Pesquisadora baiana desembarca nos EUA para participar de evento da ONU sobre desenvolvimento sustentável

Pesquisadora baiana desembarca nos EUA para participar de evento da ONU sobre desenvolvimento sustentável

Redação Alô Alô Bahia

redacao@aloalobahia.com

Redação

Divulgação

Publicado em 08/07/2024 às 19:41 / Leia em 2 minutos

A jornalista e pesquisadora baiana Lourivânia Soares viajou nesta terça-feira (9) para participar  de uma mesa no Fórum de Alto Nível Político (HLPF) da Organização das Nações Unidas (ONU), criado para a avaliar e revisar a Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Este ano, o evento prepara as bases para a Cúpula do Futuro, que ocorre em setembro e visa criar um novo consenso internacional para lidar com os desafios contemporâneos, envolvendo educação, pobreza e também o meio ambiente.

A participação de representantes do semiárido brasileiro, especialmente das mulheres, será uma grande oportunidade para compartilhar pautas e buscar soluções, além de contribuir para a agenda global. “Estou lisonjeada por ser uma das escolhidas para falar um pouco sobre a situação climática no Brasil. É uma honra fazer parte disso”, celebrou Soares.

O debate vai apresentar uma visão geral da perspectiva da sociedade civil sobre a Agenda 2030, abordando as problemáticas sobre o tema.
Natural de Pintadas, Lourivânia Soares conviveu com a seca onde viveu. “Era um sofrimento resignado e uma vida de muita simplicidade. Nesta época, eu achava que o sertão era assim mesmo, não tinha ainda uma visão crítica”, conta a pesquisadora.

Ao decorrer dos anos, a educadora se tornou ativista de Direitos Humanos. Em 2023, foi selecionada pelo Centro Global de Adaptação (GCA) e pela Rede de Conhecimento sobre Clima e Desenvolvimento (CDKN) – siglas em inglês – para fazer parte da segunda edição da publicação Histórias de Resiliência e Adaptação, lançada durante a Cop 28, em Dubai.

Professora da Universidade Federal do Sul da Bahia e doutora em Cultura e Sociedade, Lourivânia faz parte da Rede Pintadas, que criou o movimento Plataforma Mulheres de Base Praticantes de Resiliência do Brasil. Agora, em parceria com a coalização internacional Huairou Commission, o projeto tem o objetivo de capacitar líderes femininas para enfrentar desigualdades de gênero e responder aos impactos climáticos, promovendo resiliência, desenvolvimento sustentável, justiça social e econômica.

Alô Alô Bahia no seu WhatsApp! Inscreva-se

Compartilhe