Presidente do Parque Social, Rosário Magalhães comanda campanha beneficente para apoiar trabalhadores informais

A ideia é ajudar trabalhadores informais em situação de vulnerabilidade. A proposta da campanha é arrecadar doações e distribuir R$250 para cada beneficiário. Inicialmente, terão prioridade aqueles que têm 60 anos ou mais e que atuavam nas praias de Salvador. 
 
As doações podem ser feitas através de depósitos nas contas bancárias da Paróquia de Nossa Senhora da Vitória e na da Paróquia de Santana. As doações devem ser feitas em cotas de R$ 50. Cada voluntário pode assumir quantas cotas couberem em seu orçamento. Depois, os valores serão repassados diretamente para as contas dos beneficiários.
 
O administrador apostólico da Arquidiocese de Salvador, dom Murilo Krieger, destacou que o projeto é uma expressão do sentimento de solidariedade da sociedade soteropolitana. Para ele, em momentos de necessidade como o atual, é possível enxergar a formação de dois grupos. O primeiro é aqueles que tentam tirar vantagem da situação, obtendo lucro. 
 
“O segundo grupo é formado por aqueles que buscam respostas criativas para ajudar os necessitados, pois sentem como suas a dor e as carências dos demais. Deixo o primeiro grupo de lado e concentro-me no segundo que, felizmente, é mais numeroso”, analisa dom Murilo.
 
Engajada na campanha como cidadã atenta às necessidades dos trabalhadores informais, a presidente de honra do Parque Social, Rosário Magalhães, destaca que a situação exige uma atenção de todos. 
 
“Em um momento como esse temos que unir esforços e sermos solidários com os menos favorecidos. Ao longo desses anos tenho tido a oportunidade de compreender a realidade desses trabalhadores que são quase 42% da população ativa de Salvador. Sei da dificuldade que eles enfrentam no dia a dia. Temos feito um trabalho relevante com o Parque Social para esse segmento. Mas, diante dessa pandemia é urgente que busquemos ajudá-los. Muitos trabalhadores informais que atuavam nas praias precisam de ajuda para garantir um sustento mínimo imediato", destaca Rosário.
 
Para o padre Luís Simões, pároco da Igreja de Nossa Senhora da Vitória, essa mobilização deve trazer mais atenção para a campanha. É evidente que temos a intenção de despertar a solidariedade nos amigos e nas pessoas que podem trabalhar juntas”, diz o padre Luís. “As necessidades se alastram como um vírus. Todo mundo está desesperado para se manter”, completa. 
 
O padre Abel Pinheiro, pároco de Nossa Santana e da Catedral Basílica, faz uma relação com os últimos trechos do Evangelho de Mateus, na Bíblia. “Eu estava com fome e me deste de comer”, diz o capítulo 25, citado por ele. 
 
“Essa campanha em prol dos mais necessitados é uma maneira de externarmos nossa caridade, nossa generosidade, nossa ação cristã em prol dos pequeninos. Nós somos os braços, as mãos de Jesus, o coração de Jesus para amar e fazer uma coisa concreta”, pontua Padre Abel.
 
Saiba como participar:
 

Banco do Brasil
Paróquia de Nossa Senhora da Vitória
Assinam: Luís Moreira Simões de Oliveira e Emília Maria Sales Navarro de Brito 
Agência 3459-2
Cc 29147-1
CNPJ 13.940.325/0001-04
 
Banco Bradesco
Paróquia de Santana 
Assinam: José Abel Carvalho Pinheiro e Roberto Fernandes Dias
Conta: 54.185-0
Agência: 3266-2
Titular: Paróquia de Santana
Foto: Alô Alô Bahia. Siga o insta @sitealoalobahia.

NOTAS RECENTES