30 Apr 2020

Teremos testagem em larga escala nos próximos dias, diz prefeito de Vitória da Conquista

Luan Santos

Jornalista, repórter, assessor e consultor de comunicação.

Teremos testagem em larga escala nos próximos dias, diz prefeito de Vitória da Conquista Segunda maior cidade do interior da Bahia, Vitória da Conquista implantará nos próximos dias a testagem em larga escala para o Coronavírus na população. O município, que está com 31 casos confirmados e três mortes, pode ser o primeiro da Bahia a introduzir o sistema. Para o prefeito Herzem Gusmão (MDB), os testes servirão para obter um quadro real da cidade perante o contágio do vírus e ainda podem vir a viabilizar a reabertura do comércio na cidade.

O prefeito se orgulha por “ter tomado decisões pioneiras” na corrida contra o coronavírus. De acordo com Gusmão, Vitória da Conquista foi a primeira cidade a fechar o comércio totalmente, suspender o funcionamento das escolas e a anunciar que o São João não seria realizado neste ano. Com relação ao retorno do funcionamento normal da cidade, Herzem Gusmão afirmou que ainda não há previsão para isso. A gestão, no entanto, já prepara um projeto pedagógico com retomada das aulas para junho ou julho, dependendo do desenvolvimento da pandemia. Por fim, Herzem ainda diz que “a providência mais importante é continuar pedindo orações”. 

A entrevista com Herzem Gusmão é a terceira de uma série de entrevistas com os prefeitos das maiores cidades do interior. Nas últimas semanas, entrevistas foram realizadas com Colbert Martins, prefeito de Feira de Santana, e com Elinaldo Araújo, prefeito de Camaçari. O objetivo é informar a sociedade baiana sobre as ações que estão sendo tomadas nos principais municípios do estado, que enfrenta o avanço da Covid-19.



Alô Alô - O primeiro caso de Vitória da Conquista somente foi divulgado no dia 31. De lá pra cá, o número foi para 31, sendo 24 já curados e 3 mortes. Há uma preocupação ou o senhor acredita que a situação está controlada na cidade? 

Herzem - Ninguém pode assegurar que a situação está controlada. Nós estamos ouvindo, inclusive, diversos debates técnicos sobre a curva do coronavírus no Brasil, alguns especialistas falam que a curva do nosso país ultrapassa a Espanha, a Itália e a própria China em número de mortes, outros já dizem que não. O que nós sabemos, de fato, é a nossa realidade, e nós começamos a tomar decisões pioneiras aqui na cidade. Fomos a primeira cidade a fechar o comércio totalmente, depois fomos também a primeira a flexibilizar, permitindo o funcionamento da cadeia produtiva da construção civil, casas de materiais de construção, depósitos de cimento, serrarias, marmorarias, vidraçarias, serralherias. Nós viabilizamos também o funcionamento do setor de autopeças, atendendo ao apelo do Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, que falou que os caminhoneiros que viajam pelo Brasil estavam encontrando dificuldades na manutenção de seus caminhões e a falta de peças, então nós abrimos também todo esse setor, mantendo os serviços essenciais. Conquista foi a primeira cidade do interior do estado que, mesmo com a recomendação naquele momento do Secretário de Saúde do Estado,Fábio Vilas-Boas, de que não precisaria encerrar as atividades das escolas, suspendemos o funcionamento aqui em Conquista, sendo a medida pioneira, tanto nas escolas da rede municipal, como na rede das escolas privadas e das faculdades, instituições de ensino superior privado. Logo na sequência tivemos a adesão da Ufba e também do Ifba. Então foram medidas importantes que nós tomamos. 

Alô Alô -  A prefeitura também anunciou com certa antecedência o cancelamento dos festejos juninos, certo? 

Herzem - Nós também fomos a primeira cidade da Bahia a anunciar que não iríamos realizar o São João. Também suspendemos, em comum acordo com a Cooperativa Mista Agropecuária Conquistense (Coopmac), a exposição agropecuária que estava marcada para a primeira semana de junho. Suspendemos também atividades em teatros, cinemas, eventos acima de 50 pessoas, então Conquista foi pioneira. Em função desse isolamento, nós estamos colhendo hoje bons resultados, inclusive deste quadro que se apresenta até esta data. Como já falei, gostaria de enfatizar, que Conquista foi a primeira cidade a flexibilizar alguns setores do comércio. Hoje nós mantemos o comércio de rua ainda fechado, a testagem que vamos ter em larga escala será iniciada nos próximos dias. 

Alô Alô - Como será essa testagem em larga escala? 

Herzem - Já enviamos uma equipe para Salvador que recebeu o treinamento adequado, já temos uma máquina avançada e o nosso Lacen Municipal realizará testes em larga escala para que tenhamos um quadro real da cidade de Vitória da Conquista. Portanto são essas as providências aqui elencadas que tomamos e ainda tivemos outras, como a contratação de leitos de hospitais, a criação do Centro de Atenção Municipal – Coronavírus, entre outras. 

Alô Alô - Quantos leitos de UTI existem em Conquista? O senhor avalia que será necessária a implantação de hospitais de campanha? Espaços da cidade já estão estudados?

Herzem - Nós já estamos tomamos todas providências necessárias para garantir o atendimento aos nossos conquistenses. Já contratamos leitos no Hospital Filantrópico São Vicente, que é da Irmandade da Santa Casa, colocamos em funcionamento nesta segunda-feira um Centro de Atenção Municipal ao Coronavírus, que conta com equipe composta por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem, recepcionista e higienização. O serviço oferece leitos de atendimento a pacientes que apresentem quadro leves e moderados de suspeita ou confirmação de infecção por Covid-19, além de uma sala vermelha que poderá ser usada caso surja algum paciente em estado grave até que ele seja transferido para um dos hospitais credenciados ao município. É o único do interior da Bahia. 

Em relação a Hospital de Campanha, nós não pensamos, porque tem um hospital desativado aqui em Conquista, inclusive é o terceiro mais antigo, a Casa de Saúde São Geraldo, e que pertence ao grupo do Hospital Samur. Nós já estamos em tratativas com o hospital para que, a depender do quadro de Conquista, possamos utilizar o espaço que já conta com toda a estrutura hospitalar e, certamente, atenderá melhor que um hospital de campanha. Também temos a expectativa do Hospital das Clínicas de Conquista (HCC) que o governo do estado já disse que está contratado para os casos de alta complexidade aqui em nossa cidade. 

Alô Alô - Quais foram as principais ações determinadas pela prefeitura para conter a propagação do coronavírus? 

Herzem - Todas as ações foram importantes, como eu disse, isolamento social, quase que horizontal, a suspensão das aulas nas escolas e faculdades, a obrigatoriedade do uso de máscaras através de decreto municipal, nenhum estabelecimento e nem mesmo os bancos podem aceitar clientes sem máscara. Nós também fomos pioneiros neste decreto da obrigatoriedade do uso de máscaras e depois o Governador acertadamente também fez um decreto estadual. Para garantir o cumprimento dos decretos, nós estamos fiscalizando com nossas equipes da Prefeitura e contando com apoio da Polícia Militar e dos atiradores do Tiro de Guerra.  A comunidade está nos apoiando, as pessoas aderiram e estão nos ajudando utilizando as máscaras. Nós também realizamos a higienização em parceria com empresas privadas nas feiras livres, terminais de ônibus, em áreas hospitalares, prédios públicos, avenidas de grande circulação e a manutenção apenas dos serviços essenciais.  Outro ponto importante foi a suspensão das atividades em teatros, cinemas, eventos acima de 50 pessoas, então Conquista foi pioneira nessas medidas preventivas. E nós também já iniciamos as barreiras sanitárias nas entradas da cidades. Enfim, em função desse isolamento e de tantas outras medidas nós estamos colhendo hoje bons resultados. Essas ações eu entendo que foram verdadeiramente importantes para que nós pudéssemos chegar aonde nós chegamos no controle da propagação do vírus. 

Alô Alô - O senhor acredita que a transmissão da doença irá ultrapassar o mês de junho na cidade? Há uma previsão para a retomada das atividades? 


Herzem - É uma previsão que ninguém sabe. Ninguém pode afirmar nada neste momento, mas algumas medidas já estão sendo estudadas e outras elaboradas. Essa semana já conversei com o Secretário de Educação, Coronel Esmeraldino Correia, e em relação às escolas eu já solicitei que ele fizesse um planejamento, um projeto pedagógico para a retomada das aulas com duas datas, uma data prevista para primeiro de junho e outra com a previsão de primeiro de julho, mas nós não temos ainda a mínima ideia do que vai acontecer.
 
Alô Alô - Já há números em relação ao impacto na arrecadação? Como está o diálogo com o setor do comércio e da indústria?


Herzem - Todo o Brasil sabe da queda drástica de arrecadação e, já pensando nisso, nós temos algumas medidas como redução de gratificações, salários do prefeito, vice e secretários, publicação do decreto que propõe redução de no mínimo 50% nos contratos de aluguéis, revisão de todos os contratos da Prefeitura. Estamos também tomando medidas jurídicas com pleitos junto à Justiça para que possamos suspender pagamentos de algumas obrigações do município com a previdência, INSS entre outros. Estamos detalhando as finanças para saber exatamente o que nós perdemos, o que contingenciamos, o que renegociamos e assim ter o cenário real do impacto. Nós estamos tomando todas as medidas para minimizar o impacto da queda de arrecadação. 

Alô Alô - Algumas cidades já começaram a flexibilizar o funcionamento do comércio, como Feira de Santana. Em Conquista, o número de casos é bem menor. Na semana passada o senhor anunciou que flexibilizaria algumas medidas, mas voltou atrás após pressão popular. O senhor pretende, nos próximos dias, propor uma nova flexibilização?

Herzem - Nós já flexibilizamos, como já falei. Nós fomos a primeira cidade a flexibilizar permitindo o funcionamento da cadeia produtiva da construção civil, casas de materiais de construção depósitos de cimento, serrarias, marmorarias, vidraçarias, serralherias, dentre outros. A Indústria está liberada geral. Nós viabilizamos também o setor de autopeças, ampliamos e colocamos as lavanderias, os postos de lavagem de carros, óticas. Nós estamos mantendo os serviços essenciais. Agora o comércio de rua no centro da cidade, nós estamos trabalhando  para que depois que inicie as testagens, a eficácia das barreiras sanitárias,  e que finalize alguns detalhes para garantir o pleno e amplo atendimento à comunidade para viabilizar a abertura do comércio. Mas isso também vai depender do que determinar o Supremo Tribunal Federal e o Ministério Público Federal. Nós inclusive fizemos uma experiência de colocar o comércio para funcionar em dois turnos, em sistema de revezamento, pela manhã um tipo de segmento e pela tarde outro. Nós iniciamos mas tivemos que recuar por conta da recepção da população, que não foi boa. Eu ouvi a população e a população estava certa. E agora para tomar a medida de abrir geral, incluindo o comércio e as escolas, nós estaremos prudentemente aguardando o momento certo. E, para finalizar, nós tomamos diversas medidas, mas a providência mais importante é continuar pedindo orações. E peço que continuem Orando pelo Brasil, pelo nosso Estado e por nossa querida Vitória da Conquista. E que Deus nos abençoe.

Foto: divulgação. Siga o insta @sitealoalobahia.