos essa semana em Brasília, que foram à capital federal acompanhar a votação da PEC dos Precatórios, circularam algumas pesquisas realizadas em diferentes municípios baianos. Dada a ampla liderança de ACM Neto, o comentário geral era: “as águas de março vão trazer muito mais que chuvas na Bahia”. Já tem muita gente com o alerta ligado.
 
 
Pulga atrás da orelha

Tem causado estranheza a posição colérica do governador Rui Costa (PT) em relação ao Carnaval. Embora pregue que a questão é de saúde, Rui não apresenta protocolos ou requisitos para que a festa seja realizada. Isso só aumenta a convicção, na classe empresarial e política, de que o governador quer mesmo enfraquecer o Carnaval e fazer um São João mais robusto, conforme publicou a coluna na semana passada.
 
 
Coerência epidemiológica

Também tem provocado estranhamento os protocolos em relação aos eventos. Nos eventos de futebol, há uma flexibilidade muito maior do que as demais atividades. A Fonte Nova, por exemplo, pode ter público de cerca de 35 mil pessoas vacinadas ( 70% da capacidade), enquanto em outros locais a liberação é de até 3 mil. Nos meios empresarial e político, há uma crítica de que as pessoas podem lotar um estádio, mas não podem assistir a um show. Estes questionamentos, dizem eles, precisam ser respondidos por quem faz os protocolos.
 
Evento minguado

A relação de Rui com os prefeitos é tão ruim que o governador promoveu um evento no Extremo Sul e mandou convidar todos os 13 gestores municipais da região. Resultado: com muita insistência, conseguiu levar apenas seis. Os mandatários das cinco maiores cidades não foram. A conversa foi que Rui repetiu a promessa de construir um hospital regional, que vem sendo requentada há 15 anos e nunca saiu do papel. A paciência parece ter acabado.

A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica.

Foto: Divulgação.
 
 
 

5 Nov 2021

Fonte Nova terá custo final de quase R$ 3 bilhões e entra no rol dos estádios mais caros do mundo

Leia essa e outra notícias na Coluna Alô Alô Política

Fonte ou Mina?
Construída para a Copa do Mundo de 2014, a Arena Fonte Nova deverá atingir a marca de um dos estádios mais caros do mundo. Isso porque o estádio terá preço final de quase R$ 3 bilhões. O governo estadual já repassou cerca de R$ 1 bilhão como parte do acordo da Parceria Público-Privada ao consórcio responsável pela reconstrução do estádio para a Copa do Mundo de 2014. Pelo contrato, o pagamento somente será encerrado em 2028, e o governo divulgou que o plano de amortização estabelece um desembolso de quase R$ 257 milhões por ano. Conta astronômica.
 
No centro do alvo
A CPI da Covid no Rio Grande do Norte deve atingir em cheio o Governo da Bahia. O relatório deve ser lido em 2 de dezembro, mas como é feito por um deputado do PT, a expectativa é que seja bem ameno para a cúpula do Consórcio do Nordeste. Contudo, integrantes da bancada oposicionista na CPI articulam um relatório anexo, que deve responsabilizar integrantes do consórcio e do governo baiano, entre eles o ex-secretário Bruno Dauster, considerado um dos cabeças do "maior esquema de corrupção da pandemia", como definem integrantes da CPI. Além de Dauster, o governador Rui Costa (PT), presidente do consórcio, é alvo das investigações e será convocado para depor nas próximas semanas.
 
Vendo o Sol nascer quadrado
O relatório anexo deve, inclusive, ter pedidos de prisão contra alguns dos investigados pelo caso. Integrantes da CPI garantem que há provas robustas de prática de corrupção, por meio do pagamento de propina, nas documentações obtidas pela comissão, seja das investigações sigilosas ou das delações. As investigações apontam que metade dos quase R$ 49 milhões pagos de forma antecipada pelos estados nordestinos seria destinada para propina. Quem acompanha o caso de perto diz que o relatório será bombástico.
 
Pingos nos is
Fontes ouvidas pela Coluna Alô Alô Política acreditam que, por trás das declarações do governador Rui Costa sobre o Carnaval, está a tentativa de enfraquecer o Carnaval e fortalecer o São João. O governador tem adotado um tom mais pessimista em relação à folia, o que tem gerado críticas tanto no meio empresarial quanto no político.
 
 
O estopim
O caso ganhou destaque nesta semana após Rui publicar no Twitter que ainda não é possível afirmar que haverá Carnaval na Bahia em 2022. “Precisamos de cautela e paciência. Sei que estamos cansados, mas não anunciarei medidas que possam fazer a Bahia entrar em um novo surto de coronavírus”, escreveu.
 
Quem fala o que quer...
Pegou mal para o governador Rui Costa a declaração de que os deputados que votaram a favor da PEC dos Precatórios eram "traíras". As maiores críticas vieram da própria base do governador, que classificou a afirmação como desastrosa e que causou um "constrangimento desnecessário". Avaliam que Rui agiu como um "clássico radical petista" ao atacar os próprios aliados. Dizem ainda que a votação impôs uma "derrota vexatória" ao governador, que entrou em campo e atuou fortemente para que os parlamentares de seu grupo votassem contra o texto. Contudo, a maioria votou a favor, com exceção de PT e PCdoB. O resultado, avaliam eles, mostra o enfraquecimento cada vez mais explícito da liderança de Rui.
 
O preço
Alguns dos parlamentares confidenciaram um certo temor, caso votassem contra, por serem taxados como "inimigos do povo", uma vez que o governo federal tem adotado o discurso de que a PEC é fundamental para custear programas sociais. "Não vale a pena pagar essa conta em nome de Rui", confidenciou um deles.
 
Vingança
Enquanto isso, bolsonaristas preparam um arsenal contra deputados do PT que votaram contra a PEC. A ideia é disparar conteúdos contra os petistas, que serão taxados como "inimigos do povo" por votarem contra a proposta que, segundo eles, vai ajudar a bancar programas sociais. É a mesma estratégia que, aliás, o PT baiano sempre usou, inclusive contra parlamentares de sua própria base na Bahia. Parece que o feitiço virou contra o feiticeiro. 
 
Dois pesos e duas medidas
Um detalhe curioso é que o deputado Paulo Magalhães (PSD) foi coagido a votar contra a proposta e seguiu a ordem. Também pudera: fizeram questão de lembrar que o parlamentar é suplente e, caso votasse sim, sua cadeira na Câmara dos Deputados poderia ser revista. Agora, o deputado Otto Alencar Filho (PSD), que é filho do senador Otto Alencar (PSD), votou a favor da PEC. Vai entender!
 
Fumaça
O pedido de criação da 'CPI da Coelba' na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) uniu deputados de situação e oposição, que reúnem uma série de críticas contra a concessionária, principalmente no interior do estado. Contudo, parlamentares de ambas as bancadas admitem que dificilmente vai resultar em algo mais efetivo contra a Coelba. Contudo, dizem que deve fazer um "barulhinho".
 
Na cola
Rui Costa retornou de sua viagem aos continentes europeu e asiático e voltou a fazer "marcação cerrada" no ex-prefeito de Salvador ACM Neto, que havia marcado agenda em Jaguarari com lideranças locais. O que fez Rui? Na última terça, soltou comunicado à imprensa avisando que iria ao município para fazer entregas.
 
Vale lembrar
Na edição de 17 de setembro, a coluna já havia mostrado que Rui anda no "cangote" de Neto ao marcar agendas em locais visitados no interior do estado pelo ex-prefeito da capital. Ao que parece, a marcação vai continuar.

A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica.
 
Foto: Divulgação.

29 Oct 2021

Rui cogita disputar vaga de deputado federal e abrir espaço para o PP de Leão; Otto sai do sério com ideia

A conta não fecha
Está cada vez mais difícil para o PT fechar uma equação com o senador Otto Alencar (PSD) e com o vice-governador João Leão (PP) dentro do mesmo arco de aliança. De acordo com fontes do Palácio de Ondina, todas as tentativas de acordo têm fracassado. O vice jura de pés juntos que os petistas se comprometeram em deixá-lo assumir os últimos nove meses do Governo da Bahia. Rui e o senador Jaques Wagner (PT), porém, não admitem abertamente o acordo, pois sabem que Otto não digere a ideia.
 
Renúncia ou Licença?
Mesmo cientes da dificuldade, Rui e Wagner procuraram Otto para uma sondagem. Deram ao senador duas opções. Na primeira, Rui renunciaria ao mandato e se candidataria a deputado federal. Na segunda, o governador se licenciaria do cargo e Leão assumiria interinamente. Nesta última opção, Rui explicou a Otto que, caso Leão os traísse, ele voltaria ao cargo e destituiria o vice.
 
Indigestão
Otto reagiu muito mal à conversa e foi categórico: não aceita nenhuma das duas propostas. Com o fim das coligações, o PP do vice é hoje o principal adversário do PSD no estado. E Otto não aceita de jeito nenhum João Leão no Palácio de Ondina. Nem que seja por “apenas” nove indigestos meses.
 
A viagem
O governador Rui Costa está prestes a finalizar sua viagem por países da Ásia e Europa, mas, de concreto, nada trouxe para o estado. Entre reuniões e visitas, o resultado foi no sentido de conversas para instalação de fábricas e discussão sobre parcerias e interesse de investidores. Contudo, sem martelo batido. Nos corredores, parlamentares ainda comentaram que a agenda não contou nem com encontro com autoridades mais robustas dos países visitados. Os mais ácidos ainda questionaram: "Será que não era mais fácil fazer uma viagem de turismo"? Perguntar não ofende.
 
Na conta do povo
Além de Rui, quem também está em viagem oficial é o vice João Leão, que foi para Portugal e França. Juntas, as missões de Rui e Leão custaram, somente em diárias, a bagatela de mais de meio milhão de reais.
 
Calma lá
Pelo menos três deputados estaduais do PP confidenciaram a colegas que não vão deixar, de cara, o partido em caso de ingresso do presidente Jair Bolsonaro. Apesar da má avaliação do capitão no estado e da relação com o governador Rui Costa, eles avaliam que o partido ainda conta com uma parcela robusta do fundo eleitoral, o que pode pesar muito no próximo ano. Argumentam que seria arriscado trocar o PP por um partido de menor estrutura ou outro que esteja muito "inchado", o que poderia comprometer a possibilidade de reeleição.
 
Inferno astral
Dividido entre PP e PL, Bolsonaro conseguiu a proeza de desagradar a gregos e troianos, avaliam integrantes de ambas as siglas. Embora as conversas com o PP estejam muito mais avançadas, pepistas não gostaram nada de saber da abertura de diálogo do presidente com o PL. Os liberais, por sua vez, estão chateados com a indefinição, porque, dizem, eles é que foram procurados pelo capitão.
 
Queda de braço
Os deputados federais da base de Rui na Bahia estão entre a cruz e a espada na discussão em torno da PEC dos Precatórios. Por um lado, o governador Rui Costa entrou em campo para pedir que votem contra a medida sob o argumento de que o governo baiano tem um precatório do Fundef a receber. Rui pediu até ao senador Otto Alencar para falar com a base. Por outro, prefeitos estão pressionando seus parlamentares para votarem a favor do texto, pois, segundo eles, daria um alívio nas contas dos municípios com o parcelamento previdenciário em 240 meses previsto na PEC.
 
Ultimato
Os deputados estaduais Roberto Carlos e Euclides Fernandes, ambos do PDT, têm até novembro para definirem seu futuro. A direção do partido na Bahia deu à dupla dois caminhos: optar por apoiar os candidatos majoritários do partido na Bahia e no Brasil ou ficar com o governo. Neste segundo caso, terão que deixar a legenda, que no estado deve apoiar ACM Neto.
 
1 a 0
Fontes do Palácio de Ondina confidenciaram que a abertura dos parques estaduais em Salvador só ocorreu pelo fato de o governador Rui Costa ter ficado insatisfeito após ter tomado uma "bola nas costas" do prefeito Bruno Reis (DEM/ UB). Enquanto os equipamentos municipais já haviam sido reabertos, inclusive em boas condições, os estaduais seguiam fechados e com problemas de infraestrutura. Informado por um auxiliar da situação, Rui teria ordenado que os parques fossem reabertos, mesmo sem que houvesse uma preparação prévia para tal.
 
2 a 0
O ápice da irritação de Rui foi quando a prefeitura anunciou a abertura dos parques do município também aos domingos. Resultado: os equipamentos do estado abriram, mas em condições ruins.
 
Crítica geral
Um grupo ligado ao Parque de Pituaçu tem feito queixas públicas recorrentemente para cobrar do governo uma solução para o equipamento, que é muito utilizado tanto pela população do entorno quanto por ciclistas e praticantes de remo, por exemplo. Há ainda uma preocupação da comunidade em relação aos comerciantes e às atividades que lá existem. Eles reclamam, inclusive, que os problemas já veem desde muito antes da pandemia e se agravaram com o fechamento do espaço, que não teve qualquer medida de conservação.
 
Pano de fundo
Nos bastidores, o que se comenta é que a degradação do parque é "proposital" e faz parte do plano do governo do estado de privatizar o equipamento. A avaliação é que seria muito mais fácil justificar a transferência para algum ente privado com o parque em condições ruins. Na comunidade, a ideia é chamada de "plano maligno".

A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica
 
Foto: Divulgação.

22 Oct 2021

ACM Neto diz a aliados que só vai tratar de composição da chapa após oficialização da pré-candidatura em dezembro

Na hora certa
ACM Neto já estabeleceu uma data para tratar das alianças ao Governo do Estado. Só vai discutir o assunto com os partidos políticos depois de 02 de dezembro, após o lançamento da sua pré-candidatura ao Palácio de Ondina, no Centro de Convenções. Aos mais afoitos um alerta desta coluna: não adianta pressionar ou mandar recado pela imprensa. O ex-prefeito tem dito a interlocutores mais próximos que até dezembro vai manter-se discreto e paciente.
 
 
Medo de Moro
O presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula receberam com preocupação a notícia de que Sergio Moro deve mesmo se filiar ao Podemos até o final do ano. Moro tem se mantido em silêncio, mas segundo fontes da coluna, está disposto a colocar seu nome na corrida de 2022. Bolsonaro tem medo de perder o posto de antagonista do PT. Já Lula, sabe que o ex-juiz não tem as fragilidades do presidente.
 
 
Delação do fim do mundo
Um grupo muito influente de advogados conversou com a coluna e informou que há chance real de um ex-secretário da Segurança Pública fazer uma delação no âmbito da Operação Faroeste. Se de fato ocorrer, a delação atingiria segmentos nos meios empresarial, jurídico e político.
 
Falsa Via
O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, não tem escondido, em conversas com aliados, o desejo de apoiar o ex-presidente Lula na corrida presidencial. Mesmo assim, fez o movimento de convidar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, como se o senador fosse disputar o Palácio do Planalto no ano que vem. Kassab, inclusive, já disse a interlocutores que não acredita em terceira via. Para ele, é Lula ou Bolsonaro.
 
 
Cortina de Fumaça
No meio político, tem pairado uma dúvida com a possível ida de Pacheco para o PSD. Das duas, uma: ou o senador, de fato, acreditou que vai ser candidato ou ele faz parte dessa cortina de fumaça esquematizada por Kassab.
 
 
Vermelhos de raiva
A ala mais à esquerda aliada do PT da Bahia não anda nada satisfeita com medidas anunciadas pelo governador Rui Costa (PT) na área da segurança pública, para tentar conter a crise causada pelo aumento violência no estado. A principal crítica é pelo fato de Rui ter aumentado a gratificação para policiais, enquanto em outras áreas, principalmente a educação, não recebem benefícios parecidos por parte do governo do estado. Os professores, reclamam eles, seguem há anos sem aumento real nos salários, além das "péssimas condições de trabalho".
 
 
Cadê a gasolina?
Ainda na segurança pública, lideranças do interior do estado se queixam que, além de efetivo reduzido e falta de equipamentos, um outro problema cada vez mais recorrente é o "racionamento" de gasolina. Eles dizem que policiais enfrentam dificuldade para fazerem rondas por conta da falta de combustível para as viaturas. Alguns relatam que há uma "cota" para uso diário, o que inviabiliza a realização de operações.
 
 
Bico fechado
Na Assembleia Legislativa, tem chamado atenção o silêncio ensurdecedor de deputados de partidos da esquerda, principalmente PT e PCdoB, por mais uma vez o governador Rui Costa não apresentar reajuste salarial para os servidores do estado. Alguns desses parlamentares, inclusive, são ligados a sindicatos que representam funcionários públicos, mas resolveram se calar diante da situação. Oposicionistas dizem que os funcionários estaduais não têm aumento desde 2016.
 
 
Conveniência
O curioso é que alguns destes deputados criticam publicamente a proposta de reforma administrativa em debate no Congresso Nacional, que, para eles, tira direitos de servidores públicos. Mas, na Bahia, adotaram o silêncio diante da falta de reajuste para os funcionários do estado. Estamos de olho!
 
 
Pinto no lixo
Em contato com a coluna, deputados estaduais contaram que o presidente da ALBA, Adolfo Menezes (PSD), está igual a "pinto no lixo" com o cargo de governador interino que assumiu devido às viagens de Rui Costa e do vice João Leão (PP). Adolfo tem recebido dezenas de aliados na governadoria e tem procurado manter uma agenda ativa na rua. Os mais ácidos ainda brincaram: "está trabalhando mais como governador do que como presidente do Legislativo".
 
 
Imbróglio na vizinhança
A deputada estadual Olívia Santana (PCdoB) anda preocupada com a situação da Praça do Morro das Vivendas, no Rio Vermelho. Ela mora nas proximidades do local e teve uma audiência com o presidente da Desal, Virgílio Daltro, para tratar da recuperação da área, onde a prefeitura construiu, recentemente, um ‘cachorródromo’, que segundo fontes da coluna, foi amplamente aprovado por tutores de pets. Olívia garante que não. “Nada contra os direitos dos animais, mas o correto seria reformar a praça, que está bastante precária”, comentou ela na imprensa. Na boca miúda, tem gente dizendo que a reclamação teria relação com o fato de a melhoria ter vindo de outro político, que nem mora por ali: o vereador Daniel Alves, do PSDB. Intriga da oposição?
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica
 
Foto: Reprodução/Redes sociais/ Valter Pontes.

15 Oct 2021

Filiação de Bolsonaro "afugenta" interessados no PP e muito mais; leia a Alô Alô Política dessa semana

LulaNaro
Setores mais pragmáticos do PT baiano defendem abrir o palanque para neo bolsonaristas em 2022. Com a ida do presidente Jair Bolsonaro para o PP, avaliam que esse pode ser o único caminho para manter o apoio do vice-governador João Leão à chapa encabeçada pelo senador Jaques Wagner (PT). Difícil vai ser convencer a militância a aceitar esse tipo de aliança velada. “Depois de xingar Bolsonaro de genocida é no mínimo constrangedor essa aliança”, relata um petista que é contra o possível arranjo.
 
Acima da lei?
A estrutura do presidente Jair Bolsonaro na Bahia tem apresentado um farto material do senador Jaques Wagner pelo interior do estado. Nas imagens, entre fotos e vídeos, consta Wagner ao lado do governador Rui Costa em ritmo de plena campanha, utilizando toda a estrutura do governo do estado. Grupos bolsonaristas da Bahia continuam fazendo a coleta do material, com "provas fartas e robustas", garantem, para denunciar o grupo petista por abuso de poder econômico e uso da máquina político-administrativa.
 
Luz vermelha
O feriadão violento fez acender a luz vermelha no Palácio de Ondina. As críticas pela condução da segurança pública no estado se intensificaram, até mesmo entre aliados, o que tem deixado o governador Rui Costa irritado com o assunto. Rui, dizem fontes palacianas, tem distribuído patadas quando o assunto é colocado em pauta, principalmente quando entra em cena o nome do secretário da SSP, Ricardo Mandarino. A insatisfação do governador com o chefe da pasta, garantem, "já ultrapassou qualquer limite razoável".
 
Meme
Por falar em Mandarino, a nova gafe do secretário (uma declaração sobre o caso das seis mortes após tiroteio no Uruguai) virou tema entre políticos. Enquanto alguns criticaram, outros brincaram com o vídeo, que circulou em grupos de todas as correntes políticas. "Esse caiu de paraquedas e tá mais perdido que cachorro em dia de mudança", disse um deputado da base petista. "Parece até boa pessoa, mas é evidente que não tem nenhum preparo para o cargo", afirmou outro integrante da base de Rui.
 
Intocável?
Entre fontes do Palácio de Ondina, paira o estranhamento com a manutenção de Mandarino diante da falta de respostas à altura aos casos de violência, que explodiram nas últimas semanas e desde o começo do ano, quando a Bahia foi um dos poucos estados que registraram aumento nos homicídios. Parlamentares com trânsito no Palácio dizem que Rui já foi, por algumas vezes, orientado a demitir Mandarino para tentar dar uma resposta, ainda que midiática, aos casos de violência. Como noticiou a coluna há duas semanas, a saída dele do cargo era dada como certa, mas Rui recuou após a publicação do conteúdo.
 
Fuga dos problemas
Enquanto isso, no pico da crise, o governador Rui Costa viaja nesta sexta-feira (14) para o exterior, em agenda prevista nos Emirados Árabes Unidos e Cazaquistão. Os aliados mais moderados consideram o momento "inapropriado" para uma viagem internacional, ainda mais com um tempo considerável - Rui só volta no final do mês. Os mais críticos dizem que Rui, na verdade, está fugindo do problema, mesmo que a viagem já estivesse prevista. "É algo que ele poderia adiar, né? Mas prefere ficar longe para não ser questionado pela imprensa", disse um parlamentar, com a língua afiada.
 
Na boca do povo
No meio político, não causou surpresa a citação do senador Angelo Coronel (PSD) na delação premiada da desembargadora Sandra Inês Rusciolelli no âmbito da operação Faroeste. O envolvimento de Coronel no caso que resultou na força tarefa já era comentado e a inclusão do nome dele já era dada como certa.  A conferir cenas dos próximos capítulos.
 
Lista do medo
Já no meio jurídico a expectativa é que mais desembargadores sejam incluídos nas investigações. Uma fonte do TJBA disse à coluna que o clima de apreensão aumentou ainda mais entre os magistrados. "Se todo mundo começar a abrir a boca, mais desembargadores vão cair", opinou o influente advogado.
 
Correndo contra o tempo
O ex-deputado e atual secretário de Relações Institucionais da Bahia, Luiz Caetano (PT), está correndo atrás do tempo perdido após enfrentar sucessivos problemas judiciais que o tornaram inelegível e trabalha para eleger sua esposa, Ivoneide Caetano, deputada. Acontece que as articulações incomodam aliados, dentro e fora do PT, que argumentam que Caetano está "tratorando" e tomando atitudes pouco republicanas. Eles avaliam que a briga interna deve se acirrar ainda mais, uma vez que, no próximo ano, a disputa com o grupo da oposição será dura, o que deve reduzir as vagas governistas. É aquela história: farinha pouca, meu pirão primeiro.
 
Língua afiada
A declaração do governador Rui Costa de colocar na conta de prefeitos os índices negativos da educação provocou insatisfação até mesmo entre integrantes da base petista. A questão é que, nos anos iniciais do ensino fundamental, que são de responsabilidade das prefeituras, a Bahia bateu a meta no Ideb mais recente - ficou com nota 4,9, acima dos 4,5 projetados. Já no ensino médio, de responsabilidade do estado, a Bahia, além de ficar longe da meta (ficou com 3,5, bem abaixo da projeção de 4,5), teve o terceiro pior desempenho do país. Prefeitos, naturalmente, ficaram irados. Como já diz o ditado: peixe morre pela boca.
 
Sem moral
Em contato com a coluna, um prefeito de uma grande cidade lembrou que a crítica é profundamente injusta principalmente porque o governo não tem feito o mínimo para prestar auxílio aos municípios. Uma das questões pontuadas por ele são os sucessivos atrasos registrados nos repasses do transporte escolar. "Já chegamos a ter mais de seis meses atrasados, antes da pandemia", disse.
 
O casquinha de Itapetinga
Aliados do deputado estadual Rosemberg Pinto (PT) em Itapetinga afirmam que o parlamentar tem valorizado demais o passe do ex-secretário estadual da Agricultura, Lucas Costa, que é natural do município. Coube a Rosemberg fazer a indicação para que Costa, que ainda é filiado ao PDT, assumisse o cargo de assessor especial na Casa Civil do estado. Tudo isso para impedir que o pedetista seja candidato a deputado estadual nas eleições do ano que vem e tire votos do petista na cidade. "Acontece que o ex-secretário não tem voto e nunca seria candidato de fato, afinal é muito casquinha na hora de gastar", afirmou um vereador do município. 
 
Novos horizontes
Com a iminente filiação do presidente Jair Bolsonaro ao PP, nomes que antes tinham conversas avançadas para se filiar ao partido decidiram recuar e já veem como muito pequena a possibilidade de ingressar na legenda de João Leão. Dois exemplos são o médico e ex-secretário da Saúde Fábio Vilas-Boas e o ex-prefeito de Bom Jesus da Lapa e ex-presidente da UPB Eures Ribeiro, que pretendem concorrer a deputado federal e estadual, respectivamente. Com Bolsonaro no partido, eles já avisaram que não vão de jeito nenhum. E veja que Leão estava se gabando com estes dois "reforços"...
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica
 
Foto: Reprodução/Redes sociais.
 

8 Oct 2021

Alô Alô Política: saiba quando será o evento de pré-lançamento da candidatura de ACM Neto ao governo do estado

 
Data marcada
Após a formalização do União Brasil, com a fusão de Democratas e PSL, o ex-prefeito de Salvador ACM Neto vai oficializar no dia 2 de dezembro sua pré-candidatura ao governo do estado. Interlocutores de Neto revelaram à coluna que o evento, comandado pelo novo partido, será realizado no Centro de Convenções de Salvador e deve mobilizar lideranças de todo o estado, tanto da nova sigla quanto das legendas que integram o arco de aliança do ex-prefeito. Em suas viagens ao interior do estado, Neto já havia dito que a pré-candidatura seria lançada ainda em 2021. Com a oficialização, os aliados devem intensificar as conversas para compor as duas vagas restantes da chapa majoritária. Que comecem os jogos!

Martelo batido
Como antecipado na coluna da semana passada, o presidente Jair Bolsonaro vai mesmo voltar ao PP, partido ao qual foi filiado por quase 20 anos. Integrantes da cúpula pepista já até cravam que o ingresso do capitão no partido deve ocorrer no início de novembro.

Ficha não caiu
Com a definição, o senador Ciro Nogueira e o presidente da Câmara, Arthur Lira, líderes do PP nacional, ligaram para o deputado federal Cacá Leão para informar que a filiação do presidente já estava certa e com data marcada para ocorrer. Avisaram, ainda, que o acordo prevê veto a alianças do PP com o PT em todo o país. De forma clara, comunicaram que o partido não poderia se alinhar ao PT na Bahia. A ficha de Cacá já caiu, mas a do vice-governador João Leão ainda não.

True news
O governador Rui Costa estava mesmo decidido a demitir o secretário estadual da Segurança Pública, Ricardo Mandarino, conforme publicado na coluna da semana passada. Diante da publicação, o mandatário petista teria convocado às pressas o secretário de Comunicação, André Curvello, para uma reunião acalorada e com os ânimos bastante exaltados, que aumentou ainda mais o mal estar do governo diante da crise da segurança pública. Rui teria dito, inclusive, que não iria demitir o secretário pautado pela imprensa.

Articulação contagiosa
O movimento de fusão articulado por Democratas e PSL, dando origem ao União Brasil, já começou a contagiar outras legendas. O PL, que tem bancada federal de 42 deputados, iniciou conversas para se fundir com pelo menos um partido considerado nanico nacionalmente. Fontes da sigla informaram que a ideia é chegar a algo em torno de 70 cadeiras na Câmara dos Deputados. Na mira do partido, nacionalmente comandando por Valdemar Costa Neto, estão agremiações com até 15 parlamentares. O diálogo, dizem, está em fase inicial e deve avançar nos próximos 30 dias.

Tendência
A fusão, inclusive, foi considerada o grande fato político do país nos últimos meses. Caciques baianos de diferentes partidos são unânimes ao afirmar que a articulação não foi apenas arrojada, mas também pioneira. A tendência agora é que mais siglas busquem movimentos de união ou de adesão às federações partidárias, que são consideradas uma fase pré-fusão. A estimativa, avaliam, é que o número de partidos no país seja reduzido a cerca de dez agremiações.

Sinal vermelho
O ex-presidente Lula se reuniu nesta semana com a cúpula nacional do PT, em Brasília, e demonstrou preocupação com a candidatura de Jaques Wagner ao governo da Bahia. A avaliação do cacique máximo petista é que há uma fadiga material, e manter a candidatura de Wagner ao Palácio de Ondina pode atrapalhar os planos do PT nacional, que são prioridade para ele. Lula também acredita que PSD e PP, que juntos têm cerca de 200 prefeitos, não estariam dispostos a abrir mão para Wagner. Acendeu uma luz vermelha no seio petista.

Desabrigado
Persona non grata no PSB, o deputado federal Marcelo Nilo já começou a se movimentar em busca de um novo partido. Embora publicamente diga que tem recebido convites, o ex-presidente da ALBA tem mesmo é buscado uma nova casa. Fontes do PDT em Salvador contaram que Nilo procurou, em Brasília, dois influentes integrantes nacionais do partido para sondar a possibilidade de retorno dele à sigla. Um deles foi o deputado federal André Figueiredo, líder do PDT na Câmara.

A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica
 
Foto: Divulgação.

1 Oct 2021

Alô Alô Política: ao adiar retorno das aulas presenciais, Rui vai de encontro à OMS

Contra a OMS
A decisão do governador Rui Costa (PT) de adiar novamente o retorno das aulas 100% presenciais na Bahia vai na contramão do que orienta a Organização Mundial da Saúde (OMS). Para a organização, o retorno às aulas deve ser prioridade no processo de reabertura das economias. Em documento assinado também por Unicef e a Unesco, a OMS diz que as escolas só devem continuar fechadas quando não houver alternativa. Pelo visto, Rui só segue as orientações da OMS quando é conveniente.
 
Sem estrutura
O novo adiamento do governo tem como pano de fundo a falta de infraestrutura das escolas da rede estadual. Nos bastidores, integrantes do governo admitem que o aumento dos casos de Covid-19 nos últimos dias foi apenas um pretexto utilizado por Rui. O real motivo são os problemas das unidades de ensino, que ficaram abandonadas ao longo da pandemia. Agora, mesmo após quase dois anos, o governo ainda não tem nem plano para a recuperação das escolas, o que emperra a volta às aulas.
 
Números tamanho P
É preciso lembrar que a Bahia foi o único estado a não ofertar aulas online para os alunos. Como se não bastasse, o estado tem um dos piores índices do ensino médio do Brasil, segundo o Ideb, e está também nas últimas posições no ensino fundamental. Propaganda tamanho G, mas educação pública tamanho P.
 
Jogo Combinado
E Bolsonaro? Vai continuar sem partido até quando? O caminho mais certo era o PP, mas os cardeais do partido estavam fazendo “jogo de empurra” com o presidente. Enquanto Ciro Nogueira convidava para entrar, Arthur Lira dizia a interlocutores que preferia Bolsonaro longe do Progressistas. Quem conhece os dois pepistas, garante que o jogo de cena era 100% combinado.
 
Empurrãozinho
Só que com a fusão PSL/DEM o jogo mudou. Com medo de perder protagonismo nacional, o PP agora faz questão de filiar o presidente. Apostam que, mesmo com a rejeição alta, Bolsonaro ajudará a eleger cerca de 30 deputados federais ligados a ele. Assim, o PP poderá formar a maior bancada da Câmara Federal. Era o empurrãozinho que faltava.
 
E agora, Leão?
A filiação do presidente da República ao PP embaralha de vez o jogo na Bahia. O casamento do partido com o governo Rui Costa, por exemplo, vai ter de acabar. A direção nacional deve exigir que o vice-governador João Leão desembarque da nau petista e abra um palanque local para o presidente.
 
O Coroinha
Bolsonaro quer um palanque forte na Bahia. João Leão não esconde o desejo de disputar o Palácio de Ondina. E João Roma? Vai para onde? Com a aliança Bolsonaro/Leão, a tendência é que ele acompanhe o presidente e dispute mandato de federal pelo PP. O problema é que com o fim das coligações, Roma vai ter uma concorrência pesada na nova legenda: Cacá Leão, Claudio Cajado, Ronaldo Carletto e Mario Negromonte Jr. Será que o ministro arrisca ou vai tentar ser deputado estadual? Para quem queria ser Papa pode acabar Coroinha. Será?
 
Papagaio anônimo
Conhecido em Brasília por saber posicionar-se atrás do presidente na hora das fotos, o ministro João Roma passou por uma frustração essa semana. Não foi reconhecido pela população de Teixeira de Freitas durante a visita do presidente da República ao município. Excluindo Bolsonaro, o único membro da comitiva a ser reconhecido e ter seu nome gritado no palanque foi o ministro da infraestrutura, Tarcísio de Freitas.
 
Fritura
O governador Rui Costa (PT) está mesmo decidido a demitir o secretário da Segurança Pública, Ricardo Mandarino, após a escalada da violência na Bahia registrada nas últimas semanas. A aposta é que, segundo fontes do Palácio de Ondina, a queda do titular da SSP ocorra nos próximos 15 dias. O ápice da insatisfação do governador ocorreu após declarações recentes de Mandarino sobre o combate ao crime, que iam de encontro a falas de Rui sobre o tema. O petista teria dito que está "de saco cheio" do secretário.
 
Mandarino, o breve
Ricardo Mandarino chegou à SSP em dezembro do ano passado para substituir Maurício Barbosa, que deixou o posto após se tornar alvo da Operação Faroeste por suspeita de integrar um esquema criminoso de venda de sentenças. Caso deixe mesmo a pasta, terá ficado menos de dez meses, enquanto seu antecessor estava desde 2011. Apesar do novo discurso, Mandarino manteve a segurança da Bahia no mesmo ritmo crescente da violência. Na gestão de Mandarino, a Bahia teve um aumento de 7% nos homicídios no primeiro semestre desse ano, enquanto o Brasil teve queda. O estado, vale lembrar, lidera o ranking de assassinatos do país. Uma posição incomoda para o PT de Rui e Wagner que governa a Bahia por 15 anos.
 
Negação
Com quatro secretarias dirigidas por interinos, o governador Rui Costa tem andado insatisfeito com os nomes que são apresentados por aliados para ocuparem os postos, segundo fontes do Palácio de Ondina. Pelo que dizem, o governador já teria rejeitado pelo menos dois nomes para as pastas da Saúde e Desenvolvimento Urbano.
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica