25 Apr 2014

Amilton Macedo apresenta as novidades em tratamentos apresentados no congresso americano em Denver

Amilton Macedo apresenta as novidades em tratamentos apresentados no congresso americano em Denver

Você quer saber sobre quais são as novidades em tratamentos para manter a pele mais bonita? No mês de março o médico dermatologista, Dr. Amilton Macedo (CRM/SP – 80686), com prática em oxidologia, participou do 72º Congresso Internacional de Dermatologia, realizado em Denver, no Colorado (EUA) e recentemente contou todas as inovações no Programa Você Bonita, exibido na TV Gazeta.

Esse é o congresso mais importante do ano e foi promovido pela Academia Norte-Americana de Dermatologia. O evento reuniu profissionais de vários países e contou com a participação de palestrantes renomados internacionalmente, trazendo temas inovadores.

Durante a participação no programa o Dr. Amilton Macedo falou que no evento foram apresentados estudos retrospectivos sobre o acido retinoico. São pesquisas de 20 anos com pacientes de caso controle mostrando sobre a importância do acido agir no DNA da célula, já que ele promove uma restauração da mesma fazendo com que a pele fique rejuvenescida.

De acordo com o dermatologista, o que se discute atualmente é que nem todos podem usar o ácido nas concentrações ideias para não ser acometido por uma dermatite de contato por ácido. Por este motivo, já existem ácidos com uma potencia na qual é possível ter varias concentrações. Contudo, o retinoico continua sendo um dos principais ativos no controle do DNA. “Quando você restaura esse DNA, faz com que a célula nasça mais jovem e a pele fica mais rejuvenescida”, explicou Amilton no programa.

Macedo também esclareceu a diferença entre a toxina botulínica – que é aplicada na musculatura da face para diminuir os movimentos de expressão - e o ácido retinoico - que é utilizado sobre a pele para fechar os poros e renovar as células, fazendo com que as superficiais tenham uma tração mais rápida, sendo usado, principalmente, em clareamento da pele.

Interrogado pela apresentadora Carol Minhoto se o acido hialurônico é igual ao retinoico, Amilton esclareceu que o primeiro atua na hidratação da cútis. “Quando você aplica o ácido dentro da pele, ele aumenta a hidratação daquela região, e, com isso, preenche o local onde você tem um suco. Normalmente, ele dura em torno de um ano, mas pode variar de acordo com a região na qual está sendo tratada, pois ele é biodegradável e o organismo absorve”, afirmou.

A respeito do melasma, o que foi discutido é a respeito das técnicas combinadas. Como se trata de uma doença crônica, não existe tratamento para curá-lo definitivamente, no entanto, é preciso uma avaliação clínica para identificar qual o melhor tratamento para amenizar o grau. Aliás, a avaliação do melasma é feita por meio do Visia Black, um aparelho que é considerado pelos americanos como um tomógrafo da pele.

No consultório do Dr. Amilton Macedo já existe o Visia Black. Nesse aparelho, o paciente coloca o rosto para que seja tirado um conjunto de fotos a fim de identificar o grau do melasma. “A partir do diagnóstico você consegue fazer um tratamento adequado. O tratamento continua sendo os tópicos, também temos o laser spectra que melhora a pigmentação da pele e agora temos os despigmentantes por via oral manipulados”, contou o especialista.

O oli-ola é a substância mais moderna para tomar com o objetivo de clarear a pele, junto com a vitamina C. “Para tratar melasma é preciso a associação do tratamento oral, cremes para passar na pele, o uso de filtro solar que devem ser aplicadas três vezes ao dia e, dependendo do caso, a aplicação do laser. As mulheres sofrem mais com melasmas do que os homens. E embora não exista cura, o cuidado diário ajuda a controlar”, indicou.

Já sobre os lasers ablativos e não ablativos, o que se discutiu no Congresso foi sobre a necessidade de procedimentos minimamente invasivos, nos quais o paciente volte rapidamente ao trabalho, de preferência no mesmo dia, que são os lasers fracionados não ablativos. Diferente dos fracionados ablativos que causam edema, vermelhidão e demoram a recuperar a pele. “Quando você faz mais sessões de lasers não ablativos ele produz efeito o mesmo efeito do ablativo, mas sem ter a necessidade de ficar sete dias em casa”, disse Macedo.

Esses lasers não ablativos já existem no Brasil e a clínica do Dr. Amilton Macedo já possui a novidade que é o Etherea 1340, no qual o paciente faz o procedimento e no mesmo dia já retoma suas atividades normalmente. “A diferença é que com um laser ablativo você faria entre duas ou três sessões, já o não ablativo você realiza em torno de cinco a seis sessões. Porém, os resultados são maravilhosos”, descreveu.

Outro ponto abordado foi sobre a associação de técnicas: lasers mais a radiofrequência. A radiofrequência, de acordo com o dermatologista, atua no colágeno profundo da pele, provocando uma retração. Já os lasers fazem coagulação de proteína fazendo uma contração da pele. “É preciso discutir com o paciente sobre o que ele precisa fazer e o que ele pode em termos financeiros. Atualmente os dermocosméticos já possuem tecnologia da nanotecnologia então você garante uma permeação melhor da pele”, garantiu.

Segundo o Dr. Amilton Macedo, o que estão fazendo atualmente é a associação dos cosméticos passados na pele, os ingeridos via oral - que são os nutracêuticos como o extrato de caviar que é rico em proteína e ajuda a restaurar o colágeno e os tratamentos com lasers. “É importante que a paciente tenha em mente que não existe um procedimento único para melhorar a sua pele e sim a associação de técnicas”, finaliza o dermatologista.

SOBRE O MÉDICO

Dr. Amilton Macedo (CRM/SP – 80686), médico dermatologista com prática em oxidologia.

www.amiltonmacedo.com.br

Foto: Reprodução.