Entrevistas


14 Out 2019

Alô Alô Bahia entrevista Simon Carrazzone, da Noha Shoes

Alô Alô Bahia entrevista Simon Carrazzone, da Noha Shoes O Alô Alô Bahia conversou com o empresário Simon Carrazzone, que comanda a Noha Shoes, marca de moda masculina que abriu há cerca de dois meses sua primeira loja na Bahia, localizada no Salvador Shopping. Nesta conversa, ele fala sobre o DNA da marca, o olhar para as tendências do mundo e antecipa as novidades do verão 2020. Vem ver!

Alô Alô Bahia – Nos conte um pouco sobre a origem da marca

Simon Carrazzone – A Noha Shoes nasceu há três anos em uma viagem despretensiosa que eu e meu sócio fizemos para a Itália, pois passamos a perceber que os homens italianos tinham uma preocupação muito grande com o visual, ao contrários do que víamos aqui, onde o homem tem dois pares de sapato e acaba não se preocupando tanto com a sua forma de se vestir. Dentro disso, os sapatos foram um item que nos chamou a atenção, pois lá cada um passava com um sapato de estilo, tendência e design diferentes. Foi então que enxergamos a oportunidade de trazer um pouco dessa moda italiana para o mercado nacional, falar abertamente sobre a moda masculina e trazer essa preocupação estética que, até então, os homens não tinham. Buscamos mostrar o quanto o visual pode ser importante e mudar a forma como os homens são vistos e como isso pode trazer benefícios para eles.

AAB – Quais são os diferenciais dos modelos da Noha Shoes?

SC – Pela Noha ter nascido com essa visão voltada para o design, a gente viaja uma vez por ano para a Europa buscando analisar tendências, comportamentos e novidades, além de pesquisarmos bastante sobre o que está acontecendo no mundo da moda. Costumamos dizer que o cliente da Noha está alinhado às principais tendências mundiais.  A partir daí, tornamos essa tendência um pouco mais comercial, deixando-a com a cara do Brasil. Nos preocupamos também em não trazer a tendência pela tendência, mas sim desenvolver um olhar crítico a partir do que observamos, criando a nossa própria visão sobre a moda masculina.

AAB – Como surgiu o interesse em investir no segmento de moda masculina?

SC – Com essa viagem a Itália que eu mencionei, percebemos que o homem estava mudando, passando a se preocupar um pouco mais com o visual, com a forma de se vestir, e o mercado de sapatos não estava acompanhando esse movimento. Enquanto consumidor, tínhamos muita dificuldade de comprar sapatos bacanas aqui na nossa cidade e no Brasil em geral, e acabávamos precisando comprar em outros lugares. Aqui, éramos clientes de marcas que tinham os sapatos apenas como complementos do portfólio, o que nos fez ver que existia espaço no mercado para esse tipo de segmento. Na verdade, sempre gostei muito de moda, apesar de não ser um estudioso da área em si, mas sempre tive uma preocupação estética legal e foi nessa área que eu me encontrei. Hoje, nossa marca é vista como uma referência nacional quando o assunto é moda masculina e temos a consultoria no nosso DNA, pois também nos preocupamos em dar dicas de moda aos nossos clientes visando a melhoria da imagem deles e, graças a Deus, temos tido uma boa aceitação.

AAB – Quais são as particularidades do público baiano?

SC – Antes de abrirmos a loja em Salvador, passamos uma semana viajando e frequentando shoppings, restaurantes e praças para observar o comportamento dos homens. Com isso, passamos a ver que Salvador é uma cidade muito cosmopolita, que tem todos os estilos, então vimos que é difícil achar uma característica que marcasse o estilo de uma maneira mais acentuada. Talvez seja um público mais casual e informal do que as outras praças nas quais estamos sediados, mas também encontramos homens mais vaidosos, que se preocupam com a forma de se vestir e estão alinhados com as últimas tendências. É uma praça onde sempre quisemos entrar e, pra nós, foi uma conquista muito especial ter entrado e sido bem aceitos no mercado de Salvador.

AAB – Quais são os planos de expansão da marca?

SC – Nascemos muito pequeninhos, na garagem dos meus pais, vendendo apenas para amigos e a expansão acabou sendo muito rápida. Com dois meses de funcionamento na garagem já passamos para uma lojinha de rua, ainda sem nenhum funcionário. Depois de seis meses abrimos uma unidade no principal shopping de Recife como convidados, onde a ideia inicial era que ficássemos um ano nesse projeto de loja temporária, e já acabamos sendo a loja de sapatos que mais vendeu nesse período, o que gerou uma boa repercussão na cidade. Foi ali que vimos que estávamos no caminho certo e, a partir do segundo mês dessa experiência, o shopping já nos convidou a firmar um contrato definitivo e abrir lojas em outras unidades deles. No primeiro ano fechamos com uma loja, no segundo fechamos com três lojas e, atualmente, vamos fechar com 12 lojas e expandindo para outras regiões além do Nordeste, como o Sudeste e Centro-Oeste. Em 2020 pretendemos fechar com 28 lojas e seguir com esse crescimento exponencial em busca do objetivo de, em cinco anos, ser a maior marca de sapatos masculinos do Brasil.

AAB – Quais são as principais apostas da marca para a temporada de verão 2020?

SC – Seguimos em uma corrente um pouco mais clássica, com sapatos mais elegantes, minimalistas, com menos costuras, no estilo mais clean. Estamos apostando bastante também nas cores e, nessa coleção, iremos incluir detalhes com tons mais marcantes, neons e vibrantes bem com a cara do verão, intercalando com cores mais sóbrias. Estamos preparando também uma linha de sandálias bem modernas e vamos vir cheios de novidades para a alta estação. Vamos lançar mais de 20 modelos em novembro com inspirações da última viagem que realizamos para a Europa.