Entrevistas


21 Ago 2019

Alô Alô Bahia entrevista a escritora baiana Telma Brites

Alô Alô Bahia entrevista a escritora baiana Telma Brites Baiana radicada na Europa, a escritora Telma Brites lança ao público a sua mais nova obra, inspirada na mitologia grega, “Gaia – O Templo Esquecido”. Morando na Alemanha há 17 anos, Telma está em Salvador nesta semana, onde promoverá amanhã (22), na Livraria Leitura do Shopping Bela Vista, uma sessão de autógrafos. Em conversa com o Alô Alô Bahia, ela conta mais detalhes sobre o seu novo trabalho e da sua experiência internacional. Vem saber!


Alô Alô Bahia: O que te motivou a ser escritora?

Telma Brites: Os livros fizeram parte da minha vida desde criança. Sob a influência da minha mãe, pedagoga, e do meu irmão mais velho, que não largava livros, desenvolvi hábitos de ter sempre um livro perto e sonhar com ele. Andar por caminhos imaginários cheios de romance, aventura e mistério. Cresci tendo o sonho de um dia passar as fantasias que dominavam, constantemente, a minha mente para o papel. Comecei um livro aos 13-14 anos, que foi perdido com o tempo e os deslocamentos. Na França, a inspiração me levou para o mundo da poesia e só na Alemanha consegui ter a coragem de realizar o antigo sonho que foi o de escrever um livro. Assim nasceu o volume 1 ‘Gaia – A Roda da Vida’.

 
Alô Alô Bahia: Quais são os principais aprendizados profissionais que a experiência na Europa te trouxe?

Telma Brites: Na França, fui inicialmente autodidata na arte de ensinar português. Ao longo do tempo, fui me formando e trabalhando como professora nos colégios até o momento de me sentir motivada e segura para passar o CAPES - Certificat d’Aptitude au Professorat de l’Enseignement du Segund degré, diploma de ritualização, para lecionar língua portuguesa até o segundo grau. A França me ajudou a confiar mais em mim e no meu potencial, a descobrir capacidades que até então eu desconhecia. E na Alemanha não foi o contrário. Como nas escolas não se ensina o português, comecei a fazer o que sempre gostei e já fazia como amadora, aqui no Brasil. A arte de representar. Fiz teatro em português e em alemão, mesmo que a língua alemã não fosse o meu ponto forte. Interpretei pequenos papeis em curtos filmes para estudantes universitários e na televisão. Com a cara e a coragem e o coração em prantos, enfrentei os meus medos e decidi conquistar meu espaço em uma cultura diferente. Então, na procura de me reencontrar enquanto ser, mulher, mãe eu aprendi recomeçar e reaprender o que já conhecia e o novo também.

 
Alô Alô Bahia: Como surgiu o interesse em trabalhar com a mitologia grega?

Telma Brites: Gosto muito de mitologia. Sempre acompanhei os livros e os filmes com temas mitológicos e fantasia com os meus filhos, desde o mais velho, hoje com 28 anos, até a minha caçula, 16 anos. Lia livros com este tema, ficava impressionada como a mitologia está tão incrustrada “disfarçadamente” na nossa sociedade, por exemplo, a palavra cronológica vem do deus Cronos; pânico vem do deus Pan e assim por diante. Este mundo sempre me fascinou. Então, pesquisei para aprender mais do que eu sabia e poder escrever os livros ‘Gaia – A Roda da Vida’ e ‘Gaia – O Templo esquecido’, que têm como pano de fundo a mitologia grega.
 

Alô Alô Bahia: Quais são as expectativas com a sua nova obra “Gaia – O Templo Esquecido”? O que o público pode esperar dessa história?

Telma Brites: ‘Gaia – O  Templo Esquecido’ é o seguimento de ‘Gaia - A roda da vida’. O primeiro é o confronto da personagem principal em aceitar os desígnios que o universo colocou nas suas mãos, por via de uma profecia onde ela vai crescer e amadurecer, enfrentar os seus medos e anseios, encontrar o amor. O segundo 'Gaia o Templo Esquecido' é a procura de si mesma, é o encontro com a separação, com a solidão para a partir daí aprender a se desprender da carga do passado e das expectativas do futuro, e viver somente o aqui e agora. Assim, o segundo livro da trilogia esclarece o leitor, fechando os vários pontos deixados abertos e levando-o a refletir sobre nossa real natureza.
 

Alô Alô Bahia: A inspiração para a sua nova obra surgiu quando você estava de férias em Creta, na Grécia. Comente um pouco mais sobre essa viagem.

Telma Brites: Creta é uma ilha maravilhosa e a morada de Zeus enquanto criança. Então, a energia dessa terra flora por todos os lados. Foi assim que, terminada as férias, parei para meditar em agradecimento aos maravilhosos momentos passados lá. Faltavam algumas horas para o ônibus nos levar ao aeroporto e, então, vi o que já tinha visto e nunca enxergado, um monte rochoso alongado que naquele momento me pareceu um gigante adormecido com as mãos cruzadas no peito. Ficava ao lado da pequena montanha onde estava o hotel. E foi aí que o gigante adormecido em mim acordou transbordando minha imaginação e me trazendo a história da minha Gaia, que na Original é a própria terra, a mãe terra da mitologia.

 
Alô Alô Bahia: Quais são as suas principais fontes de inspiração para escrever? Como funciona o seu processo criativo?

Telma Brites: Eu escrevo a partir da minha própria vivência e das experiência do cotidiano, o que vejo, o que como, os lugares que ando, por ex. a cidade de Colônia, Sechtem, cidades alemãs que já morei ou moro. As partes “realidades” do livro são autênticas, nada é imaginado. ‘Gaia - A Roda da Vida’ e ‘Gaia - O Templo Esquecido' só conseguia escrever nos Cafés de Colônia e Bonn (cidades alemãs). O murmurinho de vozes misturado com a música de fundo, me faz entrar em um casulo onde só existe eu com meu coração e minha mente e o computador. Já o volume 3, ‘Gaia - A Cidade da Luz’, que já está na fase de revisão e será lançado antes do Natal, eu só consegui escrever em casa pois necessitou de muita pesquisa.