Na boca do fogão: Érick Jacquin diferencia relação do Brasil e França com a gastronomia: ‘não sentimos essa alegria’

Na boca do fogão: Érick Jacquin diferencia relação do Brasil e França com a gastronomia: ‘não sentimos essa alegria’

Redação Alô Alô Bahia

redacao@aloalobahia.com

José Mion

Thamilou Photography

Publicado em 08/07/2024 às 08:25 / Leia em 1 minutos

O francês Érick Jacquin foi o entrevistado desta segunda-feira (8) da coluna Direto da Fonte, d’O Estado de São Paulo. Ao jornal, o chef falou sobre a relação com o Brasil, onde vive há 30 anos.

“Eu amo o Brasil, mas nasci na França. Minha cultura vem de lá e é difícil esquecer minha adolescência, minha educação, minha formação… Mas, hoje, acho que sou mais brasileiro. Outro dia, em Paris, entrei em um táxi e o taxista falou pra mim: ‘Você fala muito bem francês, onde aprendeu?’ Nessa hora, percebi que estava mais brasileiro”, contou um dos jurados do Masterchef Brasil.

Sobre como enxerga a relação do brasileiro, em comparação com o francês, com a gastronomia, ele foi direto: “O brasileiro vai ao restaurante para se divertir, comemorar ou conhecer o lugar. O francês vai mais para criticar, para dizer a verdade, se é bom ou se é ruim. Não sentimos essa alegria”, sentenciou.

Alô Alô Bahia no seu WhatsApp! Inscreva-se

Compartilhe