Vitrine


14 Mar 2014

Bate-papo com Flávia Sampaio, uma das banqueteiras mais exclusivas de Salvador

Bate-papo com Flávia Sampaio, uma das banqueteiras mais exclusivas de Salvador

Uma festa para decolar precisa criatividade, inovação e soluções originais. E esses diferenciais a banqueteira Flávia Sampaio possui de sobra.  Ela cria cardápios exclusivos para cada cliente, pincelando toques contemporâneos e sofisticados, com receitas minimalistas. O resultado é de dar água na boca. Aqui, Flávia revela um pouco do seu trabalho. Confere:

Alô Alô Bahia – Como começou a sua paixão por cozinhar?

Flávia Sampaio – Desde criança, quando minha avó cozinhava na fazenda. Adorava observar e ficar com ela. Se ela fazia bolo, eu fazia o meu também, e colocava casca de ovo. Adorava também fazer uma salada de milho, ervilha e maionese. Obrigava todos a comerem, pois achava que estava fazendo o melhor prato do mundo!!!

Alô Alô Bahia – Qual foi a primeira festa que lhe impulsionou profissionalmente?

Flávia Sampaio - O aniversário de David Bastos. O apartamento estava cheio e eu produzia com a cozinha aberta, tinha gente que passava e beliscava da panela mesmo. Era interação total da festa com a cozinha.

Alô Alô Bahia – Quem melhor sabe receber na Bahia?

Flávia Sampaio – Essa é fácil. De um modo geral, o baiano sabe receber muito bem! David Bastos é um exemplo: suas festas sempre têm um astral maravilhoso. Flávia Abubakir também é atenta a todos os detalhes e suas recepções são sempre as mais animadas. Já Andrea Goldenstein tem uma simplicidade chic em receber... Fiz um jantar na residência dela que ficou na minha memória e, acredito, na dos poucos convidados que estavam presentes. A lista é grande...

Alô Alô Bahia – É preciso estudar para ser um bom cozinheiro?

Flávia Sampaio – Acho que só estudar não é o bastante. Acredito que muitos dos bons cozinheiros já nascem com um certo dom, que vão aprimorando ao longo do percurso. Já vi muitos estudantes de gastronomia que podem passar a vida na sala de aula, mas não serão grandes cozinheiros.

Alô Alô Bahia – No quesito decoração, com quem gosta de trabalhar?

Flávia Sampaio – Gosto de trabalhar com quem é competente!!! Hoje temos diversos decoradores que trabalham muito bem, com cada um no seu estilo. Ferreira Júnior, Sonja e Núbia e Felipe Silver se destacam e trabalho bem com eles. Por Sonja e Nubia tenho um carinho especial, pois acompanho a carreira delas desde o começo quando eu nem trabalhava na área e elas já faziam as festas da minha família. Foram com elas os primeiros eventos que fiz quando voltei para Salvador.

Alô Alô Bahia – Você cobra caro?

Flávia Sampaio – Depende do ponto de vista. Para aquelas pessoas que apreciam e valorizam uma boa gastronomia, acho que cobro o correto. Mas, talvez, para aquelas pessoas que não valorizem uma gastronomia diferenciada meu trabalho será considerado caro.

Alô Alô Bahia – Quando não está trabalhando, gosta de preparar jantar em sua casa?

Flávia Sampaio – Por incrível que pareça, quando chego em casa prefiro a comidinha caseira do dia a dia. Acho que a última coisa que quero é comer a minha comida. Mas, posso dizer que muitas vezes utilizo meus amigos e familiares como cobaia nos testes de novos pratos!!!

Alô Alô Bahia – Qual o maior erro dos banqueteiros baianos?

Flávia Sampaio – Hoje vejo que o mercado baiano está crescendo neste quesito e fico contente, pois prova que a gastronomia de uma forma geral está sendo valorizada. Mas, ainda vejo muitas combinações sem fundamento, ingredientes que não combinam sendo misturados e muitos ingredientes em um único prato. Entretanto, isso não acontece só aqui. A primeira lição que aprendi na escola foi “ Menos será sempre mais”.

Alô Alô Bahia – Quem de São Paulo lhe inspira?

Flávia Sampaio – Não poderia dizer outra pessoa que não Alex Atala. Ele foi responsável por mais da metade que sei hoje. Ter passado pela cozinha dele foi a melhor e mais enriquecedora experiência.

Alô Alô Bahia – Qual seu prato mais concorrido?

Flávia Sampaio – O que mais gosto é a Bavaroise de Foie Gras, mas ele não é o mais concorrido. No fim de todas as festas, o que mais escuto é : “ A comida estava maravilhosa, mas o Mini Hambúrguer....Huuuum!”. Ou seja, ele é a sensação!!!

Alô Alô Bahia – Para finalizar, como seria uma festa para ficar na história de Salvador?

Flávia Sampaio – Gostaria de fazer uma em que todos os decoradores e buffets trabalhassem juntos, bem ao estilo “ Festa de Babette”. Será que daria certo?

Foto: Reprodução.