Teleférico panorâmico no Subúrbio de Salvador com vista para a Baía de Todos-os-Santos deve ficar pronto em 2028

Jornalista, editora de textos e colaboradora do Alô Alô Bahia. | Instagram: @itsnaiana

O teleférico panorâmico que será construído no Subúrbio Ferroviário de Salvador deve ficar pronto em 2028. A previsão é da presidente da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), Tânia Scofield, que deu detalhes do processo por trás do projeto e sobre o andamento dos estudos feitos na instituição em entrevista exclusiva ao Alô Alô Bahia nesta terça-feira (5).

Clique aqui e participe do canal do Alô Alô Bahia no WhatsApp

"O teleférico já está numa proposta de financiamento junto a um banco internacional. A questão do recurso está praticamente viabilizada pela Prefeitura. Porque falar de um equipamento como esse sem ter a garantia de recurso, vira apenas um sonho, né? Mas já está encaminhada a proposta para o financiamento para a implantação do equipamento. Acreditamos que no próximo ano já vamos ter esse contrato fechado. Já a previsão para conclusão total do teleférico é de 3 anos. O ano que vem será para a gente fechar o projeto e contrato de empréstimo. Em 2024, iniciamos as obras. Sendo otimista, creio que em 2028 a gente implanta ele", explicou Scofield.

A Fundação, que é responsável por elaborar o projeto do teleféric​o, recebeu em janeiro um estudo básico de viabilidade econômica, feito pela empresa colombiana IST Cables (confira abaixo), por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDS). Agora, a implantação do teleférico que deve ligar Praia Grande ao bairro de Campinas de Pirajá, num trajeto de 4,3 km​, depende apenas de projetos complementares. 

"A gente já está com os projetos das estações praticamente prontos. Estamos fazendo agora o cálculo estrutural das quatro estações. São 27 torres, que sustentam os cabos do teleférico. A gente também está contratando outro escritório, de São Paulo, especialista em cálculos estruturais do teleférico, que está fazendo cálculos dessas torres, porque é algo muito específico. E cada estação tem dois pilares de arranque, que também são cálculos muito específicos, porque é o que sustenta o cabo dos teleféricos quando ele para em cada estação. Então a gente está fechando esse contrato com esse escritório de São Paulo — que vai fazer o nosso projeto; e, por outro lado, a gente já tinha a pré-viabilidade financeira, e agora a gente contratou a viabilidade econômico-financeira. Acredito que até fevereiro do próximo ano a gente esteja com o projeto totalmente concluído", afirma.

teleferico3
Além dessa empresa de São Paulo e da empresa que ganhou a licitação, responsável pelos projetos das estações e do teleférico como um todo; a Fundação também contratou a assessoria de uma empresa austríaca para a parte de eletromecânica: "É um projeto complexo. A gente está trabalhando com uma consultoria em estrutura de torres de teleférico, uma consultoria de um escritório de arquitetura que tem já uma experiência, e com uma consultoria da empresa austríaca da parte da eletromecânica de teleférico".

teleferico8Viagem panorâmica
Mas, se tudo ocorrer como o planejado, todo esse processo vai valer a pena, Isso porque a viagem deve durar cerca de 8 minutos, com vista panorâmica da Baía de Todos-os-Santos. ​O projeto prevê quatro estações: uma no Alto da Terezinha; outra na Suburbana, em Praia Grande; uma terceira em Pirajá; e a última é a estação Campinas de Pirajá
, onde fica a mais nova estação do metrô, inaugurada em junho na região da Brasilgás. "O percurso tem 4,3 km da estação de Praia Grande, na Suburbana, até a estação do metrô de Campinas de Pirajá. A estação do teleférico ficará ao lado da estação do metrô. Inclusive, é um terreno de propriedade do município. A gente terá uma passarela de ligação da estação do teleférico para a estação do metrô", diz Tânia. 

A expectativa é que aproximadamente quatro mil pessoas utilizem o equipamento por dia, com a tarifa incluída no sistema de integração atual. Serão 27 torres de sustentação e 197 cabines, que deverão comportar 10 passageiros por bonde. "Além de ser um equipamento de transporte, ele terá uma visão belíssima da cidade e da Baía de Todos-os-Santos. Vai passar próximo ao Parque Metropolitano de Pirajá e proporcionará uma visão única da paisagem urbana", completa a presidente da FMLF.  

teleferico4
O objetivo da Prefeitura de Salvador é que o teleférico retire boa parte do fluxo de pessoas e veículos da BA-528, mas não anule a implantação de outros meios de transporte na região, como o Veículo Leve Sob Trilhos (VLT). "O teleférico é um equipamento que complementa um modal de média e alta capacidade. Ele não funciona por si só. É um transporte que complementa o metrô, o BRT, o ônibus…", pontua Tânia. 

Desta forma, o teleférico do Subúrbio levará as pessoas do Subúrbio para uma estação de metrô de forma mais rápida. "Hoje, para chegar nas duas centralidades de Salvador — o Centro tradicional ou o chamado Iguatemi — o morador do Subúrbio precisa descer a Suburbana ou contornar a BA-528 para chegar na BR-324. Demora cerca de 1h30, se for pela BA-528. Já pelo teleférico ele fará esse percurso em 8 minutos", afirma a representante da Fundação Mário Leal Ferreira. 

teleferico5
teleferico6
A ideia do modal surgiu há alguns anos, conta Tânia Scofield. Ela se inspirou em cidades da América do Sul, como La Paz, Cidade do México, Bogotá e Medelín, que possuem várias linhas de teleférico. "É importante que tenhamos como referência cidades aqui da América do Sul, porque a gente tem uma similaridade nas nossas condições urbanas e sociais. Percebemos já há algum tempo que aquela parte do Subúrbio 'pedia' um teleférico. E já tínhamos pensado em fazer um equipamento desse na cidade de Salvador pela sua topografia, relevo bem acidentado (...). Ano passado, o prefeito Bruno Reis nos autorizou a começar a fazer o projeto do teleférico. A primeira coisa que fizemos foi entrar no edital do BNDES para estudo de viabilidade econômico-financeira de equipamentos de transporte. Nós entramos e fomos selecionados. Era importante ter esse estudo para saber se naquela localização, o teleférico era viável em termos de demanda", explica. 

A demanda foi comprovada neste primeiro estudo. "Ainda não tenho os dados do Censo de 2022, mas numa projeção de 2010 a gente tem cerca de 300 mil habitantes no Subúrbio Ferroviário. Além dos moradores do bairro de Pirajá, que são cerca de 70 mil. Vamos atender uma região que precisa ter mais transporte de média e alta capacidade. O metrô é o melhor transporte de alta capacidade, só que não chega lá no outro lado do Subúrbio porque existe uma barreira natural, o Parque Metropolitano de Pirajá. Então não existe essa travessia direta para o Subúrbio, que hoje fazemos através da BA-528. Ou seja, você faz uma volta. O teleférico vai permitir essa ligação direta do metrô para o Subúrbio Ferroviário e para o bairro de Pirajá. Isso inclui o Subúrbio Ferroviário como um todo, considerando os bairros de Plataforma, Itacaranha, Alto da Terezinha, Ilha Amarela, Rio Sena, Periperi e Paripe", acredita. 

teleferico1
teleferico2

teleferico7

 Confira abaixo o estudo completo.


​Fotos: Divulgação/Fundação Mario Leal Ferreira.

Leia mais notícias na aba Notas. Acompanhe o Alô Alô Bahia no TikTok. Siga o Alô Alô Bahia no Google News e receba alertas de seus assuntos favoritos. Siga o Insta @sitealoalobahia, o Twitter @AloAlo_Bahia e o Threads @sitealoalobahia.
 

NOTAS RECENTES