Alô Alô Política


12 Aug 2022

O relógio de ouro da poderosa, o descontrole emocional de Jerônimo e o desrespeito aos professores

Rolex
Essa semana viralizou nos grupos de zap, do interior e da capital, a foto da esposa de um político baiano com um relógio de 321 mil reais no pulso. Isso mesmo! Um Rolex Day Date 40 avaliado em (pasmem) 61 mil dólares. Um luxo só.
 
Franciscano
Só mesmo as forças ocultas que rondam o Paço Municipal para explicar a declaração de renda do presidente da Câmara Municipal de Salvador, Geraldo Júnior (PMDB) à Justiça Eleitoral: R$ 143,5 mil. Vereador desde 2011, ele tem salário de R$ 18,9 mil. Só o apartamento em que mora em um pomposo condomínio da capital baiana é avaliado por baixo em R$ 2,5 milhões. Sem contar na vida social bastante luxuosa e movimentada que o emedebista leva...
 
Descontrole emocional
Integrantes do núcleo duro da campanha de Jerônimo Rodrigues (PT) avaliaram como desastrosa a participação dele no debate da TV Band, no último domingo. Sondagens qualitativas feitas esta semana indicam que o eleitorado baiano começa a identificá-lo como um candidato fraco e sem preparo. “Isso é péssimo para quem não é muito conhecido, principalmente numa eleição muita curta”, revela uma fonte governista. E completa: “É normal ficar nervoso no primeiro debate, mas ele foi além e conseguiu se atrapalhar mais do que na Sabatina do UOL”.
 
Fábrica de Memes
A participação de Jerônimo no debate da Band gerou uma infinidade de memes. A cada novo tropeço, os grupos de WhatsApp pipocavam. Foi piada para todo gosto. Teve Jerônimo dizendo que ia responder uma pergunta, chamando profissionais da saúde de “categoria importante para segurança do estado da Bahia”. Uma verdadeira fábrica de memes.
 
Sabatina
Talvez traumatizado pelo desempenho na Sabatina do UOL, Jerônimo Rodrigues decidiu cancelar de última hora a participação na Sabatina BandNews TV, conduzida pela jornalista Adriana Araújo. “Chegou a informação de que a primeira pergunta seria como o pior secretario de Educação do Brasil decidiu agora se candidatar a governador”, revela uma fonte com acesso ao candidato petista. A equipe achou melhor evitar desgaste.
 
Professor reprovado I
Quase metade dos profissionais de magistério da Bahia recebeu remuneração abaixo do valor previsto no Piso Salarial Profissional Nacional - PSPN para o ano de 2021. A proeza aconteceu sob a gestão do então secretário de Educação, Jerônimo Rodrigues, que hoje é o candidato do PT na sucessão estadual. A distorção foi apontada por auditores do Tribunal de Contas do Estado no parecer prévio sobre o exercício financeiro de 2021. A Corte identificou 16.479 servidores que receberam abaixo do piso - o que corresponde a 46% do total de 35.819 profissionais do magistério.
 
Professor reprovado II
O pente fino do TCE nos registros de RH mostrou que o buraco da educação no estado é mais profundo do que se imaginava. Sob a condução de Jerônimo, a Bahia se consolidou como estado que tem a pior educação do Brasil, voltou a apresentar índices preocupantes de analfabetismo, além de ter atravessado a pandemia sem um dia de aula (online) sequer para os estudantes da rede estadual.
 
Efeito manada
O senador Otto Alencar não anda nada satisfeito com a debandada de prefeitos do PSD para o grupo de ACM Neto. Oficialmente, já são pelo menos 15 prefeitos, mas o número tende a crescer nos próximos dias. O cacique, inclusive, já foi procurado por alguns deles para comunicar o desejo de apoiar o ex-prefeito de Salvador. A avaliação interna no partido é que a mudança de lado dos gestores municipais enfraquece a campanha à reeleição ao Senado.
 
Fogo amigo
Causou revolta entre deputados da base petista a notícia de que o governador Rui Costa (PT) teria ligado para Zé Ronaldo na tentativa de atrai-lo para o grupo. Em conversas reservadas, parlamentares disseram que “só Rui não sabia que Zé Ronaldo nunca deixaria o grupo ao qual fez parte a vida toda” e se queixaram da falta de atenção. “Eu mesmo, em oito anos, nunca recebi uma ligação do governador”, reclamou um deles. “Ele prefere dar mais atenção aos rivais do que aos aliados. Por isso está como está”, disse outro.
 
O ex-bom gestor
O parecer prévio do TCE sobre as contas do governo de 2021 fez trincar a imagem de bom gestor que o governador Rui Costa ainda nutria entre os seus. A desconfiança sobre a reputação fiscal surge especialmente porque os alertas e advertências da Corte se repetiram com frequência nos últimos anos, a exemplo do que os auditores classificaram como “uso indefinido e abusivo” na execução de DEA - Despesas de Exercício Anteriores. Na prática, secretarias como Seap e Setur* executaram em 2020 valores acima do que estava previsto no orçamento e empurraram o excedente para ser pago como DEA em 2021. Agora, a conta de 2022 vai ficar para o próximo governador.
 
Aos números
A Seap foi a que mais extrapolou: gastou R$ 65,7 milhões a mais do autorizado. “Essa situação revela as distorções provocadas por essas irregularidades nos demonstrativos financeiros do Estado, tendo em vista a contratação de despesas em volume significativamente maior ao aprovado pelo Poder Legislativo, se considerado que a totalidade dessas despesas deveria ser contabilizada ainda no exercício de 2020”, diz o TCE.
 
Conder sem limites
O governo colocou em campo um novo lote de obras da Conder para compensar as centenas de convênios cancelados que deixaram prefeitos frustrados. O problema é que para fazer a “reparação” o governo afrontou todos os limites da razoabilidade orçamentária a pouco mais de cinco meses do final da gestão. Esta semana, a Conder publicou uma das cinco etapas de obras de requalificação urbana e intervenções em equipamentos públicos que somam R$ 410 milhões - valor significativamente superior a todo o orçamento da Companhia para 2022, que é de R$ 263 milhões. Adiciona-se a essa conta também o saldo dos convênios eleitoreiros que ficaram ativos e pesam algo em torno de R$ 1 bilhão. Ou seja, o governo lançará mão mais uma vez do recurso do DEA como gambiarra para fechar as contas - repetindo infrações apontadas e condenadas pelo TCE.

*O ex-secretário do Turismo da Bahia Fausto Franco responde a nota publicada pela coluna Alô Alô Política e ressaltou que as contas da pasta referentes ao exercício de 2020 foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). 

Confira abaixo a nota na íntegra:

Do exame realizado nas contas da Setur, relativas ao exercício findo de 2020, a auditoria realizada pelo TCE concluiu  pela aprovação  das contas da Setur por meio do processo 1159/2021.
Do montante proveniente dos recursos classificados como DEA - Despesas de Exercícios Anteriores, em 2020, o percentual computado pela Setur encontra-se abaixo de 7,7%, que corresponde aproximadamente a 667.000,00, sendo que os valores remanescentes representam despesas pagas por gestões pretéritas, e pela Superintendência de Fomento ao Turismo - Bahiatursa,  detentora de autonomia financeira, em decorrência da sua condição de Superintendência em regime especial, cujo percentual equivale a maior fração dessas despesas, conforme dados dispostos pelo sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado - FIPLAN.
 
Foto: Divulgação.

5 Aug 2022

A grata surpresa da vice de Neto, o voo solo dos deputados do PT e o conto do vigário de Rui aos prefeitos

Grata surpresa
Anunciada ontem como pré-candidata a vice-governadora na chapa de ACM Neto (União Brasil), a empresária Ana Coelho (Republicanos) impressionou positivamente em sua apresentação oficial. Entre aliados do ex-prefeito de Salvador, o nome dela foi considerado uma “grata surpresa” e já causou impacto em sua primeira manifestação como postulante por sua segurança e preparo. Dizem eles que Ana demonstrou fala simples, direta e sem muita formalidade, além de passar uma imagem de simpatia e carisma. Para eles, ela não só agrega como vai contribuir muito para a chapa.
 
Reações positivas
A boa receptividade a Ana Coelho não ficou apenas no meio político. No setor empresarial, a reação também foi positiva e diversos players do meio fizeram manifestações favoráveis ao nome dela para compor a chapa de ACM Neto. Ela é considerada uma grande liderança empresarial do estado e uma pessoa conectada ao tempo atual.
 
O dia D
A chapa de ACM Neto vai ser oficializada durante convenção hoje no Centro de Convenções em evento político que vai reunir deputados, prefeitos, candidatos e lideranças de todo o estado, que se mobilizam para participar do ato. A expectativa das lideranças políticas que acompanham o ex-prefeito de Salvador é de que seja um dos maiores eventos políticos da história da Bahia. Além de Ana na vice, a chapa terá ainda o deputado federal Cacá Leão (PP) como candidato ao Senado.
 
De olho nos recordes
O detalhe é que a chapa de Neto pode fazer história duplamente caso saia vitoriosa das eleições de outubro. Ana pode ser a primeira vice-governadora eleita na Bahia e Cacá Leão o senador mais jovem do estado.
 
Voo solo
Pelo menos quatro dos 13 deputados estaduais do PT devem ficar pelo caminho na corrida da reeleição. A estimativa é de uma avaliação interna dos próprios petistas, que listam, entre outras coisas, pelo menos duas razões para a possível retração: a primeira é que a federação partidária com PV e PCdoB inevitavelmente redesenha a partilha de redutos e conta final dos votos; e a segunda gira em torno da falta de perspectiva no crescimento de Jerônimo Rodrigues. O novo cenário impôs mudanças de rumo nas estratégias de campanha de vários parlamentares, que passam a trabalhar em voo solo e se descolam da majoritária para se apresentar apenas como postulante “do time de Lula”.
 
Saí pra lá!
Embora o governador Rui Costa goste de se vangloriar sobre sua popularidade, deputados do grupo aliado ao PT não parecem fazer questão de ter o petista em suas campanhas. Em seus materiais de campanha que estão rodando no interior, parlamentares limaram a imagem de Rui e usam apenas fotos do ex-presidente Lula, considerado por eles o verdadeiro puxador de votos. Agora, se a relação com a base está nesse nível, imaginem o que virá para o governador após as eleições?
 
O disseminador de fake news
Na convenção do PT, repercutiu mal e ficou provado por A mais B que, de tanto falar de fake news, o governador Rui Costa (PT) está ficando famoso como disseminador de notícias falsas. Em discurso, dedicou boa parte dele para atacar ACM Neto (UB) e falar de um episódio em que o ex-prefeito teria tomado o microfone de uma liderança de Itarantim, baseado em vídeo montado que circulou nas redes sociais. Mas o fato é que Neto ajudou a trocar o microfone com defeito. No fim de semana, Du Almeida, liderança de citada, esclareceu os fatos, desmoralizou Rui e provou a farsa do governador que não se atentou com a verdade e espalha mentira. Pegou mal, governador.
 
O centro das atenções

Ainda sobre a convenção do PT, o senador Angelo Coronel (PSD) foi um dos principais personagens. Crítico ferrenho da condução política de Rui, não deixou barato: tratou logo de ressaltar no seu discurso o péssimo tratamento sofrido por prefeitos e deputados na mão do governador. Pediu a Jerônimo que mirasse em Jaques Wagner (PT) e tratasse melhor esses agentes políticos no futuro. Rui estava longe, no fundo do palco. Aos mais próximos, depois do evento, Coronel confidenciou: “pelo visto gostaram, senti os abraços mais apertados de prefeitos e deputados no final”. Quem não deve ter gostado foi Rui.
 
Quem cala consente
E sabe o que é mais curioso? O silêncio ensurdecedor de integrantes da base petista sobre as declarações de Coronel. Integrantes da base dizem que as falas do senador representam o sentimento majoritário da base de que o tratamento dado às lideranças, seja de deputados ou prefeitos, sempre foi ruim e que ninguém se sentiu confortável em rebater.
 
O protagonista
Rui Costa tem roubado o protagonismo do seu pupilo e se porta nos eventos de campanha como se candidato fosse. Na coletiva pós-convenção, chegou a tomar o microfone da mão de Jerônimo para responder a pergunta da notícia veiculada em grandes portais de repercussão nacional. E o pior: não deixou Jerônimo voltar para responder ao questionamento. O nervosismo está grande.
 
Recursos só na imaginação
O governador Rui Costa segue assinando convênios como se não houvesse amanhã. Entre promessas e embaraços administrativos, Rui já movimentou - pelo menos no imaginário dos prefeitos - algo em torno de R$ 2 bilhões. O problema é que as obras não saem do papel e pelo visto a manobra teve apenas apelo eleitoral. De janeiro a 1º de julho, Rui empenhou R$ 1,8 bilhão, mas depois recuou e cancelou R$ 600 milhões dos atos conveniados. E agora, de julho para cá, já firmou novos convênios que somam R$ 107 milhões. Como a legislação não permite a transferência de recursos aos municípios durante a janela de três meses que antecede as eleições, os valores ficam apenas no campo da imaginação.
 
Depois da queda o coice
Setores ligados ao PT no estado tiveram duas derrotas na Justiça Eleitoral nesta semana em função das pesquisas com indícios de irregularidades do instituto AltasIntel. Primeiro, o instituto foi multado em R$ 53 mil pela Justiça Eleitoral em função do levantamento anterior, divulgado em meados de julho e já suspenso pelo TRE. Depois, a própria Corte Eleitoral proibiu a divulgação de nova pesquisa, prevista para hoje.
 
Foto: Valter Pontes.

29 Jul 2022

O alerta vermelho, Rui zangado, o candidato ofuscado e a vanguarda conquistense

Alerta vermelho
Caciques do grupo governista na Bahia já avisaram ao governador Rui Costa (PT) que a debandada dos prefeitos, que tem irritado o chefe do Executivo, deve se intensificar. Pelas contas, confidenciam deputados, ao menos 20 prefeitos devem migrar para a base do ex-prefeito de Salvador ACM Neto somente nos próximos dias. Pontuaram, entretanto, que o número pode ser ainda maior, diante de possíveis surpresas, como ocorreu nesta semana com o prefeito de São Félix do Coribe, Chepa Ribeiro (PP), cuja mudança causou espanto na cúpula petista.
 
Estratégia
Em muitas cidades da Bahia, um fenômeno tem chamado a atenção de observadores da política baiana. Enquanto muitos prefeitos optam por ficar na base do governo, os vices e vereadores decidiram marchar com ACM Neto. Ou seja: prefeitos acabam ficando isolados no apoio ao PT e perdem seus maiores soldados na conquista do voto que são os vereadores.
 
Rui zangado I
Por falar em Chepa Ribeiro, provocou a mais profunda ira do governador Rui Costa o desembarque do prefeito da base governista. O caso foi considerado emblemático no meio político, porque recentemente Rui foi para uma agenda na região e dormiu na casa do prefeito. E outro fato curioso foi na ligação que Rui fez a Chepa. “Saudade mata, Chepa”, disse o governador, que recebeu do prefeito uma franca e objetiva: “Se eu for o remédio, o senhor vai morrer”.
 
Troco vem a galope
Entre governistas e oposicionistas, parlamentares são unânimes quando falam do assunto: o governador está agora colhendo o que plantou quando sempre manteve tratamento hostil aos prefeitos. Dizem que a resposta de Chepa Ribeiro é a que melhor representa esse sentimento nos gestores municipais, que sempre se queixaram de darem com a cara na porta da Governadoria.
 
Candidato ofuscado
Observadores da cena política dizem que já apareceu o primeiro indício de que a campanha de Jerônimo Rodrigues começou a fazer água. O grande sinal disso é que o governador Rui Costa iniciou um movimento de aparecer mais que seu apadrinhado, mostrando obras e realizações de sua gestão em detrimento de apresentar o seu postulante. Nas redes sociais, Rui deixou Jerônimo de lado para publicizar as ações de seu governo, como se fosse ele o candidato. Observam políticos experientes que o mesmo aconteceu com a candidata de Rui à Prefeitura de Salvador, Major Denice em 2020, quando o governador praticamente ignorou a existência dela em suas redes.
 
Rui zangado II
O governador Rui Costa está na bronca com a equipe de campanha de Jerônimo Rodrigues (PT) por conta da mobilização para os eventos no interior. Em alguns casos, o número de pessoas tem sido muito pequeno, o que tem chateado Rui. Um exemplo foi o ato marcado para Jequié, que foi adiado. Segundo a campanha, por causa da chuva, mas o tempo na cidade estava firme. No meio político, os casos de eventos vazios viraram piada e alguns já chamam o PGP de "pouca gente participando".
 
Vanguarda
No evento de ACM Neto em Vitória da Conquista, um grupo de políticos comentava uma máxima que tem sido falada na cidade: Conquista antecipa o que acontece na Bahia. Explicando: o município do Sudoeste baiano teve uma longa hegemonia de governos do PT e, em 2016, chegou ao fim com a eleição de Herzem Gusmão, falecido no ano passado. Neste sentido, dizem os políticos que participavam da conversa, será a vez do estado mudar o governo após os 16 anos de gestões petistas.
 
Fogueira
O valor empenhado pela Bahiatursa em convênios e contratos para financiar festas juninas pelo interior do estado deve chegar à casa dos R$ 100 milhões. Passado um mês dos eventos, o governo ainda publica em Diário Oficial registros dos atos administrativos que estouraram a boca do balão orçamentário. O valor é quatro vezes superior ao orçamento que foi destinado à Superintendência para todo o ano de 2022, na ordem de R$ 23 milhões. A pergunta que não quer calar é como a turma vai fazer para pular a fogueira na hora da prestação de contas. Um dos caminhos apontados internamente é empurrar com a barriga e deixar o residual para o próximo ano valendo-se do DEA - Despesa de Exercício Anterior. A prática, contudo, tem sido recriminada pelo TCE, cujo relatório das contas de 2021 aponta que Rui fez uso indefinido e abusivo do recurso.
 
Freio na farra I
A farra dos convênios segue a todo vapor nas cercanias da Conder. Depois de fazer um cancelamento em série, o governador Rui Costa iniciou uma nova gambiarra administrativa para requentar as promessas não cumpridas e tentar conter a debandada de prefeitos. As manobras, porém, estão agora sob os olhares atentos do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que esta semana recebeu uma denúncia do líder da oposição na Assembleia, deputado Sandro Régis, com extensa lista de ilegalidades.
 
Freio na farra II
Em Olindina, por exemplo, o intervalo entre a assinatura do convênio e o início das obras foi de apenas seis dias. O problema é que em seis dias não há tempo hábil sequer para lançar um edital de pregão eletrônico (que exige prazo de oito dias para recebimento de propostas) e muito menos para vencer todas as etapas burocráticas e necessárias.
 
Jogo sem regras
Já em Pé de Serra, o processo licitatório foi adiante mesmo depois de o município ter perdido o objeto e dotação orçamentária previstos no convênio cancelado pelo governador. Para piorar, a Conder optou pelo famoso “jeitinho” e orientou a prefeitura a publicar uma errata, como se tratasse de erro meramente material para que fossem “aproveitadas” as licitações, feitas a partir de convênio já anulado, em uma nova assinatura. A orientação foi seguida e o processo correu como se o jogo não tivesse regras. Tudo à revelia da lei. Agora, os envolvidos terão que dar explicações aos órgãos de controle.
 
Foto: divulgação.

22 Jul 2022

A madrugada animada, o vizinho misterioso, o troco de Wagner em Rui e as adesões a Neto

Madrugada animada
A cunhada de um figurão do estado costuma usar e abusar das mordomias públicas. Esperta, não utiliza os carros oficiais do parente. Prefere os veículos alugados com a verba do gabinete. Só que no mundo de hoje, com tudo rastreável, fica fácil comprovar a falcatrua. Mensagens enviadas a essa coluna, inclusive com fotos e vídeos, mostram a cunhada do figurão chegando da balada em carro bancado com dinheiro público, duas da manhã. E ainda manda a estrutura de segurança levar os amigos em casa.
 
4° andar
Moradores de um prédio de luxo da capital estão surpresos com o aparato policial em torno do novo vizinho. Ele ainda não se mudou, pois o apê está em reforma, mas cada vez que visita a obra da futura residência chega acompanhado por um forte esquema de segurança. É batedor, viatura, rádio comunicador... Só está faltando mesmo helicóptero. Tudo registrado pelo circuito interno de câmeras do prédio. Se as imagens veem a público….
 
O Troco
Se engana quem pensa que o mal-estar entre Jaques Wagner e Rui Costa passou. Por trás dos afagos públicos, há uma luta surda. Pessoas próximas aos dois caciques petistas dizem que o Galego não perdoa o antigo pupilo e a relação nunca mais será a mesma. Wagner acha que o poder subiu à cabeça de Rui, algo que ele não engole. O troco virá quando Rui encerrar o mandato. “E vai ser com juros e correção monetária”, aposta um deputado federal petista.
 
Vice de Neto
E o processo de escolha do vice na chapa de ACM Neto começa a afunilar. Essa semana, o pré-candidato do União Brasil recebeu as pesquisas qualitativas com a análise dos possíveis companheiros de chapa. Ao todo, oito nomes foram avaliados. Até a convenção o martelo estará batido.
 
Jus esperneandi
10 prefeitos por semana. Este tem sido o volume de adesões que ACM Neto tem recebido a sua pré-candidatura. Só de segunda para cá juntaram-se a ele os prefeitos de Barro Preto, João Dourado, Wagner, Cotegipe, Glória, Pojuca e Pedro Alexandre. Antes do domingo mais três adesões serão anunciadas. Todas de partidos da base do governo. Fontes do Palácio de Ondina dão conta que a cada nova adesão, o governador Rui Costa entra em estado colérico.
ea3ytp.md.jpg

 PSD dividido
Embora formalmente permaneça na base governista do estado, o PSD está dividido em relação à disputa pela sucessão no Palácio de Ondina. Parte dos prefeitos e deputados do partido já sinalizou ao senador Otto Alencar (PSD), cacique-mor da legenda, sua insatisfação com a pré-candidatura de Jerônimo Rodrigues e o desejo de apoiar ACM Neto. Alguns prefeitos já avisaram a Otto que pretendem anunciar formalmente a adesão a Neto nas próximas semanas. Outro grupo, com parlamentares e prefeitos, disse que não fará anúncio oficial de apoio a Neto, em respeito a Otto, mas também não vai trabalhar pelo nome do PT.
 
 
Cenário incerto
A preocupação, analisam pessedistas, não é apenas pelo fato de o pré-candidato a governador não decolar. Embora Otto lidere as pesquisas, com certa folga, há ainda dois pontos que preocupam o senador. O primeiro é a liderança folgada de ACM Neto nas pesquisas, o que acende o alerta para o fato de que, historicamente na Bahia, o governador eleito costuma levar junto o senador da chapa. Já o segundo é ainda o grande número de indecisos na disputa pelo Senado, conforme levantamentos de intenção de votos, percentual que gira em torno dos 30%.
 
Segurança em segundo plano
Apesar da Bahia carregar o título de estado mais violento do Brasil, o governador Rui Costa (PT) vem reduzindo ano após ano os investimentos na área da segurança pública. Em 2021, quando a Bahia foi novamente o estado com mais homicídios do país, com mais de 2 mil casos a mais do que o segundo colocado, o Rio de Janeiro, o governo Rui registrou a maior redução de sua gestão. No ano passado, a Bahia teve apenas 11,06% da receita corrente líquida do estado aplicados na segurança pública, menor percentual registrado no governo de Rui. A título de comparação, em 2016 esse valor foi de 17,34%.
 
 Desconfiança petista
A ida de Luiz Caetano para a coordenação da campanha de Jerônimo Rodrigues está longe de ser uma unanimidade na base petista. A principal reclamação é que, como secretário de Relações Institucionais, o ex-prefeito de Camaçari se preocupou mais em fortalecer o nome da esposa, Ivoneide, pré-candidata a deputada federal, do que em solucionar problemas da base, principalmente entre deputados estaduais e federais, que sempre reclamaram da articulação política. Temem que, na coordenação, Caetano intensifique as ofensivas pró-Ivoneide, invadindo especialmente bases de parlamentares do PT.
 
Saúde no alvo
O Tribunal de Contas do Estado (TCE) está com o radar ligado sobre a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). A Corte realizou uma auditoria sobre a Coordenação de Pagamentos Coletivos (CPC) da pasta e encontrou irregularidades, especialmente em relação à falta de regulamentação, o que dificulta a transparência e o controle das contratações realizadas. Em decisão recente, o TCE determinou que vai continuar fiscalizando e acompanhando a pasta.
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com.
 
Fotos: divulgação. Siga o insta @sitealoalobahia.

15 Jul 2022

A ponga em Anitta, as novas pedaladas de Rui e a crise iminente dos convênios

A ponga em Anitta
A base governista na Bahia quis pegar carona no apoio de Anitta ao ex-presidente Lula (PT) na disputa pelo Planalto. O senador Otto Alencar (PSD), por exemplo, chegou a comparar os dois T do seu nome com o da cantora e assim se mostrar mais moderno com o eleitor. Diversos deputados quiseram colar imagem de Jerônimo ao fato.
 
Rui Pedalinho
Ao que parece o governador Rui Costa está trocando a alcunha de “correria” para “pedalinho”. É que ele acumula incontáveis alertas e ressalvas de técnicos do Tribunal de Contas do Estado (TCE) nos extratos das movimentações orçamentárias do governo ao longo dos últimos anos. O sinal amarelo mais recente veio no julgamento das contas de 2021, na semana passada, onde o TCE grifou distorções causadas pelo uso excessivo e indevido, por parte da administração estadual, do instrumento de Despesas de Exercício Anterior (DEA). Especialistas e auditores apontam que tais manobras de gestão podem na verdade se configurar como pedalada fiscal.
 
Crise à vista
Lembram da denúncia publicada pela coluna na semana passada sobre o cancelamento de convênio pelo governo Rui? Pois bem, prefeitos começaram a tomar conhecimento da situação e estão enfurecidos com o governador. Um deles confidenciou a um deputado que está com as mãos na cabeça sem saber o que fazer. "Ele já licitou a obra, mas como vai receber o dinheiro se o convênio foi cancelado?", questionou. Na mesma situação estão muitos outros prefeitos. O governo até está tentando estancar a crise, mas, dizem parlamentares, é só uma questão de tempo para a bomba explodir.
 
Cortina de fumaça
O cancelamento dos convênios mobilizou a União dos Municípios da Bahia (UPB), que anunciou a criação de uma força tarefa para acompanhar a situação. Segundo o presidente da entidade, Zé Cocá (PP), prefeito de Jequié, Rui está prometendo pagar os convênios após a eleição (já que a lei eleitoral não permite), o que seria ilegal e imoral. Governistas partiram para cima do prefeito, mas a ofensiva é considerada uma "cortina de fumaça" para tentar abafar o escândalo iminente.
 
The crown
Vereadores comentam nos bastidores da Câmara Municipal de Salvador que o presidente Geraldo Júnior (MDB) tem andado angustiado com a perda de prestígio, seja no Legislativo, seja na campanha de Jerônimo Rodrigues (PT), de quem é vice. O comentário geral é que Geraldo se tornou uma "Rainha da Inglaterra", que carrega a "coroa" de presidente, mas que não tem poder nem prestígio. Até mesmo nas comissões, que ele acha que detém o controle, o vereador do MDB sabe que, mais cedo ou mais tarde, a Justiça vai derrubar a nomeação feita por ele para os presidentes dos colegiados, diante das flagrantes irregularidades. "Só resta a Geraldo se apegar às foças ocultas", brinca um vereador.
 
Por que não eu?
Tanto é que Geraldo tem se queixado a pessoas próximas da perda de prestígio. Na campanha de Jerônimo, chegou a confidenciar com amigos que seus discursos eram melhores do que os do petista e até que ele tinha mais relevância no cenário político baiano do que o ex-secretário da Educação. Depois de manobrar para se perpetuar na Câmara, será que Geraldo planeja dar mais um golpe, agora contra os seus novos aliados? Perguntar não ofende!
 
Maioria
A Câmara Municipal de Salvador marcou, por sinal, presença maciça em um evento do pré-candidato ACM Neto em Cajazeiras X. 22 vereadores estiveram presentes ao ato e declararam apoio explícito ao ex-prefeito da capital.
 
Só o começo
Rui Costa anda irritado com a migração de prefeitos da base para a campanha adversária. Embora tenha sido alertado por aliados próximos de que mudanças de lado inevitavelmente aconteceriam, o petista não tem gostado nada do que tem visto. Parlamentares contam que Rui soltou os cachorros sobre deputados e integrantes do governo para pedir um "aperto" nos prefeitos, mas não tem funcionado.
 
Semana que vem tem mais
As prefeitas de Conceição do Jacuípe, Tânia Yoshida (PSD) e de Antônio Cardoso, Lu de Gel (PP) anunciaram, ontem, o desembarque da base governista. Outro apoio que chamou atenção foi de Acácio dos Santos: ele disputou as eleições para prefeito pelo PT em Mulungu do Morro.
O prefeito de Inhambupe, Fortunato Silva Costa, mais conhecido como Nena (PSD), também passou a apoiar Neto. E ainda: os prefeitos de Terra Nova, Éder de Nilda (Cidadania), e o de Milagres, Cezar de Aderio (PP). Semana que vem tem mais.
 
Ressaca junina
O cenário suscitou uma questão intrigante sobre como o governo vai cobrir, por exemplo, os valores empenhados pela Bahiatursa no São João deste ano. O montante aplicado nas festas juninas é quase o triplo do orçamento anual da Superintendência para essa finalidade. Para conseguir fechar as contas na despedida do governo, Rui deve manter o modus operandi já desaprovado pelo TCE e empurrar o saldo para os ombros da próxima administração.
 
Freio de mão
O Ministério Público da Bahia colocou um freio de mão na tentativa da Agerba de renovar por mais dez anos os contratos de concessão com empresas que fazem o serviço de travessia marítima entre Salvador e Mar Grande. A Vera Cruz Transportes e Serviços Marítimos Ltda-ME e a CL Empreendimentos Ltda passaram uma década lucrando com a atividade sem nunca terem cumprido os termos contratuais, que, entre outras coisas, previa a substituição das lanchinhas de madeira por catamarãs. Por outro lado, vale frisar que o governo estadual também não fez a sua parte de modernizar os terminais e realizar a drenagem dos canais para aportar as novas embarcações (que nunca chegaram). O contrato chegou ao fim esta semana, mas sua prorrogação valerá apenas o tempo que durar uma nova licitação, cujos termos estão também sob os olhares dos deputados da bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Bahia.
 
Camaradas em fúria
A escolha do petista Terence Lessa para a suplência de Otto na disputa pelo Senado aconteceu sob circunstâncias inglórias para a cúpula do PCdoB na Bahia. Por ironia do destino, o anúncio foi feito em Jacobina, cidade governada pelos comunistas, sem que ao menos eles tivessem sido consultados previamente. O PGP de Jacobina, a propósito, foi aberto com discurso acalorado do presidente estadual da legenda, e também secretário de Trabalho, Emprego e Renda, Davidson Magalhães, que exaltou as forças democráticas e de união da esquerda. Instantes depois, assistiu perplexo e enfurecido ao anúncio feito, à revelia, pelo presidente do PT, Éden Valadares. A insatisfação também pegou em cheio o comando do PV, legenda integrante da federação partidária PT/PV/PCdoB.
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com.

8 Jul 2022

O devaneio de Rui, a ligação bomba, o golpe dos convênios e as decepções do PT

Alô, Iemanjá
Uma figura expoente do governo do estado curtia um tranquilo passeio de lancha pela Baía de Todos os Santos quando teve a calmaria interrompida por uma ligação telefônica. O conteúdo da conversa alertava para uma possível investigação que estava prestes a estourar e provocou agitação tamanha que o iPhone foi parar no fundo do mar. A apreensão do episódio foi lembrada esta semana no jantar de dois interlocutores governistas, segundo os quais a situação ainda causa arrepios. Apesar da gravidade, um deles chegou a brincar que uma eventual interceptação telefônica da PF só ouviria agora as palavras de Iemanjá.
 
Pelo poderes de Grayskull
Durante uma reunião com aliados políticos nesta semana, o governador Rui Costa teria encarnado o famoso personagem dos desenhos animados dos anos 80, He-man.  Irritado com a demasiada importância que os presentes davam ao apoio de Lula, Rui desabafou: “Vocês tão pensando que Lula vai decidir a eleição na Bahia. Quem vai decidir aqui sou eu”. E finalizou parafraseando He-man: “Eu tenho a força, eu tenho a caneta”.
 
O decreto gambiarra de Rui
Depois de muita relutância, o governador Rui Costa decidiu adequar o ICMS cobrado na Bahia sobre os combustíveis à nova legislação recém-aprovada pelo Congresso Nacional. O problema é que decreto assinado pelo governador veio com uma gambiarra inusitada: só tem valor “caso não sobrevenha eventual modificação em decisão pelo Supremo Tribunal Federal”, onde o petista trava um embate para não baratear a gasolina para os baianos.
 
O golpe dos convênios
Por falar em gambiarra, prefeitos que chegaram a assinar convênios com o governo do estado estão agora a ver navios. Rui cancelou centenas de atos, mas encorajou gestores a tocarem as obras adiante, pois em outubro, depois da eleição, o governo pagaria o valor restante. “Rui Costa está induzindo os prefeitos a cometerem fraude eleitoral. Ele quer os prefeitos na cadeia?”, destacou o líder da bancada de oposição na Assembleia, deputado estadual Sandro Regis.
 
Cai quem quer
Mas ao que parece nem os mais inexperientes seguirão os conselhos do governador. Na última terça, Rui se reuniu com 30 prefeitos na Governadoria para tratar dos convênios. Lá pelas tantas um prefeito mais jovem questionou: “E se Jerônimo não ganhar”. “Não existe essa hipótese”, retrucou o líder petista. Os presentes se entreolharam sem acreditar no que estavam ouvindo e um cochichou: “Será que ele acredita mesmo no que está dizendo”.
 
Cancelamento de bilhões
No total, de acordo com levantamento ao qual a coluna teve acesso, já são pelo menos R$ 1,7 bilhão em convênios cancelados. A notícia já começou a correr e tem deixado prefeitos irados com o governador.
 
 Decepção I
As pesquisas eleitorais sobre a Bahia divulgadas nesta semana foram consideradas um verdadeiro banho de água fria para o governador Rui Costa (PT), de acordo com fontes com trânsito no Palácio de Ondina. Elas contaram que o petista vinha comentando com pessoas próximas que esperava um crescimento de Jerônimo pelo menos acima dos 20%, já que tem rodado a Bahia em agendas do governo e de pré-campanha. Contudo, o pré-candidato petista empacou e o pior: com uma rejeição altíssima, a maior entre os postulantes ao governo.
 
Rejeição recorde
A avaliação na base governista é que muito pior que o não crescimento nas intenções de voto é a alta rejeição de Jerônimo. Para eles, o cenário apresentado pelos levantamentos é que, à medida que Jerônimo vai sendo conhecido pelo eleitorado do estado, vai também crescendo a rejeição ao ex-secretário da Educação.
 
Decepção II
Se o grupo governista já não andava muito animado para as eleições deste ano, a situação piorou com a vinda do ex-presidente Lula (PT) à Bahia, no 2 de Julho. Entre aliados do PT no estado, desde os mais à esquerda até os demais, é unânime a posição de que o ex-presidente não deu a Jerônimo Rodrigues (PT) um apoio mais enérgico, o que era esperado pelas lideranças petistas. No discurso do evento na Fonte Nova, Lula só citou o nome do ex-secretário da Educação três vezes.
 
Vermelho de vergonha
Em uma das citações feitas por Lula, Jerônimo protagonizou uma situação no mínimo constrangedora. Quando o ex-presidente citou, en passant, o nome dele, o ex-secretário da Educação foi para frente do palco, agarrado a uma bandeira do Brasil, mas Lula logo mudou de assunto e continuou seu discurso. O embaraço foi geral.
 
Mudança de planos
O resultado disso é que, nesta semana, deputados governistas que buscam à reeleição já começam a repensar suas estratégias de marketing para a campanha. Conforme apurou a coluna junto a parlamentares, um grupo de pelo menos nove deputados, entre estaduais e federais, já pediu para suas equipes retirarem imagens de Jerônimo dos materiais de campanha. Para eles, no atual cenário, a vinculação ao ex-secretário mais atrapalha que ajuda. 
 
Sem aulas
Já é sabido que educação nunca foi uma prioridade do governador Rui Costa, mas um caso ocorrido em Matina é o cúmulo. Por lá, dizem fontes locais, a prefeitura suspendeu as aulas ontem para que os ônibus escolares fossem utilizados para transportar pessoas da zona rural para um evento com a presença do governador. O caso tem rodado o interior e provocado uma enxurrada de críticas.
 
Foto: Reprodução/redes sociais.  

1 Jul 2022

A nova gafe de Rui, o clima azedo com o MDB na base e o imbróglio nas lanchinhas

2 de Julho vem aí
Uma centena de prefeitos baianos está em compasso de espera pela data magna do 2 de Julho, Dia da Independência da Bahia. É que a partir desse dia o governo ficará impedido, conforme prega a legislação eleitoral, de fazer repasses a municípios e, portanto, não poderá condicionar a realização de obras ao apoio à candidatura do anônimo. Já tem uma turma ensaiando para cantar com gosto o trecho do Hino da Independência da Bahia quando o governador Rui Costa passar: “Com tiranos não combinam…”.
 
Rabo de cavalo
A turma do governo petista tem dito por aí que o evento do 2 de Julho vai ser a grande virada para Jerônimo Rodrigues (PT), hoje bem atrás nas pesquisas. Mas, nos bastidores, a animação dos petistas virou motivo de piada pelo interior do estado, como definiu um deputado, utilizando um bom jargão vindo dos rincões da Bahia: "Essa virada que eles falam vai ser igual a rabo de cavalo, que só cresce para baixo". Para ele, a tendência na verdade é de crescimento de ACM Neto.
 
 
Quem fala o que quer...
Após ficar alguns dias calado, o governador Rui Costa (PT) voltou a soltar suas pérolas. Disse agora que "essa turma quando entra quer desmanchar tudo", ao se referir a ACM Neto, sem citar o ex-prefeito de Salvador. Nos bastidores, a fala gerou repercussão e observadores da política lembraram ao governador que a Bahia ocupa o último lugar em educação e o primeiro lugar em número de homicídios, desemprego e analfabetismo. "Esse cenário, totalmente negativo, deixado pelo governo de Rui vai precisar ser desmanchado mesmo", disse um deles.
 
Dia D
O governo amanheceu esta sexta-feira com a faca no pescoço. Hoje é o último dia permitido por lei para firmar convênios e fazer repasses aos municípios - até então os dois principais caminhos da gestão Rui Costa para atrair ou segurar prefeitos no projeto eleitoral petista. O prazo previsto na legislação eleitoral coloca um ponto final no movimento conhecido como a "farra dos convênios". De janeiro até agora, Rui empenhou mais de R$ 1,5 bilhão, quase oito vezes mais do que aplicou no ano passado inteiro, quando não houve disputa eleitoral: R$ 188 milhões.
 
Bola fora
Incomodou a um grupo de deputados da base o fato de não haver na agenda de Lula na Bahia nenhum momento dedicado para interagir com eles. Dizem que até nisso o governador Rui Costa deu bola fora. Muitos preteridos já reclamam abertamente do desprestígio e não escondem o desânimo em seguir as coordenadas do morador do Palácio de Ondina. No embalo dos festejos do 2 de julho, um deles desabafou que não descarta declarar independência após 2 de outubro.
 
Azedou
O clima do MDB na base governista não anda nada bom. Caciques do partido andam reclamando que os espaços prometidos na estrutura do governo ainda não foram dados, deixando de mau humor até mesmo aqueles emedebistas icônicos que vivem fazendo graça. De acordo com fontes da coluna, o governador Rui Costa (PT) está sendo pressionado por caciques petistas para não ceder espaços ao MDB. A máxima por lá é: farinha pouca, meu pirão primeiro.
 
Quem avisa amigo é
O burburinho da relação azeda já começou a se espalhar e chegou aos ouvidos de um influente prefeito do MDB, que preferiu não seguir o partido para a base governista. Quando soube da história de que os acordos não estão sendo cumpridos, ele aproveitou para dizer: "Eu avisei a todo mundo. Com eles, é primeiro o PT, depois o PT também".
 Mais dez, Rui?
Já imaginou saber que depois de dez anos andando num carro sucateado, você poderia ter passado todo esse tempo num carro maior e melhor? Pois bem, é o acontece com quem usa as lanchinhas para fazer a travessia marítima Salvador-Mar Grande. O contrato assinado dez anos atrás, na era Jaques Wagner, previa que o serviço passaria a ser feito em catamarãs e que os terminais seriam requalificados e modernizados, mas isso nunca aconteceu. Não bastasse o descumprimento à luz do dia, o governo Rui Costa ainda pode prorrogar o contrato, que vence em agosto próximo, por mais uma década.
 
Extrema distância
Lembram das chuvas devastadoras que atingiram o Extremo Sul da Bahia no final do ano passado? Pois prefeitos da região, que frequentemente se queixam da ausência dos governos petistas, dizem que até hoje esperam a ajuda de Rui Costa para reparar os danos causados pelos temporais. Teve queda de pontes, destruição de estradas vicinais, graves problemas de infraestrutura. As obras de recuperação foram feitas pelas próprias prefeituras, com recursos federais e emendas de deputados. Do governo, dizem prefeitos, foi zero ajuda.
 
Foto: divulgação. 

23 Jun 2022

O day after de Geraldo Jr., o risco de suspensão do VLT e a sofrência do governador

Fim das mordomias
Não é apenas o governador Rui Costa que sofre com a proximidade do fim do mandato e a perda das muitas regalias. O atual presidente da Câmara de Vereadores, GeraldoJúnior (MDB), é outro que vai sofrer para “desmamar” do poder. Ele até tentou, num ato de desespero, estender ilegalmente o seu mandato na presidência da Casa. Mas, até o fim do ano, a justiça irá derrubar a reeleição e no começo de 2023 ele terá de voltar a planície política. “Nunca um presidente da Câmara Municipal de Salvador teve tantas mordomias. Ele deve sentir calafrios só de imaginar perder isso tudo”, observa um antigo funcionário da Casa. Segundo este funcionário, Geraldo Júnior tem um cerimonial de dar inveja a muitos chefes de Estado. “Ele tem escolta, assistência militar, batedores. É, vai ser difícil perder essa mordomia toda”, conclui.
 
Plano B
Mesmo favorecido por essa megaestrutura, Geraldo Júnior penou para reeleger-se vereador no último mandato. Teve pouco mais de 12 mil votos. Sabendo que teria dificuldades em eleger-se deputado federal, ele aceitou o convite de candidato a vice-governador na chapa do PT baiano. Agora, preocupado com o day after a eleição e a grande possibilidade de derrota, Geraldo Júnior começou a sondar antigos aliados sobre uma tentativa de reconciliação.  “Ele pensa que somos bobos, quer ficar bem com todo mundo”, relata um petista incomodado.
 
Semancol
Por esse e outros motivos, a lua-de-mel entre Geraldo Júnior e o PT está chegando ao final. O jeito expansivo e animado do vereador até agradou no começo. Hoje, porém, pelas costas o candidato a vice-governador é apontado como uma figura cansativa, que sempre conta as mesmas piadas. “Os trejeitos dele já perderam a graça. Tá faltando semancol”, reclama um deputado da base petista.
 
Com o pires na mão I
Técnicos e auditores que acompanham as tratativas para as obras do VLT do Subúrbio sinalizam para o risco de haver uma suspensão do contrato. O sinal amarelo veio depois deles terem sido informados que a empresa responsável pelo modal não conseguiu viabilizar empréstimo em bancos nacionais e internacionais. Sem a salvaguarda financeira para execução da obra, a propaganda do VLT, que deveria substituir o lendário trem do subúrbio, vai ficando apenas como mais uma promessa de governo do PT, assim como o Centro de Convenções, a ponte Salvador-Itaparica…
 
Com o pires na mão II
Quem também está com o pires na mão é o governador Rui Costa, que precisa injetar R$ 100 milhões nas obras da nova rodoviária, em Águas Claras. A autorização do empréstimo milionário, a seis meses do final do governo, depende da Assembleia Legislativa da Bahia, onde nem os governistas dão sinal de adesão. A oposição, por sua vez, já afirmou que não há possibilidade de fazer acordo para votação. O entendimento na Casa é que o governo tem feito tudo na “correria”, sem o mínimo de previsibilidade, organização e zelo com os recursos públicos.
 
Novo recorde de Rui
Durante os governos de Rui e Wagner, a Bahia conquistou títulos nada agradáveis: liderança de homicídios e desemprego, última lugar em educação e maior número de analfabetos e pessoas extremamente pobres do país. Agora, na crise dos combustíveis, Rui deu ao estado mais uma liderança indigesta: a gasolina mais cara do Brasil. Nas últimas semanas, as pesquisas da ANP têm apontado o preço médio do combustível vendido na Bahia como o maior entre os estados. Que fase...
 
Tá na sofrência I
A corriqueira irritação do governador Rui Costa (PT) tem agora um novo alvo: a debandada de prefeitos do PSD para apoio a ACM Neto na disputa pelo governo do estado, fato que tem tirado o sono do cacique petista. Ele tem dito que, de todas as dissidências, as do PSD são as que mais incomodam devido ao fato de o partido ter sido o mais privilegiado no seu governo, com obras e recursos, e mesmo assim prefeitos estão pulando do barco. O governador já disse que espera um esforço para conter a debandada do partido, comandado pelo senador Otto Alencar. Mas será que Rui tem essa coragem de falar com Otto?
 
Porteira aberta
A mais nova portabilidade foi o prefeito de Ponto Novo, Thiago Gilleno (PSD), que anunciou ontem seu apoio a ACM Neto durante evento no município. O ex-prefeito de Salvador foi até a cidade para formalizar a aliança.
 
Tá na sofrência II
O governador Rui Costa (PT) demonstrou recentemente certa irritação ao se queixar com um aliado próximo do fogo amigo contra ele em sua própria base. Na conversa, Rui acusou parlamentares petistas de traição e disse ser culpa deles os ataques desferidos ao governador. Contou ainda que tem sido injustiçado com o tratamento arredio de alguns deputados, que fazem críticas à falta de articulação dele.
 
Até tu, Brutus?
A chateação do governador tem um motivo. Chegou aos ouvidos dele que um de seus mais próximos aliados andou falando que Rui errou na articulação política, e não só em 2022. Numa roda de conversa, o figurão, que o governador diz ser de sua confiança, teria dito que Rui cometeu demasiados erros no processo de sua sucessão e no trato com políticos. Para o petista, segundo a fonte da coluna, a crítica foi encarada como uma traição profunda.
 
Passe de mágica
Os valores empenhados pela Bahiatursa em contratos para custeio dos festejos juninos deste ano impressionam. É que os valores já somam mais que o dobro de todo o orçamento anual da Superintendência. Técnicos que acompanham as publicações dos contratos estão espantados com o montante, e ao mesmo tempo curiosos para saber qual será o passe de mágica do governo na hora de fechar as contas. O retrospecto mostra que não é raro jogar para o exercício posterior os pagamentos que ficarem pendentes.
 
Foto: Divulgação.
 
 

17 Jun 2022

O legado indigesto de Rui, o estresse do governador com a debandada e o jabuti da ponte

O Legado
Chegando no semestre final do seu mandato, o governador Rui Costa (PT) tem se mostrado cada vez mais preocupado com o seu legado. Afinal, depois de 8 anos, como ele irá passar para os livros de história? Se depender de dados objetivos, Rui não vai deixar saudades. A Bahia hoje ocupa o último lugar na educação do país, lidera em analfabetismo e é campeã em desemprego e homicídios. Esse vai ser o legado de Rui registrado para sempre nos livros de história.
 
Triste fim
Quem conhece o governador de perto diz que ele sofre ao ver a avaliação pessoal minguar a cada nova pesquisa de opinião. Principalmente no interior do estado. Rui esperava terminar o mandato com grande prestígio até para poder se proteger dos inimigos, muitos do próprio PT, que adquiriu nos últimos 8 anos. Ao que parece terá um triste fim: sem partido, sem mandato e sem amigos.
 
Dor de cotovelo
Ainda sobre Rui Costa, as más línguas contam que ele se compara o tempo todo com o ex-prefeito ACM Neto, que encerrou o mandato com mais de 80% de aprovação e elegeu o sucessor com a maior votação entres as capitais brasileiras. “Isso dói na alma do governador. E é um dos motivos dele atacar ACM Neto com tanta frequência e virulência. Sofre de uma dor de cotovelo profunda”, explica um deputado da base governista.
 
Massacre
Foi num desses arroubos que, ao ser entrevistado pela rádio Metrópoles essa semana, Rui disse que ACM Neto não havia feito nada pela capital baiana. O ataque do governador foi postado nas redes sociais de vários veículos de imprensa. O que se viu foi um verdadeiro massacre do político petista nos comentários dos seguidores. “Fez muito mais que você, senhor governador”, disse um seguidor. “Você ao invés de atacar faça o seu papel”, criticou outro. “Você, Rui, acabou com o ensino, acabou com o comércio, estourou todos os índices negativos de segurança”, destacou mais um leitor. “O desespero bateu e deu até amnésia no homem”, concluiu. Ao todo foram quase 2 mil comentários indignados com a declaração de Rui Costa.
 
 
O jabuti da ponte
A ponte Salvador-Itaparica ainda não saiu do papel, mas já tem um jabuti fazendo a travessia. Ao estilo de administração gambiarra, o governo enviou à Assembleia Legislativa uma pegadinha para redirecionar um empréstimo de 300 milhões de dólares, autorizado em 2016, ao custeio adicional da obra, que saiu da previsão inicial de R$ 5,4 bilhões para R$ 9 bilhões. A proposta chegou à Casa escondida dentro do PL 24.572/2022, que tem ementa com aparência inofensiva de tão somente alterar a estrutura de cargos em comissão na Secretaria da Fazenda (Sefaz).
 
O terror dos prefeitos
O governador Rui Costa foi informado nesta semana que uma prefeita da base governista decidiu pular do barco para apoiar ACM Neto. Irritado com a notícia, decidiu ligar para a gestora. Foram diversas chamadas não atendidas - a tal prefeita já sabia do que se tratava e não queria conversa. Após as ligações perdidas, ela atendeu ao petista, que a convidou para uma reunião na Secretaria de Relações Institucionais (Serin). Brava com a insistência reiterada, ela já chegou dizendo: “Nem sei o que estou fazendo aqui, mas vim em respeito ao senhor, que é governador”. Sem esconder a chateação, Rui perguntou se ela iria mesmo apoiar ACM Neto. Ela confirmou, e deixou o governador enfurecido.
 
Fogo amigo
Quem não tá lá com muita moral é o vereador Geraldo Júnior (MDB), pré-candidato a vice de Jerônimo. A manobra dele para tentar sua segunda reeleição como presidente da Câmara de Salvador não é unanimidade nem mesmo no grupo governista, ao qual agora ele faz parte. O presidente da Assembleia, Adolfo Menezes (PSD), por exemplo, deu nesta semana uma declaração contrária à jogada do “Líder”. “Mesmo ele sendo parceiro hoje, eu não concordo (com a reeleição de Geraldo)”, disse Adolfo em conversa com jornalistas.
 
Mais um revés
Geraldo sofreu também um revés em Camaçari. Por lá, ele tentava atrair para o grupo governista o presidente da Câmara, Júnior Borges. Mas o vereador camaçariense não só recepcionou ACM Neto, que recebeu o título de cidadão do município, como reafirmou o seu apoio ao ex-prefeito de Salvador.
 
Estresse elevado
A agressividade de Rui tem causado burburinho na Secretaria de Relações Institucionais do Estado (Serin). Fontes da coluna comentam que o secretário Luiz Caetano, a chefe de Gabinete Elisa Pellegrini e assessores da pasta têm comentado nos corredores que andam preocupados com o nível de nervosismo do chefe.
 
Por trás da raiva
A chateação do governador deve ser explicada pelas sucessivas baixas de prefeitos que vem sofrendo em sua base aliada. Somente nos últimos dias, anunciaram apoio a ACM Neto os prefeitos de Itaberaba, Ricardo Mascarenhas (PP), de Rio de Contas, Dr. Cristiano (PSB) e de São Sebastião do Passé, Nilza da Mata (PP) - esta última ainda não anunciou oficialmente, mas já comunicou a Rui que vai apoiar Neto. Sem contar o prefeito de Tremedal, Zé Bahia (Podemos), que negou que irá apoiar Jerônimo, rebatendo informações divulgadas pelo governo.
 
Surpresa
Sobre Dr. Cristiano, o apoio a Neto pegou de surpresa o núcleo duro do PT na Bahia. Cristiano estava, há cerca de 30 dias, em um PGP de Jerônimo. Nesta quinta-feira (16), não só recepcionou ACM Neto nas festividades do Santíssimo Sacramento como exaltou o ex-prefeito de Salvador.
 
Foto: divulgação.

10 Jun 2022

O fazendeiro do PT, a bronca de Wagner em Geraldo e a "transparência" nada transparente de Rui

Homem de bens
Um poderoso figurão petista tem dado o que falar nos bastidores da política baiana por ter usado um testa de ferro para comprar uma fazenda na região de Ipiaú. O pedaço de terra, um dos mais valorizados da região, foi adquirido por cifras que, dizem, superam, e muito, os dois dígitos da casa dos milhões. E o tal petista já gosta de posar de humilde em seus discursos à imprensa. O golpe tá aí, cai quem quer...
 
Gogó de ouro
E não para por aí, não, viu. Lideranças da região confidenciaram a esta coluna que o tal figurão falastrão do PT já anda de olho em outros pedaços de terra nas redondezas. Há pelo menos outras duas fazendas que ele já manifestou interesse na aquisição. O homem é mesmo pura humildade.
 
Bronca do chefe
O senador Jaques Wagner (PT) foi escalado para levar o recado da inconveniência do vereador Geraldo Júnior (MDB) na campanha petista. Segundo confidenciaram fontes à coluna, Wagner teria sido enfático: “você não pode querer aparecer mais que o candidato”. Geraldo, então, teria perguntado se a cúpula governista queria que ele deixasse de discursar ou mesmo de participar dos eventos. O senador afirmou que não, mas avisou: “você precisa ser mais discreto”. Resta saber se o “Líder” vai cumprir, né?!
 
Outro anônimo?
Pessoas ligadas a Geraldo confidenciaram a vereadores que há uma preocupação sobre como o emedebista vai fazer para ter visibilidade a partir de 30 de junho, quando termina o prazo para emissoras de rádio e de televisão transmitirem programa apresentado ou comentado por pré-candidato. Fraco nas redes sociais, o “Líder” vai ter uma perda grande a partir de julho e tem a chance de sumir do mapa.
 
Mexe com quem tá quieto
Geraldo Júnior (MDB) está causando um mal-estar entre deputados do PT por invadir bases petistas consideradas “intocáveis”. Durante eventos do governo no interior, dos quais tem participado, o “Líder” está indo para cima de lideranças ligadas a nomes do PT, utilizando “ferramentas nada republicanas” para conquistar o apoio deles para a candidatura do filho a deputado estadual. O caso foi levado ao governador Rui Costa, que, dizem, fez cara de paisagem. Mas caciques do partido já avisaram que não vai ficar por isso mesmo e prometem um contra-ataque.
 
Retroativo
Nos últimos dias o governo passou a publicar no Diário Oficial decretos de desapropriação de terrenos para construção de escolas, cujos anúncios de obra e licitação já haviam sido explorados política e eleitoralmente em agendas pelo interior semanas atrás. Na prática, o governo garantiu realizar uma obra num terreno que nem tinha ainda. Sabe lá Deus como conseguiram a proeza de formatar uma licitação. Técnicos da gestão não escondem que o desespero eleitoral dos agentes políticos tem provocado um atropelo administrativo sem precedentes.
 
Transparência tardia
Outro tipo de publicação retroativa que virou moda nos atos oficiais do Palácio de Ondina se refere ao patrocínio de festas e eventos que já aconteceram. Ou seja, a população só é avisada da gastança depois que o leite foi derramado. A cidade de Arataca, onde o prefeito ainda apoia o anônimo, recebeu incentivo de R$ 140 mil para fazer uma micareta no dia 29 de maio, mas o valor só se tornou público no Diário Oficial desta quinta-feira (9 de junho). O modus operandi de transparência tardia é o mesmo em dezenas de municípios, e já está na mira dos técnicos e auditores dos órgãos de controle.
 
Nem o Divino ajuda
Quando Jerônimo Rodrigues viu uma multidão na praça de Poções, em visita à cidade na semana passada, abriu logo o (recém-adquirido) sorriso. Testemunhas que estavam por lá relataram que o petista se animou todo, esperando ‘aquela’ recepção. Mas, que nada: minutos depois, ficou claro o que as pessoas realmente esperavam: era a tradicional chegada das bandeiras à Praça do Divino, belíssima cerimônia que todos os anos abre a Festa do Divino, e que voltou a ocorrer em 2022, após a pandemia, na Terra do Divino. Pelo visto, a alcunha de Anônimo Rodrigues pegou mesmo, e nem o Divino ajuda.
 
A moquequinha
Numa foto, tirada de cima de um prédio na Praça do Divino e que circula nas redes sociais, dá pra ver a ‘moquequinha’, como dizem, que de fato acompanhou o pré-candidato do PT. Segundo as lideranças de Poções, teve pré-candidato a deputado estadual que visitou a cidade na abertura da Festa do Divino e arrastou mais gente. A mesma ‘moquequinha’ foi vista no café da manhã promovido pelos petistas no Clube Recreativo de Poções - a maioria dos presentes era de funcionários da prefeitura, dizem lideranças locais. Os fotógrafos tiveram trabalho: valeu até ‘pongar’ na procissão que tradicionalmente sai da Praça do Divino para dizer que era adesão à caminhada. Ficou feio.
 
Cadê o dinheiro do ICMS?
O governador Rui Costa disse nesta semana que não pode tirar o dinheiro da saúde, da segurança e da educação para baixar o ICMS, mas o que não se sabe é para onde esses recursos estão indo. Na educação, a rede estadual tem os piores índices do Brasil e ainda sofre com o sucateamento de escolas na capital e no interior. Na segurança, nem se fala... são viaturas velhas, falta de efetivo, delegacias fechadas, profissionais desvalorizados. Na saúde,a fila da regulação que atormenta a população do interior, além da falta de hospitais regionais em diversos pontos. E aí, governador, cadê o dinheiro do ICMS?
 
Só ele que tá certo
Em outros estados, inclusive do Nordeste, governadores reduziram o tributo do combustível para o transporte público, menos Rui. Será que o petista baiano está dizendo que os outros governadores não estão preocupados com saúde, segurança e educação?
 
Sem clima
Deputados governistas já admitem internamente que não há clima para votação de matérias do Executivo que estão se amontoando na Assembleia Legislativa. Na última quarta, por exemplo, apenas 19 marcaram presença e a sessão, em modelo híbrido, sequer foi aberta. Um parlamentar que chegou ao plenário quando havia apenas 13 nomes inscritos no painel brincou com o número tímido: "eita 13 azarado", exclamou e saiu aos risos. No final das contas era preciso quórum de 21 deputados para abertura dos trabalhos.
 
Procura-se
Por falar em transporte público, causou estranheza o silêncio ensurdecedor dos aliados de Rui com o aumento da tarifa dos ônibus metropolitanos, o maior dos últimos dez anos: 11,85%. Para se ter uma ideia, a passagem aumentou em até 1 real por trecho. Se fosse só isso, até ok, mas o sistema sofre com o sucateamento de veículos, que estão caindo aos pedaços, além das dificuldades causadas pelo aumento do diesel, que já levou ao fim de operação de algumas empresas, como BTU e VSA.
 
Chuva de críticas
O governador Rui Costa já tem sentido na pele o derretimento de sua popularidade, fato apontado em pesquisas recentes. Durante o seu último "papo correria, o que não faltou foi gente criticando e cobrando do governador ações para seus respectivos municípios. Falta de professor, problemas com atendimento hospitalar e onda de violência foram algumas das questões apontadas por internautas que acompanharam a live. Talvez isso ajude a explicar o mau humor do governador nas últimas semanas. É, Rui, tá complicado mesmo!
 
Foto: divulgação/reprodução.