Garoto prodígio com Matheus Martins

Em tempos de transição e de especulações na potência máxima, abrimos espaço para uma entrevista surpreendente com Matheus Martins. O moço é estudante de Negócios da Moda na Anhembi Morumbi e responsável pela área de produção de moda na Imprensa Brasil da Louis Vuitton. Aqui, com conhecimento de causa, ele explana com maestria as frequentes dúvidas sobre elegância, desfiles, hábitos de consumo e afins. Confere:

Alô Alô Bahia - Temos visto que os brasileiros têm cada vez mais se interessado por moda. Qual é, na sua opinião, a explicação a esse recente fascínio?

 Matheus Martins - A explicação do povo brasileiro por moda acredito que se dá pela descoberta do país pelo mundo. Empresas de fora que antes não viam o Brasil como mercado consumidor agora se voltam pro país como a nova fonte de ouro, com isso o consumidor que tem mais opções e tem mais poder de escolha; começa a “se educar” sobre o assunto e criar uma espécie de cultura de moda.

 Alô Alô Bahia - Você está considerando o mercado brasileiro de moda promissor, tanto para as marcas nacionais quanto para as internacionais?

 Matheus Martins - Acredito que sim, nosso mercado apesar de ser difícil por causa das taxas abusivas de importação, se mostra muito mais promissor que muitos outros. O motivo disso é que somos um mercado novo e sem vícios aos olhos de fora. As marcas tem a possibilidade de se reinventar e explorar estratégias novas no Brasil. Caso da Topshop que é uma marca de “Fast-Fashion” na Inglaterra, porém no Brasil chega como um produto de luxo acessível.

 Alô Alô Bahia – Acredita no Nordeste como um bom local para se investir em moda?

 Matheus Martins - O Nordeste é um local bom para se investir em moda, pois o consumidor desta região que tem dinheiro, ele compra. Apesar de não ter uma cultura de moda tão forte quanto em outras regiões, o consumidor nordestino é alguém que vai atrás do que julga bom, e não se importa em pagar mais por isso.

 Alô Alô Bahia - Como tem sido a expressividade e aceitação de marcas de estilistas baianos como, por exemplo, a LEFT, de Fernanda Rolim em São Paulo?

 Matheus Martins - A LEFT tem uma aceitação muito boa aqui em São Paulo. Personalidades como a Lalá Rudge e a sua irmã Maria Rudge, são grandes colaboradoras para divulgação e expressividade da marca.

 Alô Alô Bahia - Como enxerga a moda brasileira? De uma forma original, como uma simples adaptação das tendências internacionais ou como um meio termo?

 Matheus Martins - Acredito que a moda brasileira tem dois lados, o lado autoral e o lado "cópia", como em toda parte do mundo. Todas as marcas tem que vender então às vezes é mais fácil se apropriar de algo que já é certeza que vai ser um Hit, do que criar algo autoral que não se tem muita certeza de como vai ser a aceitação do público.

 Alô Alô Bahia - Qual marca ou estilista brasileiro você considera mais talentoso? E por quê?

 Matheus Martins - Gosto muito do trabalho das meninas da Amapô. Considero brasileiro, extremamente autoral e elas sabem muito bem como transferir a coleção de passarela para sua linha comercial sem ficar com cara de fantasia.

 Alô Alô Bahia - Qual é a sua opinião acerca das duas maiores semanas de moda brasileiras, a São Paulo Fashion Week e a Rio Fashion Week?

 Matheus Martins - Acredito que o Brasil deveria ter uma semana de moda apenas. Sendo que a de verão deveria ser apresentada no Rio, e a de inverno em São Paulo.

 Alô Alô Bahia – O que dizer da moda brasileira no exterior? Ela tem obtido uma boa repercussão?

 Matheus Martins - Acredito que a moda brasileira, não causa grande repercussão internacionalmente, porém algumas marcas se sobressaem como, por exemplo, a Carlos Miele que já é queridinha dos americanos com seus vestidos de festa ou a marca de sapatos Charlotte Olympia (de propriedade de Charlotte, filha de Andrea Dellal) que é um hit nos Red Carpets.

 Alô Alô Bahia - Quais as tendências mais fortes para este inverno? E quais as marcas brasileiras as expressaram melhor?

 Matheus Martins - Uma das maiores tendências nesse inverno acredito que será o uso de pele e a volta do militar/alfaiataria. Marcas como Ellus e Osklen ilustraram isso de forma divertida e inovadora.

 Alô Alô Bahia - Como as pessoas que moram em cidades litorâneas como salvador, que não tem um inverno expressivo, podem utilizar melhor as tendências desta estação?

Matheus Martins - Acredito que em uma cidade como salvador, que tem o clima bem quente, você pode usar essas referências em roupas com corte militar e de alfaiataria, porém em tecido mais leve, para ficar mais adequado e nada exagerado.

 Alô Alô Bahia - E, para finalizar, quais são as características essenciais para obter sucesso no ramo da moda no Brasil?

Matheus Martins - As características principais para conseguir sucesso na moda são foco, força de vontade e não ter medo de trabalho. Moda é algo divertido, prazeroso e glamuroso para o consumidor final, mas para nós que estamos no backstage da indústria, moda é puro suor e noites mal dormidas, mas também algo que recompensa extremamente.

  Por Juliana Almeida/ Foto: Divulgação.

NOTAS RECENTES