Rita Batista indica restaurantes preferidos em Salvador e relembra encontro especial no Preta

Jornalista, editor e colunista no Jornal Correio. Escreve para o Alô Alô. Insta e Twitter: @galdea

A desenvoltura de Rita Batista na comunicação, seja diante das câmeras de televisão ou dos microfones de uma rádio, já é conhecida dos baianos há muitos anos. E o Brasil, distraído, até tardou em descobri-la, mas agora não cansa de admirá-la.
 
Atualmente iluminando com inteligência, carisma, potência e sorrisos as manhãs da Rede Globo, a jornalista, radialista e apresentadora soteropolitana se torna cada vez mais um patrimônio nacional, mas com o inconfundível tempero e temperatura da Bahia.
Rita-Batista-reporter-apresentadora-Globo-foto-Magali-Moraes-Divulgacao9
E é nesse ponto de ebulição – que pode ser medido a cada uma de suas entradas radiantes e animadas em programas como os de Ana Maria Braga e Fátima Bernardes – que ela topou, a pedido do Alô Alô Bahia, indicar os points mais quentes para forrar o estômago e descobrir as delícias da cidade.
Rita-Batista-reporter-apresentadora-Globo-foto-Magali-Moraes-Divulgacao6
Atualmente vivendo em São Paulo, ela abriu seu top 5 de restaurantes preferidos em Salvador revelando uma história surpreendente e divertida sobre o Restaurante Preta. Foi lá, em território insular, que aconteceu o primeiro encontro com o marido, Marcel Suzart, com quem tem Martim, de 3 anos e 11 meses. Mais que isso: quem fez o papel de cupido e pé quente foi a proprietária do estabelecimento, a chef Angeluci Figueiredo, a Preta, que viria a se tornar madrinha do casamento!
Rita-Batista-Globo-filho-Martim-marido-Marcel-Suzart-foto-Magali-Moraes-Divulgacao3
Confira essa história curiosa e as indicações comentadas da nossa convidada:
 
1. Preta (Ilha dos Frades)
“O Restaurante Preta é amor antigo, desde quando funcionava na Ilha de Maré, e agora na Ilha dos Frades. E foi lá o meu primeiro encontro mesmo com meu marido. Tanto que Preta é nossa madrinha de casamento. A gente tem uma história muito engraçada: ele (Marcel) acha até hoje que foi um golpe, mas não foi. A gente foi e ficou lá, comeu, e demorou etc. E quando a gente viu, a maré estava superbaixa e não tinha mais como voltar (pra parte continental).
 
 
Era um feriado de 12 de outubro, Dia das Crianças. Eu tinha que trabalhar de tarde – nessa época eu trabalha na Rádio Metrópole, então, podia ficar na manhã seguinte por lá. Mas ele tinha os compromissos dele, tinha acabado de conhecer ele, era a primeira ficada. E ele acha que foi um combinado que eu fiz com Preta, mas não foi! [Risos] No fim, a gente convidou ela para ser nossa madrinha. E essa história já tem 6 anos”.
 
2. Shanti (Rio Vermelho)
“O Shanti é um lugar de muito encontro. Desde de quando foi inaugurado, foi criado com aquela proposta de comer tranquilamente, vagarosamente, com várias porçõezinhas; a cada dia viajar pela gastronomia de um lugar do Oriente, isso me atraiu muito, e eu já vivi momentos bem felizes em todos os eventos do Shanti. No início da pandemia, logo quando começou o delivery, ter o Shanti em casa foi muito bom pra gente, por trazer um pouco desse aconchego, desse carinho em forma de comida”.
 
 
3. Poró (Santo Antônio Além do Carmo)
“O Poró fica ali no coração do Santo Antônio, um lugar que eu e minha família frequentamos bastante, desde sempre! A criatividade da cozinha do Poró me atrai muito, porque revela combinações e sabores que são inusitados, fora que tem entradas que me levam para a infância. Tem também um prato que sou louca, que são uns cubos de peixe com arroz, mas os cubos de peixe puxados no leite de coco, sabe? É muito da minha infância isso também. O Poró tem essa coisa de ser da memória afetiva, total”.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

(@pororestaurantebar)

 
4. Ori e Origem (Horto Florestal e Caminho das Árvores)
“Ori e Origem são experiências gastronômicas. O que Fabrício Lemos faz é mais do que cozinhar, é alquimia total. Então, eu gosto muito de tudo! Acho que já experimentei todos os pratos. Tudo que é servido, ele consegue sofisticar sem perder a origem. É encantador isso pra mim, gosto mesmo!”
 
 


5. Vini Figueira Gastronomia (Rio Vermelho)
“Vini Figueira, meu amigo querido, um chefe que também tem, na sua culinária, isso de buscar as nossas raízes. Então, ele tem uma sofisticação, ao mesmo tempo que ele traz o regional. Eu gosto muito daquela comida! Eu sempre digo a ele que não há carne do sol mais gostosa e mais macia do que a que ele faz. E tem um galeto com uma massinha que você diz ‘ah, é um prato supersimples’, mas é altamente sofisticado pelo debruçar de Vini nessa receita. Super bem temperado, equilibrado, gostoso, nutritivo e em uma porção que satisfaz”. 
 


Fotos: Magali Moraes/Divulgação. Siga a gente no Instagram @sitealoalobahia e no Twitter @aloalo_bahia.

NOTAS RECENTES