Exclusiva da Louis Vuitton, modelo baiana Samile Bermannelli fala sobre sua trajetória na moda

Gabriela Cruz é jornalista, ilustradora e escreve para o Alô Alô Bahia. 

Uma das modelos baianas mais bem-sucedidas de sua geração, Samile Bermannelli tem apenas 24 anos e um currículo poderoso. Há seis anos na profissão, se divide entre Nova York, onde mora, e as principais metrópoles do mundo, onde desfila e estrela campanhas.

Seu portfólio traz capas para as principais revistas de moda do mundo, como a Vogueamericana, francesa e japonesa, participação no Victoria's Secret Fashion Show e trabalhos para Louis Vuitton, Diesel, Balmain, Off White, Jacquemus, Miu Miu, Salvatore Ferragamo, Etro, Alberta Ferretti, Kenzo, Prabal Gurang, Elie Saab, Schiaparelli, Mugler, Marc Jacobs, Valentino, Lemaire, Emilio Pucci, Ralph Lauren, Tommy Hilfiger e Dolce & Gabbana, entre outras grifes poderosas.
ZCJQ3J.md.jpg
Sua conquista mais recente foi fechar o desfile da Louis Vuitton na mais recente temporada de moda em Paris. Samile também assinou um contrato de exclusividade e deve participar de outros projetos com a maison nos próximos meses. 

Em entrevista exclusiva ao portal Alô Alô Bahia, a modelo fala sobre o momento que está vivendo, diversidade na moda, sua relação com Salvador e planos para o futuro. Confira:
ZCJiEg.md.jpg 
Alô Alô Bahia: Quais as principais conquistas de sua carreira?
SB: O desfile da Victoria's Secret pra mim foi a primeira conquista. Antes de entrar na moda, eu era apaixonada, assistia aos desfiles pela internet, sonhava em desfilar para a marca um dia e, no primeiro ano que eu me mudei pra Nova York, após 6 meses, aconteceu. Foi incrível demais!
ZCJZYv.md.jpg
O segundo momento muito importante pra mim foi a campanha La Bomba para Jacquemus. Foi uma video campaign, gravada na Espanha, numa casa maravilhosa, com uma vista linda, teve dançarinos, eu até pude adicionar uns passos de dança no meu momento de câmera. O Simon [Porte Jacquemus, criador da marca] adorou, foi uma experiência maravilhosa.

E, por último, mas não menos importante, o desfile exclusivo para a Louis Vuitton: que presente, eu nunca imaginei ser exclusiva de uma marca um dia e, que dirá, fechar o desfile de uma maison gigante como essa.
ZCJ4Q1.md.jpg
AAB: Além do desfile, você vai fazer outros trabalhos com a maison. Quais?
SB: Quero continuar fazendo os shows e chamar muita campanha. A minha exclusividade dura alguns meses, então vamos ver o que vai rolar.
 
AAB: Qual o seu sentimento no que diz respeito a ser um exemplo para outras modelos em início de carreira?
SB: Eu fico feliz quando leio ou penso nisso. Espero que elas se sintam bem representadas comigo e com as próximas que virão. Quero que elas saibam que é possível acreditar e sonhar também.
ZCJs4a.md.jpg
AAB: Como foi para você fechar o desfile da Louis Vuitton, sendo exclusiva da marca na temporada?
SB: Fechar o desfile e ser exclusiva significa muito pra mim. Eu achava que isso era uma coisa tão distante pra mim e ter sido escolhida com meus locks foi lindo, estou feliz demais. Nós sabemos o quanto a sociedade tem preconceito com os locks. Então, pra mim, foi lindo demais ver isso acontecendo. ZC3rj2.md.jpg   
AAB: Sua trajetória sempre pareceu ser uma construção muito sólida e você sempre passou uma imagem de profissional muito séria. Quais os principais desafios que você teve e quais fatores fizeram a diferença nessa trajetória?
SB: Ser modelo nunca foi uma profissão fácil. Existem vários perrengues e não é só o glamour que todos imaginam!  Deixar minha cidade, mainha, minha família, morar sozinha em cidades tão grandes e, a princípio, sem falar inglês foram desafios que eu tive que enfrentar e que não foram fáceis. Um dos fatores que fizeram toda a diferença e que sempre me manteve de pé, sem nunca desistir, foi ter esse feeling, no fundo do coração, de que tudo daria certo. Ter persistência, força e amadurecimento pessoal também me ajudaram demais a manter o controle. Esse acreditar em mim e acreditar nos meus locks foram o que me motivaram a continuar. E está sendo especial demais ver tudo que o está acontecendo agora. É só mais uma confirmação pra mim de que antes de todo mundo, EU tenho que acreditar em mim primeiro, confiar nas minhas intuições e vambora!
ZC3Sp4.md.jpg
 
AAB: Como você lida com a saudade da família?
SB: É sempre difícil estar distante da família. É chato não ter o seu porto seguro por perto, eu sinto muita falta. Nos últimos anos, tenho priorizado estar com eles cada vez mais. Se sinto que preciso voltar pra casa e estar com os meus, eu não penso duas vezes, eu só vou! A vida de modelo é muito solitária, fico feliz que, ao longo dos anos, fui criando meu safe place com amigues maravilhosas e isso ajuda muito a não se sentir tão só.
 
AAB: Qual sua relação com Salvador? Com que frequência você vem à cidade e o que mais sente falta?
SB: Minha relação com Salvador é muito forte. Eu sou completamente apaixonada pela minha cidade. Ir pra Salvador é como me reconectar comigo, com a minha essência e as minhas raízes. Estar lá é lembrar de não me perder de mim, não esquecer de onde eu vim, e isso é muito importante pra mim. No início da minha carreira, eu ia muito pouco a Salvador por conta dos trabalhos, mas nos últimos anos eu tenho ido bastante, me faz um bem gigante e não tem lugar nenhum no mundo que me traga a paz, a felicidade e o axé que Salvador me traz. O que mais sinto falta, depois da família, é a comida, praia e os sambas de roda - como nós chamamos as rodas de samba em Salvador. Minha família ama um ‘partido’, praia, comer água, aquela coisa gostosa de Salvador.
 ZC3PC7.md.jpg
AAB: Temos visto cada vez mais diversidade na moda. Você percebe isso?
SB: Eu ainda não vejo tanta diversidade na moda não. Acho que ainda temos um trabalho gigante em relação a isso. O que eu vejo hoje em dia são marcas se aproveitando de causas para vender. Como, por exemplo, durante o mês LGBTQIA+: vc só vê as marcas se posicionando ou trabalhando com modelos que são LGBTQIA+ nessa época.
 ​
AAB: Existe alguma meta profissional ou pessoal que você quer alcançar?
SB: Minha meta profissional é me tornar atriz. Há 2 anos venho estudando e me preparando nos meus tempos livres. Tenho muita vontade de fazer cinema e mal posso esperar para me conectar mais ainda com o mundo do acting.
ZCJPCF.md.jpg
*Com produção de João Victor Moraes.
 
 

NOTAS RECENTES