9 May 2021

Dia das Mães: criadora do SOS Baby, Rose Santos se reinventa durante pandemia ao ajudar gestantes e recém-nascidos

Gabriela Cruz

Gabriela Cruz é jornalista, ilustradora e escreve para o Alô Alô Bahia. 

Dia das Mães: criadora do SOS Baby, Rose Santos se reinventa durante pandemia ao ajudar gestantes e recém-nascidos
Descobrir a vocação e fazer dela um negócio com propósito é o sonho de muita gente. E foi justamente isso que a doula e técnica em enfermagem Rose Santos conseguiu realizar. Criadora do SOS Baby, ela presta um dos serviços mais bonitos e fundamentais na vida de toda mulher que se torna mãe. Suas clientes recebem orientações para os primeiros cuidados com o recém-nascido, ajuda para organizar e estabelecer a rotina do sono e consultoria em amamentação, tudo isso com carinho de quem ama o ofício e presteza de quem se especializou na profissão.

“Trabalhei por cinco anos no Sagrada Família, no Hospital Evangélico e em um lar de idosos. Quando eu fiz o curso [de Técnico em Enfermagem], meu foco eram as gestantes, esse sempre foi meu desejo e objetivo. Foi a matéria que mais me dediquei, por naturalmente já atendia mulheres, as orientava, mas não existia uma formação específica ainda. Eu tenho quatro filhas, a maternidade e os cuidados com bebês, para mim, sempre foi algo maravilhoso e gostoso de fazer”, conta Rose, que é tão apaixonada pelo que faz, que sempre ajudou às mães da comunidade onde mora quando algum neném nascia.

Em 2018, quando deixou o emprego no Sagrada Família, Rose viu a oportunidade de fazer algo que gostava, mas que a permitisse estar mais com sua família. “Nessa trajetória, estando em dois empregos, pude perceber como era significativa minha ausência pela falta de mais qualidade tempo. Fiquei buscando o que fazer, mas já ardia no meu coração essa vontade de trabalhar com mulheres”, relata.

Por seu histórico, Rose já era procurada como doula, mas não tinha a formação técnica ainda, mesmo entendendo bastante e tendo cursos na área de amamentação. “Num congresso cristão, eu que sou muito fervorosa, fiquei perguntando a Deus qual caminho deveria seguir na vida. Pedindo para fazer algo que tivesse paixão, que gostasse de fazer. Foi quando comecei a escrever o projeto, conversei com minha família, planejei e organizei a empresa. Estava decidida a cuidar de mulheres em período de gestação. As que precisassem de forma voluntária, assim seria. E, as que pudessem pagar, nos organizamos com um contrato, tudo direitinho e comecei a divulgar o trabalho”.

Logo veio o primeiro contato: acompanhar uma mãe e o bebê por trinta dias. “Ela era mãe de primeira viagem, estava distante da família no interior, e realmente precisava de alguém que pudesse dar uma assistência e orientação naqueles primeiros dias de vida do neném. Foi maravilhoso”, relembra a doula. Logo surgiram outros contratos até que veio o auge da pandemia. “Com a necessidade de isolamento, precisamos interromper os serviços. Os clientes estavam com receio, nós estávamos com medo e todo mundo muito preocupado com a disseminação da doença, ainda mais para mãe e bebê. Fiquei muito preocupada, mas não paramos”.

Da dificuldade veio a força para Rose criar um serviço digital de atendimento que começou em 2020 com um perfil no Instagram, o @SOSBaby_13. O número é uma referência ao dia de nascimento dela e da netinha, Elisa, de dois anos. As duas fazem aniversário juntas. “O SOS Baby ainda é pequenininho, mas concentra todo nosso carinho e conhecimento. Foi aí que começaram a surgir as demandas virtuais de mães inexperientes buscando informações e apoio, mesmo que não fosse presencial. Eu tive a ideia de criar o grupo no WhatsApp e colocamos o link no Instagram. Hoje já temos um coletivo de mais de 60 mães. É uma troca bem livre da experiência de cada uma”, explica a empresária.

A partir das trocas espontâneas, Rose começou a desenvolver uma consultoria digital. “Não é um trabalho fácil, mas a gente vai se reinventando e formatando esse novo modelo de negócio. Recebemos mensagens do país inteiro, de mães de outros estados e oferecemos orientação para bebês que estão sofrendo com insônia, sobre amamentação, temos inclusive um curso via Zoom com quatro aulas e instruções de como diminuir as dores, comuns entre as mulheres nesse momento. A pandemia veio pra gente se reinventar. Quero muito fazer dar certo, porque isso é o que amo fazer”, revela a especialista.

O SOS Baby também tem um lado social, de atendimento voluntário à mulheres desassistidas, muitas viúvas. “Nós promovemos um enxoval solidário, usamos as redes sociais para pedir itens em bom estado, que remontamos e distribuirmos entre essas mães. Já ajudamos mulheres de Camaçari, Simões Filho e muitas comunidades de Salvador que não têm condições de arcar com a estrutura básica. Essa é nossa motivação: o cuidado com a mulher”.

Com tanto amor e desprendimento, parece ser fácil para Rose ser mãe. “Eu desejei ter seis filhos e tive quatro filhas. E é incrível! Os desafios da maternidade me fortalecem como mulher. Eu amo cuidar da criança, chorar junto, errar junto. Porque mãe também erra, e muito. Mas, sempre com o sentimento de estar tentando acertar, de fazer o melhor para o seu filho, pelo bem dele. Ser mãe é a reafirmação do amor de Deus aqui na terra. É um dom de Deus sentir a dor do outro, cuidar de alguém, de carregar no ventre esse tempo o ser maravilhoso e o receber nos braços. A gente prepara os filhos para o mundo, os abençoa e entrega”.
 
Fotos: Elias Dantas/Alô Alô Bahia. Siga o insta @sitealoalobahia.

NOTAS RECENTES