Criadores de conteúdo negros ganham menos que os demais, aponta levantamento

redacao@aloalobahia.com

Nos dois últimos anos, a economia criativa exibiu crescimento expressivo no que diz respeito aos investimentos e projeções para os próximos anos. Mesmo sendo considerada uma economia nova, ela apresenta problemas do passado. Um deles é a disparidade de pagamento entre criadores por gênero e grupo étnico.

Segundo o Jornal Correio, os dados levantados pela pesquisa “Creators & Negócios 2022”, realizada em uma parceria da YOUPIX com a Brunch, mostrou que 11,1% dos creators brancos afirmaram ter uma renda acima de 20 mil reais, enquanto apenas 6,2% dos creators não-brancos possuem uma renda acima desse número.

Cerca de 60,5% dos criadores que responderam a pesquisa não consideram o mercado de marketing de influência inclusivo. Ela também indicou que ainda há pouca inclusão étnica em alguns segmentos, principalmente em nichos mais técnicos.

Em comparação com a pesquisa realizada no ano passado, houve uma queda no percentual de creators que se auto identificaram como pretos, que em 2021, eram 27,3%, em 2022 são 16,9%. É importante citar que o número de criadores autodeclarados pardos foi de 13,7% e essa opção não estava presente na edição anterior da pesquisa. Dado que comprova que essa comunidade foi segmentada entre pretos e pardos.

Para a sócia e head de planejamento da YOUPIX Rafa Lotto, a pesquisa “Creators & Negócios 2022” demonstrou que houve um recorte a respeito da distribuição étnica, que é mais parecida com a proporcionalidade brasileira, além de mostrar que a economia criativa é mais democrática que o mercado de trabalho formal ou que o empreendedorismo das startups paulistanas.

Em 2020, a YOUPIX se uniu ao time com a Black Influence, Site Mundo Negro, Squid e Sharpum para realizar a primeira pesquisa do Brasil a fazer um retrato do mercado preto de influência. Na oportunidade, os creators pretos e pardos contaram que são mais contratados para falar sobre temas que abrangem racionalidade, principalmente com a chegada de efemérides como o “Dia da Consciência Negra”, o que, além de limitar seu conteúdo, pode trazer gatilhos e abre velhas feridas. As informações são do Jornal Correio.

Foto: Divulgação. Também estamos no Instagram (@sitealoalobahia), Twitter (@Aloalo_Bahia) e Google Notícias.

NOTAS RECENTES