ACM Neto diz a aliados que só vai tratar de composição da chapa após oficialização da pré-candidatura em dezembro

Na hora certa
ACM Neto já estabeleceu uma data para tratar das alianças ao Governo do Estado. Só vai discutir o assunto com os partidos políticos depois de 02 de dezembro, após o lançamento da sua pré-candidatura ao Palácio de Ondina, no Centro de Convenções. Aos mais afoitos um alerta desta coluna: não adianta pressionar ou mandar recado pela imprensa. O ex-prefeito tem dito a interlocutores mais próximos que até dezembro vai manter-se discreto e paciente.
 
 
Medo de Moro
O presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula receberam com preocupação a notícia de que Sergio Moro deve mesmo se filiar ao Podemos até o final do ano. Moro tem se mantido em silêncio, mas segundo fontes da coluna, está disposto a colocar seu nome na corrida de 2022. Bolsonaro tem medo de perder o posto de antagonista do PT. Já Lula, sabe que o ex-juiz não tem as fragilidades do presidente.
 
 
Delação do fim do mundo
Um grupo muito influente de advogados conversou com a coluna e informou que há chance real de um ex-secretário da Segurança Pública fazer uma delação no âmbito da Operação Faroeste. Se de fato ocorrer, a delação atingiria segmentos nos meios empresarial, jurídico e político.
 
Falsa Via
O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, não tem escondido, em conversas com aliados, o desejo de apoiar o ex-presidente Lula na corrida presidencial. Mesmo assim, fez o movimento de convidar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, como se o senador fosse disputar o Palácio do Planalto no ano que vem. Kassab, inclusive, já disse a interlocutores que não acredita em terceira via. Para ele, é Lula ou Bolsonaro.
 
 
Cortina de Fumaça
No meio político, tem pairado uma dúvida com a possível ida de Pacheco para o PSD. Das duas, uma: ou o senador, de fato, acreditou que vai ser candidato ou ele faz parte dessa cortina de fumaça esquematizada por Kassab.
 
 
Vermelhos de raiva
A ala mais à esquerda aliada do PT da Bahia não anda nada satisfeita com medidas anunciadas pelo governador Rui Costa (PT) na área da segurança pública, para tentar conter a crise causada pelo aumento violência no estado. A principal crítica é pelo fato de Rui ter aumentado a gratificação para policiais, enquanto em outras áreas, principalmente a educação, não recebem benefícios parecidos por parte do governo do estado. Os professores, reclamam eles, seguem há anos sem aumento real nos salários, além das "péssimas condições de trabalho".
 
 
Cadê a gasolina?
Ainda na segurança pública, lideranças do interior do estado se queixam que, além de efetivo reduzido e falta de equipamentos, um outro problema cada vez mais recorrente é o "racionamento" de gasolina. Eles dizem que policiais enfrentam dificuldade para fazerem rondas por conta da falta de combustível para as viaturas. Alguns relatam que há uma "cota" para uso diário, o que inviabiliza a realização de operações.
 
 
Bico fechado
Na Assembleia Legislativa, tem chamado atenção o silêncio ensurdecedor de deputados de partidos da esquerda, principalmente PT e PCdoB, por mais uma vez o governador Rui Costa não apresentar reajuste salarial para os servidores do estado. Alguns desses parlamentares, inclusive, são ligados a sindicatos que representam funcionários públicos, mas resolveram se calar diante da situação. Oposicionistas dizem que os funcionários estaduais não têm aumento desde 2016.
 
 
Conveniência
O curioso é que alguns destes deputados criticam publicamente a proposta de reforma administrativa em debate no Congresso Nacional, que, para eles, tira direitos de servidores públicos. Mas, na Bahia, adotaram o silêncio diante da falta de reajuste para os funcionários do estado. Estamos de olho!
 
 
Pinto no lixo
Em contato com a coluna, deputados estaduais contaram que o presidente da ALBA, Adolfo Menezes (PSD), está igual a "pinto no lixo" com o cargo de governador interino que assumiu devido às viagens de Rui Costa e do vice João Leão (PP). Adolfo tem recebido dezenas de aliados na governadoria e tem procurado manter uma agenda ativa na rua. Os mais ácidos ainda brincaram: "está trabalhando mais como governador do que como presidente do Legislativo".
 
 
Imbróglio na vizinhança
A deputada estadual Olívia Santana (PCdoB) anda preocupada com a situação da Praça do Morro das Vivendas, no Rio Vermelho. Ela mora nas proximidades do local e teve uma audiência com o presidente da Desal, Virgílio Daltro, para tratar da recuperação da área, onde a prefeitura construiu, recentemente, um ‘cachorródromo’, que segundo fontes da coluna, foi amplamente aprovado por tutores de pets. Olívia garante que não. “Nada contra os direitos dos animais, mas o correto seria reformar a praça, que está bastante precária”, comentou ela na imprensa. Na boca miúda, tem gente dizendo que a reclamação teria relação com o fato de a melhoria ter vindo de outro político, que nem mora por ali: o vereador Daniel Alves, do PSDB. Intriga da oposição?
 
A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica
 
Foto: Reprodução/Redes sociais/ Valter Pontes.

NOTAS RECENTES