30 Dez 2019

Alô Alô Bahia entrevista a jornalista Rafaela Fleur

Alô Alô Bahia entrevista a jornalista Rafaela Fleur A jornalista e influencer de lifestyle Rafaela Fleur está em Salvador para uma temporada de férias e trabalho depois de mudar para São Paulo há seis meses, onde alia os compromissos decorrentes de seu perfil no Instagram com a atividade de analista de marketing e moda no Rosset Group, maior grupo têxtil da América Latina. “Minha experiência com redes sociais e jornalismo foram fundamentais para essa nova função. Consigo unir meus conhecimentos de comunicadora com a paixão que sempre tive com a moda”, afirma. Confira a seguir a entrevista: 

Você está com 23 anos e tem o perfil no Instagram desde a adolescência. O que mudou de lá pra cá? 

Comecei como influencer há quase 7 anos. Cursava Artes e Cinema e e participava de um blog. Sempre gostei muito de foto e queria um espaço meu que eu pudesse postar as coisas que gostava. Antes me inspirava em outras pessoas e tentava ser alguém que não era. Hoje eu sei quem sou de verdade e consigo compartilhar o que realmente acredito. Construí minha identidade ao inves de fazer colagens. É isso trouxe retorno de pessoas que me acompanham há muitos anos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

fui no sesc hoje e o moço da cafeteria perguntou se eu me vestia assim mesmo normalmente, é mole??????

Uma publicação compartilhada por Rafaela Fleur (@rafaelafleur) em

Suas postagens são diferentes das outras influencers, voltadas para looks do dia. Por quê? 

Eu tento compartilhar no meu perfil as coisas que me inspiram e a forma que eu vejo o mundo. As cores, as roupas, as pessoas, o que me faz vibrar. Eu acho mais importante compartilhar isso do que minha cara. O que eu acho que deve ser mostrado são as referências que tenho.

Como foi sair de Salvador e viver um novo ciclo em São Paulo?

É um processo difícil sair de Salvador. Foi muito complicado. Nunca pensei em morar em outro lugar, mas precisava tomar essa decisão por questões profissionais. Passei um mês no Rio, mas também o mercado não estava bom. Então restou São Paulo. Lá as pessoas olham muito si mesmo e não o outro. E muita gente lá estranha quando você diz que está tudo bem. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

os olhos sangram

Uma publicação compartilhada por Rafaela Fleur (@rafaelafleur) em

Seu dia a dia morando sozinha é uma das pautas de suas postagens.  Como é compartilhar perrengues de uma vida adulta? 

Isso de morar sozinho é muito louco, porque eu fui criada com minha avó, menina mimada desde sempre. A casa de meu pai também sempre foi muito cheia de gente. E aí me mudei para morar em um studio, sem ninguém, sem nem um copo. Eu lembro que o cifão da pia estourou no meu primeiro dia lá. As pessoas tem muito essa ideia do Instagram que tudo ali é perfeito, mas na verdade é um processo duro, que eu estou engatinhando. Se for pra compartilhar alguma coisa, que a gente compartilhe coisas reais. 

Como é cobrir um evento como o Festival Virada Salvador para o perfil no Instagram do maior jornal do Norte e Nordeste, o Correio?

Terceiro ano fazendo essa cobertura me mostra o quanto trabalhar com Instagram sendo jornalista é mágico. E ter a possibilidade de fazer isso em Salvador é incrível. Vc ver um fã gravar uma mensagem para o artista e a gente mostrar a esse artista, que devolve esse carinho, como aconteceu na cobertura do show de Iza, por exemplo, mostra como eu amo ouvir essas histórias. Foco, trabalho e esforços para fazer o conteúdo trazem um resultado sensacional.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

hoje eu tô tipo GTA (foi outro dia a foto mas edai)

Uma publicação compartilhada por Rafaela Fleur (@rafaelafleur) em

Foto: Divulgação. Siga o insta @sitealoalobahia.