Copa do Mundo: moradores investem para colorir ruas em Salvador

Com informações do Jornal CORREIO

via Marcos Felipe Soares para Jornal CORREIO. 

O Brasil começa, nesta quinta-feira (24), sua trajetória rumo ao hexacampeonato mundial de futebol. Mas, se depender das torcidas de rua em Salvador, o título já é nosso. Mesmo fora das quatro linhas e bem longe do Catar, moradores das ruas Herbert de Castro, no bairro do Bom Juá, e Souza Uzel, na Federação, vêm se mostrando, a cada Copa, verdadeiros craques quando os assuntos são decoração e festa. 

No Bom Juá, a tradição já é bem antiga e começou em 1993, apenas com o Arraiá do Duro, uma festa que, como o próprio nome sugere, visava compensar a falta de poder aquisitivo, por parte de alguns moradores, para viajar ou ir a eventos maiores durante o São João. O samba, então, se manteve todo ano, mas, há cerca de 12, passou a ser realizado só a cada edição de Copa do Mundo, que costuma acontecer no mesmo período. 

“Logo no início, a gente não fazia só Copa. A gente fazia, todo ano, um samba junino. Aí, depois, por conta de trabalho e de muita gente estar viajando, a gente passou a fazer de Copa em Copa”, lembra a diretora do Arraiá, a comerciante Núbia Brito, de 40 anos, que participa dos festejos desde a infância. 
H3nDCjn.md.jpg
Este ano, apesar da mudança no calendário, a tradição se mostrou firme, e a comissão aproveitou a ocasião para lançar a campanha ‘Natal sem Fome’, por meio da qual serão arrecadados alimentos a cada ‘arrastão’ pós-jogo. “No feijão 15 dias após [o último arrastão], que a gente faz pra comissão, a gente vai montar as cestas e doar pra moradores da comunidade menos favorecidos”, explica Núbia. 

Para a decoração da Rua Herbert de Castro, que começou a ser feita no início do mês, foram usados 20 quilos de bandeirolas. A diretora do Arraiá do Duro não sabe estimar o valor investido, mas há todo um planejamento para não deixar que faltem recursos. “A gente fez, no Dia dos Pais, um bingo e, depois, uma rifa grande, que foi o que ajudou a gente bastante com essa questão, de material”, diz ela. 

E é assim que a folia acontece: cada um ajuda como pode. O aposentado Gilson Cardoso, 62, por exemplo, bancou, sozinho, aproximadamente R$ 2,6 mil para a pintura de paredes na rua, que contam até com iluminação de LED. “Como eu gosto da animação natalina, eu disse: ‘Vou fazer a bandeira do Brasil, junto com o presépio natalino e o escudo do Bahia e o do Vitória’”, afirma Gilson, com satisfação. 

Doações

Já na Federação, a cultura de decorar a Rua Souza Uzel, mais conhecida como Rua 13, ganhou força a partir do mundial de 2006. O trabalho é coletivo, mas, como um bom capitão, o eletricista e músico Ronaldo Rangel, o Naldinho, 50, chamou a responsa pra si. Para isso, teve como inspiração seu pai, Pedro Cigano, que costumava levar vida à rua durante o São João. “A comunidade tá sempre junta. Não só em época de Copa, mas pra tudo a gente tá unido. [...] Se precisar de ajuda pra bater uma laje, a gente tá colado”, relata Naldinho. 

Os moradores receberam doações de galões de tinta, mas precisaram arrecadar dinheiro e fazer rifas para conseguir os quase R$ 5 mil necessários à compra do material, que incluiu mais de 50 quilos de bandeirolas. Fruto de um trabalho de seis meses, do início ao fim, os 400 metros de colorido, que mal permitem ver o céu, chamam a atenção por cada detalhe: além do Brasil, homenageiam o país-sede, o Catar, e o ‘camisa 13’ da comunidade, Leandro Passos, o Léo, que se recupera de um acidente. 
H3nm1dQ.md.jpg
"Tomou um tamanho que a gente jamais imaginou. [...] Ontem [anteontem], teve aqui dois turistas, um deles do Japão, pra poder tirar foto, e teve ensaios [fotográficos] de duas lojas”, conta, surpreso, um dos administradores do perfil no Instagram @rua13nacopa, o autônomo Vitor Costa, 28. “É isso aí que é o mais importante: independentemente do resultado da seleção, deixar a rua bonita e mostrar que, na nossa comunidade, também tem paz, alegria e muito verde e amarelo”, destaca o motorista por aplicativo Sérgio de Oliveira, 36. 

Confira postagem no Instagram: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 




Leia mais notícias na aba Notas. 

Fotos: Arisson Marinho/CORREIO. Siga o insta @sitealoalobahia
 

NOTAS RECENTES