Catadores de Salvador devem ganhar R$ 90 mil com nove toneladas de materiais recolhidos no São João

Catadores de Salvador devem ganhar R$ 90 mil com nove toneladas de materiais recolhidos no São João

Redação Alô Alô Bahia

redacao@aloalobahia.com

Correio*

Divulgação

Publicado em 25/06/2024 às 21:20 / Leia em 3 minutos

Um pouco mais de nove toneladas de latinhas de alumínio, plásticos, vidro e papelão foram recolhidas nas vilas juninas de Paripe, Pelourinho e Parque de Exposições desde a última sexta-feira (21).

Cerca de R$ 90 mil reais poderão chegar aos bolsos dos trabalhadores autônomos que atuaram nos três circuitos do São João da capital baiana.

A renda extra é fruto do Projeto Arraiá Sustentável e Solidário que movimentará até o dia 03 de julho mais R$ 800 mil na economia baiana. São cerca de 560 famílias beneficiadas com o programa de incentivo aos catadores.

A iniciativa coordenada por 12 cooperativas de catadores e catadoras de materiais recicláveis de Salvador e pela Organização não governamental (Ong) Cama ocorreu até esta segunda-feira (24) no Parque de Exposições, Pelourinho e Paripe – ponto de coleta que foi novidade deste ano. A ação será retomada nesta sexta-feira (28) nas comemorações ao São Pedro.

O projeto também ocorre durante o 2 de Julho no Parque de Exposições. Até o Dia da Independência do Brasil na Bahia, 560 catadores e catadoras de materiais recicláveis, entre autônomos e cooperativados, serão beneficiados. A expectativa é retirar do meio ambiente cerca de 12 toneladas de materiais recicláveis.

O Projeto

O Arraiá Sustentável e Solidário é uma iniciativa que tem como objetivo auxiliar profissionais da reciclagem durante os dias de festejos de São João, na capital baiana. Para auxiliar esses trabalhadores, três Vilas Juninas dos Catadores (as) de Materiais Recicláveis foram montadas no Parque de Exposições, no Pelourinho (Largo da Tieta) e pela primeira vez em Paripe, na Rua da Estação.

Nesses espaços, aos serem cadastrados os catadores recebem uma mochila contendo uma calça, uma blusa, um par de luvas, um par de botas e uma capa de chuva. Nas Vilas, os trabalhadores também podem comercializar todo o material coletado. O quilo da latinha de alumínio está sendo vendido a R$6,00, o da garrafa PET, a R$1,00, e do plástico, a R$0,50. Cada catador que conseguir alcançar a meta de 15 quilos de plástico e PET vai recebe uma bonificação de R$30,00, além do valor do quilo do material recolhido.

Além dos catadores e catadoras, um grupo de costureiras, que integram o Costura Solidária Sustentável, também estão sendo beneficiadas pelo projeto. Foram elas as responsáveis por produzir as mochilas feitas com banners de lona vinílica que seriam jogados no lixo.

As cooperativas são Coocreja, Cooperbari, Cooperguary, Caec, Canore, Camapet, Crun, Cooperes, Canarecicla, Cooperbrava, Cooperlix, Coleta Cidadã e a ONG CAMA, que integram o Fórum Estadual Lixo e Cidadania da Bahia. A ação conta com o apoio do Governo do Estado da Bahia através da Secretaria do Meio Ambiente (Sema), Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Sedur) e Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre); do Ministério Público do Trabalho, Secretaria Municipal de Sustentabilidade e Resiliência (Secis), Limpurb, Voluntárias Sociais da Bahia e Ministério Público da Bahia (MPBA).

A cobertura dos festejos juninos do Alô Alô Bahia conta com apoio do São João da Bahia 2024. O maior do mundo é o nosso. Governo do Estado.

Alô Alô Bahia no seu WhatsApp! Inscreva-se

Compartilhe