Notas


02 Fev 2015

Exclusivo! IPHAN vai iniciar os estudos para registro da festa de Yemanjá como Patrimônio Nacional

Exclusivo! IPHAN vai iniciar os estudos para  registro da festa de Yemanjá como Patrimônio Nacional Quem conhece Carlos Amorim, superintendente do IPHAN na Bahia, sabe como ele é evoluído. E sabe como ele, a cada dia, cumpre em ato, gestos e palavras a dura missão de preservar o patrimônio. Nesta segunda-feira (02), durante os festejos de Yemanjá, no Rio Vermelho, batemos um longo papo com CA.
 
“ A festa de Yemanjá é uma das mais importantes do calendário de festejos da Bahia, que se inicia lá em dezembro com a festa de Santa Bárbara. Ela tem uma particularidade, porque ela não está vinculada ao calendário de festejos da igreja Católica. É uma data fixa. Yemanjá não está obrigatoriamente sincretizada com nenhuma comemoração religiosa vinculada aos ritos da igreja Católica nessa comemoração de 2 de Fevereiro. Então, é a única festa do ciclo de festejos da Bahia que está diretamente vinculada a religião do Candomblé. Isso faz com que ela tenha uma matriz étnica muito forte e sobretudo com que ela tenha um vinculo muito explicito com as religiões afro-brasileiras”.
 
“Tão importante quanto esse aspecto religioso é o vinculo que a festa conseguiu manter com a sociedade baiana, mesmo a sociedade se modernizando, se atualizando e se tornando cada vez mais laica. A festa ganhou uma característica popular muito forte, transcendeu a homenagem que os pescadores do Rio Vermelho faziam a divindade protetora de seu sucesso em conseguir os pecados, transformando-se num festejo que a Bahia, Salvador especificamente, abraçou. É muito importante destacar que se mantém na festa de Yemanjá uma tradição de que as comemorações têm um caráter fortemente popular”.
 
“Em razão disso, sendo depois dos festejos da Lavagem do Bonfim, o evento religioso de maior destaque na sociedade, porque o presente de Yemanjá tem um caráter religioso muito forte, o IPHAN vai iniciar nesse ano de 2015 os estudos para o registro da festa de Yemanjá como Patrimônio Nacional vinculado as religiões afro-brasileiras”.
 
Foto: Reprodução.