27 Aug 2020

Martagão Gesteira receberá R$ 1 milhão para serviço de transplante de fígado infantil

Martagão Gesteira receberá R$ 1 milhão para serviço de transplante de fígado infantil O Hospital Martagão Gesteira, no bairro do Tororó, em Salvador, receberá R$ 1 milhão para auxiliar na implantação do primeiro serviço de transplante de fígado da Bahia, o que irá qualificar ainda mais o atendimento na unidade que é referência em atendimento pediátrico.

Também especializado em tratamentos de alta complexidade na Bahia e maior unidade exclusivamente pediátrica do Norte e Nordeste, o Martagão será contemplado com o recurso proveniente de uma emenda sob indicação do deputado federal João Roma (Republicanos). Na segunda-feira (24), o parlamentar participou de uma reunião por videoconferência com equipe técnica da entidade que está discutindo a implantação do serviço.

O processo já teve a sua primeira etapa concluída, com a habilitação no Ministério da Saúde. O segundo passo é o início do ambulatório pré-transplante, que será no dia 24 de setembro. Por fim, a terceira etapa será o primeiro transplante, cujo prazo estipulado para ocorrer é entre dezembro deste ano e janeiro de 2021.

O diretor-presidente da Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil, mantenedora do Martagão Gesteira, Carlos Emanuel Melo, afirma que, atualmente, há 125 crianças sendo acompanhadas. Parte delas já fez e outra parte aguarda o procedimento. 

Ele lembrou que, recentemente, com uma mudança na legislação, foi possível que emendas parlamentares fossem destinadas para ações de custeio nas entidades de saúde, o que viabilizou que os recursos destinados por Roma fossem para o serviço.

No total, cada transplante custará em torno de R$ 230 mil, valor que engloba gastos com centro cirúrgico, materiais e medicamentos, além de honorários da equipe cirúrgica. Contudo, a remuneração do SUS para o serviço é de R$ 85 mil, o que representa déficit para o hospital de R$ 145 mil por transplante realizado. 

A emenda de Roma será utilizada, em parte, para cobrir este déficit e permitir que as primeiras cirurgias sejam realizadas.

A expectativa é que quatro transplantes ocorram no primeiro ano. Com isso, em torno de R$ 620 mil da emenda do deputado serão aplicados como financiamento complementar das operações. Os R$ 380 mil restantes serão utilizados para investimentos no serviço.

“Parabenizo a toda a equipe pela dedicação, planejamento e profissionalismo que tem demonstrado, especialmente aos profissionais que têm se dedicado a absorver essa tecnologia, que fará sem dúvida um grande diferencial aqui. A ação pioneira vem eliminar as dificuldades que muitas famílias tinham que assumir para que suas crianças realizassem o atendimento em outros estados, como São Paulo e Rio Grande do Sul”, disse Roma.

Hoje, os transplantes pediátricos se concentram praticamente em São Paulo, principalmente no Hospital Sírio Libanês. O objetivo do Martagão é importar a tecnologia e capacitar os profissionais para a realização do serviço na Bahia. ( via CORREIO).

Foto: arquivo CORREIO. Siga o insta @sitealoalobahia.