22 Jan 2021

Manifestantes pregam 220 cruzes no Farol da Barra em homenagem aos mortos de covid no Brasil

Manifestantes pregam 220 cruzes no Farol da Barra em homenagem aos mortos de covid no Brasil Um grupo de aproximadamente 60 pessoas ligadas a movimentos populares e sindicais baianos realizou um ato no Farol da Barra durante a tarde dessa sexta-feira (22). Posicionando-se contra o que classificou como descaso do Governo Federal em relação à saúde pública e enfrentamento à pandemia, os participantes cravaram  220 cruzes de madeira no gramado em frente a um dos mais conhecidos pontos turísticos soteropolitanos. 
 
Cada cruz representou mil vidas perdidas para a covid-19, totalizando o número de 220 mil pessoas mortas por conta do novo coronavírus no Brasil desde o início da pandemia. Participaram da organização do evento entidades como o Comitê Popular Salvador de Luta, Comitê Popular da Lapa, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Apub e o Sindsefaz, entre outros.
 
Um dos organizadores da manifestação, o psicólogo e educador Walter Takamoto afirmou que o movimento entende que o Governo Federal faz uma gestão trágica na pandemia e que alguns exemplos para essa afirmação estão no fato de não ser incentivado o uso de máscaras e respeito ao distanciamento social desde o início da crise e, agora, com a incapacidade de investir na compra de vacinas e insumos para uma vacinação massiva no país.
 
"A outra questão que apresentamos e que é fundamental nesse momento de agravamento da chamada segunda onda, quando o Brasil tem mais de mil mortes diárias nos últimos 7 dias, é que se precisa buscar, a partir das experiências que vemos em outros países, adotar medidas rígidas para impedir a disseminação do vírus", disse Takamoto.
 
Essas medidas mais rígidas basicamente consistem em dois fatores: retorno do auxílio emergencial e Lockdown (restrição rígida à circulação de pessoas). Takemoto entende que não é possível fazer uma coisa sem fazer a outra, "para manter a população em casa, com comida no prato, segurança e podendo assim diminuir esses números. Estão morrendo mil pessoas diariamente em nosso país", reforçou.( via CORREIO).
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 


Foto: @cidad.eeducadora. Siga o insta @sitealoalobahia.