Grande Prêmio do Cinema Brasileiro muda de nome e anuncia finalistas de 2024; confira

Grande Prêmio do Cinema Brasileiro muda de nome e anuncia finalistas de 2024; confira

Redação Alô Alô Bahia

redacao@aloalobahia.com

Luana Veiga

Desiree do Valle

Publicado em 05/07/2024 às 12:36 / Leia em 8 minutos

Em homenagem a um dos grandes ícones das artes cinematográficas do país, o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro passa a se chamar Prêmio Grande Otelo. De acordo com informações divulgadas pela Academia Brasileira de Cinema nesta sexta-feira (5), “Mussum, o filmis” e “O sequestro do voo 375” são os grandes destaques da competição neste ano, sendo finalistas em 12 das 30 categorias. Ao todo, estão na disputa mais de 200 profissionais, 39 longas-metragens brasileiros e 5 longas ibero-americanos, 15 curtas brasileiros e 16 séries. A cerimônia que irá consagrar os grandes campeões será realizada em 28 de agosto, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro.

Chegamos à 23ª edição do Prêmio do Cinema Brasileiro, agora rebatizado de Prêmio Grande Otelo, com um recorde de obras inscritas. Uma alegria ver a potência do nosso audiovisual num ano em que homenagearemos o Cinema Novo, movimento essencial para entendermos que somos protagonistas das histórias que só a gente pode contar”, afirma a produtora Renata Almeida Magalhães, presidente da Academia Brasileira de Cinema.

 

Confira os finalistas:

 

Melhor longa-metragem ficção

MUSSUM, O FILMIS;

NOITES ALIENÍGENAS;

NOSSO SONHO – A HISTÓRIA DE CLAUDINHO E BUCHECHA;

O SEQUESTRO DO VOO 375;

PEDÁGIO.

 

Melhor longa-metragem comédia

DESAPEGA!;

MINHA IRMÃ E EU; 

OS FAROFEIROS 2;

PÉROLA;

SAUDOSA MALOCA;

TRÊS TIGRES TRISTES.

 

Melhor longa-metragem documentário

ANDANÇA – OS ENCONTROS E AS MEMÓRIAS DE BETH CARVALHO; 

BELCHIOR – APENAS UM CORAÇÃO SELVAGEM;

ELIS & TOM, SÓ TINHA DE SER COM VOCÊ;

NADA SERÁ COMO ANTES – A MÚSICA DO CLUBE DA ESQUINA;

RETRATOS FANTASMAS.

 

Melhor longa-metragem animação

A ILHA DOS ILUS;

BIZARROS PEIXES DAS FOSSAS ABISSAIS;

CHEF JACK, O COZINHEIRO AVENTUREIRO;

PERLIMPS;

UMA NOITE ANTES DO NATAL.

 

Melhor longa-metragem infantil

AS AVENTURAS DE POLIANA – O FILME;

DOIS É DEMAIS EM ORLANDO;

TURMA DA MÔNICA JOVEM – REFLEXO DO MEDO;

UMA CARTA PARA O PAPAI NOEL;

UMA FADA VEIO ME VISITAR.

 

Melhor direção

ANITA ROCHA DA SILVEIRA por Medusa;

CAROLINA MARKOWICZ por Pedágio;

KLEBER MENDONÇA FILHO por Retratos Fantasmas;

MARCUS BALDINI por O Sequestro do Voo 375;

TOMÁS PORTELLA por Aumenta que é Rock’n’ Roll.

 

Melhor primeira direção de longa-metragem

ANA PETTA e HELENA PETTA por Quando Falta o Ar;

LILLAH HALLA por Levante;

NARA NORMANDE e TIÃO por Sem Coração;

NATÁLIA DIAS e CAMILO CAVALCANTI por Belchior – Apenas um Coração Selvagem;

SILVIO GUINDANE por Mussum, o Filmis.

 

Melhor atriz de longa-metragem

BÁRBARA PAZ como Isis por A Porta ao Lado;

DÉBORA FALABELLA como Ana por Bem-Vinda, Violeta;

DRICA MORAES como Pérola por Pérola;

MAEVE JINKINGS como Suellen por Pedágio;

VERA HOLTZ como Virgínia por Tia Virgínia.

 

Melhor ator de longa-metragem

AILTON GRAÇA como Mussum por Mussum, o Filmis;

CHICO DIAZ como Alê por Noites Alienígenas;

JOHNNY MASSARO como Luiz Antônio Mello por Aumenta que é Rock’n’ Roll;

JUAN PAIVA como Buchecha por Nosso Sonho – A História de Claudinho e Buchecha;

PAULO MIKLOS como Adoniran Barbosa por Saudosa Maloca.

 

Melhor atriz coadjuvante de longa-metragem

ALICE CARVALHO como Lili por Angela;

ALINE MARTA MAIA como Telma por Pedágio;

ARLETE SALLES como Vanda por Tia Virgínia;

CACAU PROTÁSIO como Malvina (fase 1) por Mussum, o Filmis;

GRACE PASSÔ como Sol por Levante.

 

Melhor ator coadjuvante de longa-metragem

ANTÔNIO PITANGA como Tavares por Tia Virgínia;

GABRIEL LEONE como Armando por O Rio do Desejo;

GEORGE SAUMA como Samuca por Aumenta que é Rock’n’ Roll;

GERO CAMILO como Mato Grosso por Saudosa Maloca;

JORGE PAZ como Nonato por O Sequestro do Voo 375;

YURI MARÇAL como Carlinhos Jovem por Mussum, o Filmis.

 

Melhor direção de fotografia

ADRIAN TEIJIDO, ABC, por O Rio do Desejo;

EVGENIA ALEXANDROVA por Sem Coração;

GUSTAVO HADBA, ABC, por Bem-Vinda, Violeta;

KIKA CUNHA, ABC, por Pérola;

NONATO ESTRELA, ABC, por Mussum, o Filmis;

RHEBLING JUNIOR por O Sequestro do Voo 375.

 

Melhor roteiro original

ADIRLEY QUEIRÓS e JOANA PIMENTA por Mato Seco em Chamas;

ANITA ROCHA DA SILVEIRA por Medusa;

CAROLINA MARKOWICZ por Pedágio;

DANIEL BANDEIRA por Propriedade;

FABIO MEIRA por Tia Virgínia.

 

Melhor roteiro adaptado

ADRIANO FALCÃO, MARCELO SABACK e JÔ ABDU – Adaptado da peça teatral “Pérola”, de Mauro Rasi – por Pérola;

CAMILO CAVALCANTI, RODOLFO MINARI e SÉRGIO DE CARVALHO – adaptado do livro “Noites Alienígenas”, de Sérgio de Carvalho – por Noites Alienígenas;

LUSA SILVESTRE e MIKAEL DE ALBUQUERQUE – Adaptado do documentário “Sequestro do Voo 375”, de Constâncio Viana – por O Sequestro do Voo 375;

PAULO CURSINO – adaptado do livro “Mussum, uma história de humor e samba”, de Juliano Barreto – por Mussum, o Filmis;

SERGIO MACHADO, GEORGE WALKER TORRES, MARIA CAMARGO e MILTON HATOUM – adaptado da obra “O Adeus do Comandante”, de Milton Hatoum – por O Rio do Desejo.

 

Melhor direção de arte

ADRIAN COOPER por O Rio do Desejo;

ANA MARA ABREU por Tia Virgínia;

CLÁUDIO AMARAL PEIXOTO por Aumenta que é Rock’n’Roll;

KAREN ARAUJO por Nosso Sonho – A História de Claudinho e Buchecha;

RAFAEL RONCONI por O Sequestro do Voo 375.

 

Melhor figurino

ALEX BROLLO por Nosso Sonho – A História de Claudinho e Buchecha;

ANA AVELAR e JOANNA RIBAS por Aumenta que é Rock’n’Roll;

BIA SALGADO por Pérola;

CASSIO BRASIL por Mussum, o Filmis;

LETÍCIA BARBIERI por O Sequestro do Voo 375.

 

Melhor maquiagem

IRANDÊ COSTA por Aumenta que é Rock’n’Roll;

MARCOS FREIRE por Tia Virgínia;

MARI PIN e MARTÍN MACÍAS TRUJILLO por Mussum, o Filmis;

SIMONE BATATA por O Sequestro do Voo 375;

ZÉ LUCAS por Noites Alienígenas.

 

Melhor efeito visual

JOSÉ FRANCISCO NETO, ABC, por Mussum, o Filmis;

MARCELO CUNHA e JOAQUIM MORENO por O Sequestro do Voo 375;

MARCELO SIQUEIRA, ABC e ALEXANDRE CRUZ, V.E.S, por Turma da Mônica Jovem – Reflexos do Medo;

MARCELO SIQUEIRA, ABC, por Aumenta que é Rock’n’Roll;

MARCELO SIQUEIRA, ABC, por Mamonas Assassinas, O Filme.

 

Melhor montagem

ANDRÉ SAMPAIO por Noites Alienígenas;

ANDRÉ SIMÕES por Mussum, o Filmis;

EDUARDO ALBERGARIA e WALDIR XAVIER por Nosso Sonho, a História de Claudinho e Buchecha;

JOÃO WAINER por Elis & Tom, só Tinha de Ser com Você;

KAREN AKERMAN e VIRGÍNIA FLORES por Tia Virgínia;

LUCAS GONZAGA e GUSTAVO VASCONCELOS por O Sequestro do Voo 375.

 

Melhor som

ANDRÉ BELLENTANI, FILIPE DERADO e TOCO CERQUEIRA por Pedágio;

BERNARDO UZEDA, EVANDRO LIMA, ABC e GUSTAVO LOUREIRO por Medusa;

EVANDRO LIMA, ABC, ACÁCIA LIMA, TOMÁS ALEM, GUSTAVO LOUREIRO e RODRIGO NORONHA por Mussum, o Filmis;

SÉRGIO SCLIAR, MIRIAM BIDERMAN, ABC e RICARDO REIS, ABC, por O Sequestro do Voo 375;

VALÉRIA FERRO, RENATO CALAÇA, SIMONE PETRILLO e PAULO GAMA por Aumenta que é Rock’n’Roll.

 

Melhor trilha sonora

BERNARDO GEBARA por Noites Alienígenas;

BERNARDO UZEDA e ANITA ROCHA DA SILVEIRA por Medusa;

BETO VILLARES por O Rio do Desejo. DADO VILLA-LOBOS por Aumenta que é Rock’n’Roll;

PLÍNIO PROFETA por Nosso Sonho – A História de Claudinho e Buchecha;

PLÍNIO PROFETA por O Sequestro do Voo 375.

 

Melhor longa-metragem ibero-americano

AL OTRO LADO DE LA NIEBLA (Equador);

EL OTRO HIJO (Colômbia, Argentina e França);

SOCIEDAD DE LA NIEVE (Espanha, Uruguai, Argentina e Chile);

LOS COLONOS (Chile, Argentina, Reino Unido, Taiwan e EUA);

PUAN (Argentina, Brasil, Italia, França e Alemanha).

 

Melhor série brasileira ficção, de produção independente, para TV aberta, TV paga ou streaming

A VIDA PELA FRENTE;

BETINHO – NO FIO DA NAVALHA;

CANGAÇO NOVO;

DOM;

FIM.

 

Melhor série brasileira de documentário, de produção independente, para TV aberta, TV paga ou streaming

DIRETORES DE ARTE;

LÍNGUAS DA NOSSA LÍNGUA;

MASSACRE NA ESCOLA – A TRAGÉDIA DAS MENINAS DE REALENGO;

O CASO ESCOLA BASE;

VIAJANDO COM OS GIL.

 

Série brasileira de animação, de produção independente, para TV aberta, TV paga ou streaming

ESQUADRÃO DO MAR AZUL;

O HOTEL SILVESTRE DE ANA FLOR;

TRONIK;

ZOOPEDIA.

 

Melhor atriz série de ficção para TV aberta, TV paga ou streaming

ALESSANDRA NEGRINI como Inês por Cidade Invisível;

ALICE CARVALHO como Dinorah por Cangaço Novo;

BIANCA COMPARATO como Carmem por João Sem Deus – A Queda de Abadiânia;

MARJORIE ESTIANO como Ruth por Fim;

THAINA DUARTE como Dilvania por Cangaço Novo.

 

Melhor ator série de ficção para TV aberta, TV paga ou streaming

ALLAN SOUZA LIMA como Ubaldo por Cangaço Novo;

BRUNO MAZZEO como Silvio por Fim;

FÁBIO ASSUNÇÃO como Ciro por Fim;

GABRIEL LEONE como Pedro por Dom;

JULIO ANDRADE como Betinho por Betinho – No Fio da Navalha;

MARCO NANINI como João de Deus por João Sem Deus – A Queda de Abadiânia.

 

Melhor curta-metragem ficção

A MENINA E O MAR;

OS ANIMAIS MAIS FOFOS E ENGRAÇADOS DO MUNDO;

QUINZE QUASE DEZESSEIS;

SE PRECISAR DE ALGO;

YÃMÎ YAH-PÁ | FIM DA NOITE.

 

Melhor curta-metragem documentário

AS MARIAS;

CAMA VAZIA;

EU, NEGRA;

MACALÉIA;

THUË PIHI KUUWI – UMA MULHER PENSANDO.

 

Melhor curta-metragem animação

ERA UMA NOITE DE SÃO JOÃO;

JUSSARA;

LAPSO;

MULHER VESTIDA DE SOL;

QUINTAL.

Alô Alô Bahia no seu WhatsApp! Inscreva-se

Compartilhe